Um dos poemas mais tocantes da I Guerra Mundial foi escrito pelo poeta maior da língua portuguesa: Fernando Pessoa.   O Menino de Sua Mãe . No plano abandonado Que a morna brisa aquece, De balas trespassado — Duas, de lado a lado —, Jaz morto e arrefece. . Raia-lhe a farda o sangue. […]

Continue lendo →

Há 100 terminava a I Guerra Mundial. Com ela foram enterrados para sempre muitos dos sonhos da modernidade. Ela também inaugura um século novo de guerras diferentes, profundamente marcadas pelo uso da tecnologia — o avião para bombardeios, os gases venenosos, máscaras para proteção, granadas de mão, canhões de longo alcance, tanques velozes e pesados, […]

Continue lendo →

“Hora de conversar” (Robert Frost)   Quando um amigo me chama lá da estrada E puxa o arreio do cavalo para uma marcha lenta, Não fico parado olhando ao redor Para as colinas que ainda não capinei Gritando aqui de onde estou: O que é que há? Não, não enquanto há tempo para conversar. Lanço […]

Continue lendo →

Segue uma singela tradução do poema de Archbald MacLeash (1892-1982). Este poema, intitulado “Arte Poética” foi primeiramente publicado em 1926.   Um poema deve ser palpável e mudo Como uma fruta redonda, Mudo Como velhos medalhões no polegar, Silencioso como pedra gasta e sem reboco Dos batentes das janelas onde o musgo cresceu— Um poema […]

Continue lendo →

Um poema de Robert Frost (1875-1963) vai ganhando novos momentos de notoriedade e sentido: “Mending Wall”. Segue aqui uma singela tentativa de tradução.     “Consertando Muro” (Robert Frost)   Tem alguma coisa que não gosta de muro, Que faz o solo congelado se dilatar sob ele, E derruba ao sol as pedras de cima, […]

Continue lendo →

Paul Laurence Dunbar (1872-1906) foi o primeiro grande escritor negro a ser reconhecido nos Estados Unidos e na Inglaterra. Na aula de Literatura Norte-Americana de hoje na Unesc, lemos juntos e comentamos este poema: “We Wear the Mask” (Nós usamos a máscara). Este é um poema que fala de preconceito e exclusão. Fala da estratégia […]

Continue lendo →

Fragmento de uma das obras mais importantes de Walt Whitman: “Leaves of Grass”. Uma tradução imperfeita, mas inevitável. Agora não faço mais nada, só ouço, Para verter o que ouço nesta canção, para deixar os sons contribuírem com ela. Ouço bravuras de pássaros, alvoroço de trigo crescendo, murmúrio de chamas, estalido de gravetos cozinhando meus […]

Continue lendo →