“Acabei de fazer uma grande descoberta. O Todo-Poderoso teve dois filhos. Jesus Cristo foi o primeiro; eu sou o segundo”. É assim que John Stott abre o terceiro capítulo do seu Cristianismo Básico. Claro, a “descoberta” não é do autor. Trata-se de uma das cartas recebidas por ele, enviada de um conhecido hospital para doentes mentais da Inglaterra.

Talvez, como afirma Stott, “uma certa ingenuidade em Jesus” é, digamos, a porta aberta para os loucos, e outros nem tanto, se arvorarem como filhos, herdeiros e até mesmo legítimos representantes do Filho do Homem. E a Páscoa não pode ser comemorada se não sabemos por que ou por quem a celebramos. Aliás, qualquer coisa que tenha aspecto institucional é objeto de rejeição. A igreja, os ritos, o envergonhado sinal da cruz e, quase caindo em desuso, até mesmo a Semana Santa.

É bom voltar ao começo. Às bases do cristianismo. Nas palavras do autor inglês, “Não é possível sustentar que as afirmações do carpinteiro de Nazaré são invenção ou exagero dos autores dos evangelhos […]. Jesus não aparentava nenhuma anormalidade, o que seria de se esperar em uma pessoa perturbada. Seu caráter sustenta suas declarações […]. Não o vemos como Deus disfarçado de homem, nem como um homem com qualidades divinas, mas como homem e Deus. Jesus foi uma pessoa histórica, com duas naturezas distintas e perfeitas, a divina e a humana. Só assim ele pode ser digno não apenas de nossa admiração, mas também de nossa adoração.”

Vale a pena ler e reler Cristianismo Básico, um clássico traduzido em muitas línguas, incluindo chinês, japonês, russo e coreano, cujo autor foi indicado pela revista “Time” como uma das personalidades mais influentes do mundo.

Leia o que Ultimato publicou sobre o assunto
• O Jesus do evangelho não é martir, edição n. 263
• Não estamos de luto, edição n. 287

Leia o livro
• Cristianismo Básico, John Stott
• A Pessoa Mais importante do Mundo, Elben César

Para receber Ultimato em casa, assine aqui.

____________________

* Texto de “prateleira” publicada no site Ultimato em abril de 2007.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>