“A mão”
(Gladir Cabral)

A mão que assina um documento em Brasília
Desmata mais que uma floresta em Manaus
E deixa a fome devorar as cidades
E suas bordas derramadas em pleno caos

A mão que assina um documento em Brasília
Decide a sorte dos que nunca lerão
Uma palavra escrita sobre um papel qualquer
Sequer a letra rabiscada ao pé do chão

A mão…
Que assassina uma criança nas ruas
E deixa à míngua o velho trabalhador
Que já não tem onde pousar a cabeça
E nem remédio para as dores do coração

A mão que assina um documento em Brasília
Não vê a outra que trabalha demais
E que nem sempre garante o seu ganha pão
E não terá os privilégios oficiais

E o que dizer das águas
Que passam pela ponte?
O que dizer das fontes que secarão?

O que será das aves
Que já não têm mais ninho?
O céu sem passarinho não tem canção

A mão que assina…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>