“A mão” (Gladir Cabral) A mão que assina um documento em Brasília Desmata mais que uma floresta em Manaus E deixa a fome devorar as cidades E suas bordas derramadas em pleno caos A mão que assina um documento em Brasília Decide a sorte dos que nunca lerão Uma palavra escrita sobre um papel qualquer […]

Continue lendo →

Nestes tempos de polarização e de grande alvoroço político e social, lembro do teólogo protestante Dietrich Bonhoeffer, executado antes do final da II Guerra Mundial por ordem expressa de Adolf Hitler.   Vivendo os dilemas daquele tempo, Bonhoeffer viu a sociedade alemã se encaminhar para o fascismo, contra o qual resistiu ousadamente.   Suas cartas […]

Continue lendo →

Esta é uma das canções que escrevi pensando em Jerusalém, a cidade amada. Nela se cruzam os caminhos de vários povos. O nome sugere que ali se estabeleceria o fundamento paz, no entanto a história dá conta de uma série de desencontros, de conflitos de alegria e lamento misturados na mesma lágrima. Ali, o Senhor […]

Continue lendo →

Herdei de minha mãe o gosto pelo cantar. Ela parece cantar o dia inteiro, em meio às suas atividades domésticas. Lava louça todo dia, e canta… Põe água no feijão, que chegou mais um, e canta… Rega as flores, ainda que estas não falem, e canta… Lê as Escrituras, ora, adora e canta… E é […]

Continue lendo →

Ontem (12 abr 14) participei do Fé & Café na Igreja Presbiteriana na Trindade. Depois de dois anos e meio, revivi a experiência de colocar a família no carro e pegar a estrada. Foi uma viagem com emoção, com direito a muita chuva por causa de um ciclone extratropical que resolveu se aproximar da costa, […]

Continue lendo →

Esta canção foi escrita há mais de 30 anos. Poucas pessoas a conhecem. Guarda uma profundidade impressionante. A letra foi escrita pelo amigo Gilnei, quando éramos estudantes de teologia no Seminário Presbiteriano do Sul. Muito profunda e perturbadora, a letra. A melodia veio quase imediatamente. Naqueles dias, uma das coisas que pesavam em nossos corações […]

Continue lendo →

Às vezes é bom revisitar o passado e reviver as marcas, os rastros deixados pelo caminho, o rumo dos pés. É claro que a paisagem não é a mesma, árvores se foram, amigos se foram. Como diz Walter Benjamin: “Nunca podemos recuperar totalmente o que foi esquecido. E talvez seja bom assim. O choque do […]

Continue lendo →