Fragmento de uma das obras mais importantes de Walt Whitman: “Leaves of Grass”. Uma tradução imperfeita, mas inevitável. Agora não faço mais nada, só ouço, Para verter o que ouço nesta canção, para deixar os sons contribuírem com ela. Ouço bravuras de pássaros, alvoroço de trigo crescendo, murmúrio de chamas, estalido de gravetos cozinhando meus […]

Continue lendo →

O sol se põe na linha do horizonte. A escuridão pouco a pouco invade a terra. No risco distante do poente vê-se apenas um clarão. Olhando para trás, o escuro da noite parece encobrir a cidade, menos os prédios mais altos, ainda tocados pela claridade do sol. Tenho para mim que nossos poetas, nossos grandes […]

Continue lendo →