Foi em Belo Horizonte, numa exposição da artista plástica Carol Gama, que conheci este poema de Cecília Meireles.  Ao chegar em casa, fui correndo buscar o velho livro Flor de Poemas, que repousava calmamente em minha estante.  Percebi, então, que eu já havia lido e esquecido o poema.  Como pode isso? Pode, sim. Nossa memória […]

Continue lendo →