Se John Stott fosse conhecido no mundo todo apenas como teólogo, escritor e evangelista, já seria surpreendente. Porém, além disso e de ter sido indicado pela revista “Time” como uma das cem personalidades mais influentes do mundo, ele é também o presidente honorário do Movimento Lausanne e um de seus pioneiros.

Aos 88 anos e com a saúde debilitada, Stott não pôde comparecer ao congresso. Mas fez questão de enviar uma mensagem a todos os participantes, que foi publicada em oito idiomas no informativo do congresso:

“Tenho agradecido a Deus, durante todos esses anos, pelo crescimento do Movimento Lausanne desde 1974 e pela maneira como ele o tem usado para a sua glória. Agradeço ainda mais a Deus pelo crescimento da igreja mundial durante esses anos, principalmente nos grandes continentes do mundo em desenvolvimento.

Alegro-me com a realização do Congresso na África e oro para que vocês partilhem ricamente a bênção de Deus sobre a igreja nesse continente, assim como a dor e o sofrimento do seu povo.”
Apesar das limitações, John Stott mantém uma invejável lucidez e senso de humor — e realiza suas atividades com a ajuda de Frances Whitehead, sua secretária por mais de cinquenta anos.

Após marcar gerações com livros como “Ouça o Espírito, Ouça o Mundo” (ABU editora), escreveu suas “palavras de despedida” em seu mais novo (e, segundo ele mesmo, o último) livro: “The Radical Disciple: Some Neglected Aspects of our calling” (InterVasity Press, 2010). No Brasil, o livro será publicado pela editora Ultimato, em março de 2011, com o título “O Discípulo Radical”.

Stott explica o que significa ser um discípulo radical de Jesus e explora oito aspectos importantes, mas negligenciados, do discipulado cristão: não-conformidade, semelhança com Cristo, maturidade, cuidado com a criação, simplicidade, equilíbrio, dependência e morte. Ele reflete sobre o significado de servir a Jesus sem reservas e deixá-lo dirigir nossa vida, cumprindo assim a tarefa de levar adiante o espírito Lausanne.

___________________

Texto publicano da sessão “Especial” da edição 327 da revista Ultimato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>