Tem coisa boa chegando por aí, um documentário sobre o poeta, ambientalista e pensador Wendell Berry. O filme intitula-se Look and See: a Portrait of Wendell Berry. Vamos aguardar.

“O objetivo”
by Wendell Berry

Mesmo em sonhos eu orava para que minha visão fosse apenas medo e não profecia,
pois eu via a última paisagem conhecida ser destruída por causa
do objetivo — o solo sendo arrasado, as rochas explodidas.
Aqueles que queriam ir para casa jamais chegariam lá.
Visitei escritórios onde por causa do objetivo,
os planejadores à mesa vazia sentavam-se em fila.
Visitei as fábricas barulhentas onde as máquinas eram feitas
que avançariam sempre avante para o objetivo.
Vi a floresta ser reduzida a tocos e ravinas.
vi o rio envenenado — a montanha derramada dentro do vale;
vim à cidade que ninguém reconhecia porque se parecia com qualquer outra cidade.
Vi os caminhos gastos pelos inúmeros passos daqueles
cujos olhos estavam fixos no objetivo.
Sua passagem obliterava os túmulos e monumentos
dos que haviam morrido em busca do objetivo
e que já estavam esquecidos para sempre há muito tempo atrás,
segundo a inevitável regra de que aqueles que haviam esquecido
esqueciam-se de que haviam esquecido.

Homens e mulheres e crianças agora perseguiam o objetivo como se ninguém jamais o tivesse perseguido antes.
As raças e os sexos agora misturavam-se perfeitamente na busca do objetivo.
Os que antes eram escravos, os que então eram oprimidos,
eram agora livres para venderem-se à maior oferta
e entrar nas prisões melhor remuneradas na busca do objetivo,
que era a destruição de todos os inimigos,
que era a destruição de todos os obstáculos,
que era abrir caminho para a vitória,
que era abrir caminho para a promoção,
para a salvação,
para o progresso,
para a efetivação completa da venda,
para a assinatura do contrato,
que era abrir o caminho para a auto-realização, para a auto-criação,
do qual ninguém que um dia quisesse voltar para casa jamais o conseguiria agora,
pois todo lugar lembrado havia sido deslocado;
todo amor desamado,
todo voto desfeito,
toda palavra desmentida
para abrir caminho à passagem da multidão dos individualizados,
os autônomos, os auto-educados, os sem teto com seus muitos olhos
abertos para o objetivo que ainda não haviam percebido na longa distância,
não tendo jamais conhecido para onde estavam indo,
não tendo jamais conhecido de onde vinham.

[do livro ‘A Timbered Choir: The Sabbath Poems’ 1979-1997, by Wendell Berry, Counterpoint, 1998]

https://www.youtube.com/watch?v=cQSJfgn5Yyk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>