Recomeçar, retornar ao Pai, ao centro, ao coração, voltar às origens, à vocação, ao chamado primeiro, básico da vida: essa parece ser a essência da vida cristã. É assim na oração, é assim na convivência com as pessoas da Igreja, é assim no exercício dos nossos dons, é assim na nossa vida em família…

Falta de fé parece então consistir em desistir de retornar, de tentar mais uma vez. O que não crê se entrega nos braços do (des)espero, do não esperar mais nada das pessoas, de si mesmo, de Deus.

Cada vez mais percebo que todas as áreas da minha vida passam pela oração e dependem dela para ter sentido, energia e algum sucesso, até mesmo as atividades profissionais e acadêmicas. Vejo também que a oração contemplativa é uma experiência que pode me ajudar a superar fracassos, quando os demais planos simplesmente falham.

Em Pedra Lisa só pude orar de olhos abertos. Cada vez que fechava os olhos ouvia um pássaro cantar e dar um vôo rasante, uma manga caindo do pé, um som de chuva chegando, as águas do riacho, as vozes das crianças. Então elevava os olhos para as montanhas e a oração se misturava com a vibração de todas as cores e sons da criação.

Nesse último final de semana estive em retiro com a Igreja Presbiteriana de Macaé. Ficamos em um hotel-fazenda chamado Pedra Lisa. O hotel fica em um vale aos pés de uma montanha de mais de 300 metros de altura. Passei um bom tempo admirando aquele bloco maciço de pedra.

Aquele lugar tinha sido uma fazenda de cana-de-açucar em tempos do Brasil colonial, onde foi usada mão-de-obra escrava. Depois se tornou uma fazenda de café, e agora um local de descanso e lazer.

Enquanto contemplava a montanha, imaginei o que ela deve ter testemunhado ao longo da nossa história: os índios que habitavam ali originalmente, os portugueses chegando, as caçadas, os desmatamentos. As primeiras construções surgindo. Os escravos sendo trazidos para trabalhar na fazenda. Os espancamentos, as prisões, os batuques na senzala. Depois os caboclos subindo e descendo as picadas, plantando e colhendo café. Quase ouvi as vozes do passado.

Percebi que a nossa noção de tempo é bem nossa, bem humana. As pedras, os riachos, as árvores têm outro ritmo, outra pulsação. Aprendi muito com eles a respeito de simplicidade, humildade e humanidade.