Enquanto publicava as fotos no post anterior, ia tocando adiante minha leitura de Bakhtin. Tenho aula amanhã no Mestrado em Educação da Unesc. Entre uma página e outra, topei com a seguinte frase que me fez parar:

A palavra não é um objeto, mas um meio constantemente ativo, constantemente mutável de comunicação dialógica. Ela nunca basta a uma consciência, a uma voz. Sua vida está na passagem de boca em boca, de um contexto para outro, de um grupo social para outro, de uma geração para outra” (Problemas da Poética de Dostoiévski, p. 176).

Eita, Bakhtin! Isso tem tudo a ver com a proposta deste site, e desta frágil vida humana. Estou cada vez mais impressionado pela perspectiva que ele abre em relação à linguagem e ao fenômeno da cultura. Acho que estou virando fã.