Muitos escritores se inspiraram no tema do Natal para escrever contos de profunda reflexão sobre a vida e a humanidade, como é o caso de Dostoiévski, Charkes Dickens e Tolstoi. Nessas histórias, a intensidade da tristeza e o senso de abandono são por vezes quase insuportáveis – crianças e mulheres enfrentando a neve, a escuridão […]

Continue lendo →

A poética de Lutero Nem os estrondos dos tímpanos, nem o som estridente das trombetas, nem a harmonia arrastada dos órgãos, Martinho Lutero gostava mesmo era do som harpejado e aveludado do alaúde, um instrumento ancestral do violão, com o qual escreveu 36 hinos celebrando a beleza do evangelho de Jesus e os princípios da […]

Continue lendo →

  No último mês de agosto ocorreu no acampamento Jovens da Verdade, em Arujá (SP), a décima edição do “Nossa Música Brasileira” (NMB), um encontro que contemplou não apenas a linguagem musical, mas também o teatro, a poesia, a fotografia e a pintura. Tendo participado de diversas edições anteriores, acompanho com expectativa e alegria cada […]

Continue lendo →

Em seu ensaio sobre a importância da leitura dos clássicos da literatura, Italo Calvino afirma, entre várias teses, que “[u]m clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer”. A obra Don Quixote, de Miguel de Cervantes, confirma plenamente essa afirmação. Passados mais de 400 anos de sua publicação, o […]

Continue lendo →

O sol se põe na linha do horizonte. A escuridão pouco a pouco invade a terra. No risco distante do poente vê-se apenas um clarão. Olhando para trás, o escuro da noite parece encobrir a cidade, menos os prédios mais altos, ainda tocados pela claridade do sol. Tenho para mim que nossos poetas, nossos grandes […]

Continue lendo →

                    Você não espera que alguém da minha raça, Com cabelos encaracolados e rosto negro, E com um pequeno raio de saber, Chame a atenção de seus amigos no colégio. Mas, farei o melhor que puder Para provar que quero ser um homem. É verdade, que meu […]

Continue lendo →

Imagina!   Se é pura verdade o que diz Benedict Anderson sobre o caráter imaginário de nossa identidade nacional e se Darcy Ribeiro acertou quando disse que “a coisa mais importante para o brasileiro era inventar o Brasil”, então quero imaginar um país e colaborar para a sua invenção. Trata-se de um exercício de imaginação […]

Continue lendo →