Um dos poemas mais tocantes da I Guerra Mundial foi escrito pelo poeta maior da língua portuguesa: Fernando Pessoa.   O Menino de Sua Mãe . No plano abandonado Que a morna brisa aquece, De balas trespassado — Duas, de lado a lado —, Jaz morto e arrefece. . Raia-lhe a farda o sangue. […]

Continue lendo →

Há 100 terminava a I Guerra Mundial. Com ela foram enterrados para sempre muitos dos sonhos da modernidade. Ela também inaugura um século novo de guerras diferentes, profundamente marcadas pelo uso da tecnologia — o avião para bombardeios, os gases venenosos, máscaras para proteção, granadas de mão, canhões de longo alcance, tanques velozes e pesados, […]

Continue lendo →

Esta canção surgiu de uma conversa com Carlinhos Veiga, quando ainda estávamos em Tatuí  (SP), onde fazíamos um show. A inspiração vem do texto bíblico de João 12:1-11, quando uma jovem chamada Maria, irmã de Lázaro, pega um frasco de caro perfume e derrama sobre os pés de Jesus. A casa estava cheia e logo […]

Continue lendo →

O romance Vidas Secas, de Graciliano Ramos, é hoje um clássico da literatura moderna brasileira. Vinculado ao regionalismo, o livro foi publicado em 1938 e traz a história de uma família de retirantes nordestinos fugindo da seca em busca de um lugar onde possam viver. Os principais personagens são: Fabiano, o pai; Sinhá Vitória, a […]

Continue lendo →

“Era uma vez uma cidade no coração da América, onde a vida toda parecia viver em harmonia com o ambiente ao seu redor”. Assim Rachel Carson começa seu livro Primavera Silenciosa, descrevendo o lugar, cheios de campos de trigo e pomares nas colinas, verdes florestas e árvores frondosas. Até que “uma doença estranha se espalhou […]

Continue lendo →

Gosto de orar o Pai Nosso todos os dias. Cada vez que oro, aprendo algo novo, descubro uma dimensão até então não percebida na minha relação com Deus e com as pessoas. Seguem adiante algumas lições que tenho aprendido com a oração que Jesus nos ensinou. 1. Essa é uma oração da graça e não […]

Continue lendo →

“Hora de conversar” (Robert Frost)   Quando um amigo me chama lá da estrada E puxa o arreio do cavalo para uma marcha lenta, Não fico parado olhando ao redor Para as colinas que ainda não capinei Gritando aqui de onde estou: O que é que há? Não, não enquanto há tempo para conversar. Lanço […]

Continue lendo →