Segue uma singela tradução do poema de Archbald MacLeash (1892-1982). Este poema, intitulado “Arte Poética” foi primeiramente publicado em 1926.   Um poema deve ser palpável e mudo Como uma fruta redonda, Mudo Como velhos medalhões no polegar, Silencioso como pedra gasta e sem reboco Dos batentes das janelas onde o musgo cresceu— Um poema […]

Continue lendo →

Um poema de Robert Frost (1875-1963) vai ganhando novos momentos de notoriedade e sentido: “Mending Wall”. Segue aqui uma singela tentativa de tradução.     “Consertando Muro” (Robert Frost)   Tem alguma coisa que não gosta de muro, Que faz o solo congelado se dilatar sob ele, E derruba ao sol as pedras de cima, […]

Continue lendo →

Paul Laurence Dunbar (1872-1906) foi o primeiro grande escritor negro a ser reconhecido nos Estados Unidos e na Inglaterra. Na aula de Literatura Norte-Americana de hoje na Unesc, lemos juntos e comentamos este poema: “We Wear the Mask” (Nós usamos a máscara). Este é um poema que fala de preconceito e exclusão. Fala da estratégia […]

Continue lendo →

Fragmento de uma das obras mais importantes de Walt Whitman: “Leaves of Grass”. Uma tradução imperfeita, mas inevitável. Agora não faço mais nada, só ouço, Para verter o que ouço nesta canção, para deixar os sons contribuírem com ela. Ouço bravuras de pássaros, alvoroço de trigo crescendo, murmúrio de chamas, estalido de gravetos cozinhando meus […]

Continue lendo →

                    Você não espera que alguém da minha raça, Com cabelos encaracolados e rosto negro, E com um pequeno raio de saber, Chame a atenção de seus amigos no colégio. Mas, farei o melhor que puder Para provar que quero ser um homem. É verdade, que meu […]

Continue lendo →

Ultimamente, tenho pensado muito na letra de uma antiga canção intitulada “O amor”. A letra foi escrita pelo famoso poeta russo do século XX, Wladimir Maiakovski, e a música foi composta por Caetano Veloso. A letra fala da chegada do amor como um momento de milagre e renovação da vida. Maiakovski foi um homem que […]

Continue lendo →

A Páscoa vem chegando, eis aqui um belo poema de um poeta metafísico: George Herbert. Observe como seu poema é formalmente inovador. Você consegue imaginar o que estes versos desenham? SENHOR, que criaste o homem em riqueza e bens, embora ele tenha perdido tudo tolamente decaindo mais e mais até ele se tornar mais pobre: […]

Continue lendo →