No banquete final dos demônios, Murcegão pede a palavra, dá conselhos aos aprendizes todos e propõe um brinde. Em certa altura de seu discurso ele conta uma história: Creio que você se lembram do que aconteceu quando um certo ditador dentre os gregos (naquele tempo ostentavam o nome de tiranos) enviou um embaixador a outro […]

Continue lendo →

Seguem os conselhos do tio Murcegão ao seu aprendiz de demônio: O horror para com a mesma velha coisa é uma das obsessões mais vantajosas que temos suscitado no coração humano — sendo uma fonte inexaurível de heresias em religião, de insensatez nos parlamentos, de infidelidade na vida conjugal e de inconstância nas amizades. Os […]

Continue lendo →

Continuo em minha releitura do C.S. Lewis e estou agora lendo o Cartas do Coisa Ruim. Topei com este curioso parágrafo em que o tio Murcegão sugere que seu sobrinho aprendiz seja mais atento quanto ao vínculo que o seu “paciente” estabelece com a Igreja. Tome nota: Em sua última carta, você fez uma referência […]

Continue lendo →

Estou lendo Cartas do Coisa Ruim, de C.S. Lewis. No prefácio escrito em 1960 ele fala sobre diabo e inferno. Em certa altura ele diz: Prefiro os morcegos aos burocratas. Vivo nesta época de administradores. Os maiores males já não são verificados naqueles sórdidos ‘antros de crimes’ que Dickens tanto gostava de descrever. Já não […]

Continue lendo →

Estou aproveitando as férias para reler as aventuras de Nárnia (C.S. Lewis). Delicio-me com a profundidade do autor escondida por trás das afirmações aparentemente simples. No livro O Navio da Alvorada, há uma cena em que Lucy conversa com Aslan sobre a percepção do tempo. Aslan havia dito: — Breve nos encontraremos novamente. — Aslan, […]

Continue lendo →