A vida, ainda que severina   “O meu nome é Severino, / não tenho outro de pia” – assim começa um dos poemas mais conhecidos e celebrados da carreira do escritor brasileiro João Cabral de Melo Neto: Morte e Vida Severina: Auto de Natal Pernambucano, uma obra cheia de ironias e paradoxos: um auto de […]

Continue lendo →

Herdei de minha mãe o gosto pelo cantar. Ela parece cantar o dia inteiro, em meio às suas atividades domésticas. Lava louça todo dia, e canta… Põe água no feijão, que chegou mais um, e canta… Rega as flores, ainda que estas não falem, e canta… Lê as Escrituras, ora, adora e canta… E é […]

Continue lendo →