Religião e Ciência

Louvai a Fonte da Fé e do Saber – Thomas Troeger

 

Louvai a fonte da fé e do saber
que à mente faiscando atiçou,
de paixão pelo compreender,
como este mundo Ela desenhou.
O senso de maravilha fluindo
das maravilhas que investigamos,
nossa fé sempre progredindo
aumentando o desejo enquanto oramos:

Deus sábio, nós reconhecemos
que a nossa ciência e a nossa arte
e enquanto homens, tudo o que sabemos
da verdade toda é pequena parte.
Jaz muito além da especulação
insondável a nós, o profundo;
Ali guardas o plano da criação,
e o pulso de vida do mundo.

Como no rio uma e outra corrente,
as duas submersas se dão em combate
té convergirem na mesma torrente,
na calma coerência dum curso constante,
ajunta ó Deus, nossa fé e saber!
que possam se unir numa só torrente,
e enquanto se casam a ti devolver
louvores e graças pois és a Nascente.

 

“Louvai a fonte da fé e do Saber”, por Thomas Troeger. Tradução minha para o livro Test of Faith (Ultimato, forthcoming 2013)

“Ode à Glória de Deus”

 

O firmamento nos altos, pródigo,

e inteiro o intangível céu índigo,

onde nuvens se espargem: moldura brilhante,

do seu grande Original anunciante;

O sol infatigável, dia após dia,

do Autor excelso os poderes irradia,

e publica a cada povo e nação,

a obra da onipotente mão.

Se noturnas sombras vêm caindo,

surge logo a lua com seu conto estupendo,

noite após noite à terra que a escuta,

do seu nascimento a história reconta;

Enquanto estrelas tantas orlam o seu clarão,

até os planetas todos no mesmo rodeio vão,

com as alvíssaras no passeio confirmando,

de um polo ao outro a verdade alastrando.

Que importa se redor do globo escuro,

movam-se todos em silêncio tão austero?

Que importa se som ou voz realmente

nenhuma se ouve em toda orbe resplandecente?

Pois todos celebram, aos ouvidos da razão,

por vozes alegres em gloriosa expressão,

Com suma radiância em canto imortal:

“A mão que nos fez é a mão divinal!”

 

Tradução minha do poema de Joseph Addison, ‘Ode à Glória de Deus’, primeiramente publicado em The Spectator, no. 465, 1712. Inspirado no Salmo 19.

O poema acima aparecerá no livro “O Teste da Fé: Jornadas Espirituais com Cientistas”, lançamento da Ultimato para 2013!

 

Pensar na morte aumenta fé de ateus, diz estudo – Ciência – Notícia – VEJA.com

Pensar na morte aumenta fé de ateus, diz estudo – Ciência – Notícia – VEJA.com.

Interessante exemplo de como a crença/descrença não é absoluta mas admite gradação. É claro que do ponto de vista lógico uma crença é aceita como verdadeira ou não; mas a crença é sustentada por uma pessoa, e a condição geral dessa pessoa – biopsíquica, moral, social, etc – interfere na relação que ela tem com essa crença.

Enfim, dúvidas não são privilégio de “religiosos”…