Archive for abril, 2014

O Peso Total das Nossas Convicções: O Ponto do Pluralismo Kuyperiano

0

 

[Com autorização do companheiro Daniel Dliver, republico sua tradução de um artigo jóia de Jonathan Chaplin, sobre o tema do pluralismo. É esse o tipo de perspectiva subjacente ao que escrevi anteriormente neste blog sobre pluralismo (veja AQUI).]

 

A visão de Kuyper pode ser uma inspiração para os cristãos que hoje enfrentam a dupla ameaça do capitalismo explorador e do estatismo arrogante — ambas as forças profundamente secularizantes.

Por Jonathan Chaplin, 1 de novembro de 2013, Comment Magazine

 

Paridade, não privilégio. Dificilmente um slogan acrobático de campanha eleitoral, mas, em poucas palavras, o objetivo estratégico da visão do “pluralismo” de Abraham Kuyper. Os cristãos não devem buscar uma posição de privilégio político ou legal nas praças públicas de suas nações religiosa e culturalmente diversas, mas uma posição de paridade. O objetivo é desfrutar de direitos iguais ao lado de outras “comunidades confessionais” dentro de uma democracia constitucional marcada pela ampla liberdade de expressão, justa representação, e uma diversidade de vozes. Assim, no auge da luta do século XIX holandês por igualdade de tratamento para as escolas cristãs, Kuyper afirmou que “o nosso objetivo incessante deve ser a exigência de justiça para todos, justiça para cada expressão de vida.” (mais…)

“O Corpo é meu, faço o que quiser com ele”. Será?

2

 

Há algum tempo escrevi sobre os problemas da ideologia liberal e sua relação com a promiscuidade sexual contemporânea, e mais recentemente dei uma breve entrevista sobre o tema ao Jonathan Silveira, do ministério Tu Porém (Veja no vídeo ao final do post). Mas logo depois disso, por pura coincidência, saíram os resultados de uma pesquisa do IPEA sobre estupro (e patriarcalismo) causando comoção geral, e o tal argumento liberal “se o corpo é meu, faço o que quiser com ele” foi invocado na mídia como fundamento para o combate à violência sexual. Então decidi reviver o assunto por aqui.

Sou perfeitamente contrário à violência sexual, mas esse argumento simplesmente não funciona. Na verdade penso que ele não apenas é irracional, mas alimenta indiretamente os problemas que deseja evitar.

Faço apenas um reparo à entrevista: a pergunta do Jonathan foi sobre o movimento LGBT, mas se aplica mais exatamente ao fundo liberal da vanguarda feminista contemporânea. Às vezes se ouve esse argumento em contextos LGBT, mas ele pertence mais propriamente a todo o movimento de liberação sexual moderno e principalmente ao feminismo. É empregado, por exemplo, para justificar o aborto, a legalização da prostituição, e para atacar a instituição do casamento monogâmico.

De todo modo, eu não fui o único a perceber que o emprego desse argumento como fundamento para a crítica à cultura masculina do desrespeito e, indiretamente, do estupro, é ideológico e moralista. É claro que uma campanha individualista e libertária sobre os direitos do indivíduo sobre o seu corpo não mudará criminosos e não protegerá as mulheres. Isso faz tanto sentido, como observou jocosamente o amigo Vitor Grando, quanto uma campanha de conscientização pública pelo direito de andar nas ruas com jóias e iphones expostos sem medo. Para quê o argumento serve, então? Para plausibilizar o próprio liberalismo moral culpando o conservadorismo moral. É um jogo ideológico.

Se o reforço do liberalismo moral reduzisse os impulsos basais dos estupradores já deveríamos ter a essa altura um ambiente de profundo respeito sexual na sociedade brasileira; mas aparentemente esse respeito é inversamente proporcional ao domínio cultural do liberalismo moral. Isso acontece, no meu entendimento, porque o liberalismo moral é irracional.

Enfim, o que se precisa no mundo do hiperconsumo, da atomização da vivência humana e da venalização do sexo – o rabo preso que o liberalismo moral tem com o estupro –  é de uma educação para a virtude, coisa que o feminismo e o liberalismo moral temem tanto quanto a morte.

Para mais detalhes, veja também o artigo abaixo. Para quem quiser saber mais: os três argumentos tem um pouco de ética da virtude, de Kant, de Charles Taylor e de Scruton. E, claro, de um sujeito chamado Paulo de Tarso.

IDEOLOGIA LIBERAL E PROMISCUIDADE SEXUAL: CÚMPLICES?

 

Go to Top