Jesus-Good-Shepherd-06Leia: Ezequiel 34.20-24

 

As campinas, vales e morros da Palestina são repletos de histórias. Povos cananitas ali viveram e desapareceram. Exércitos passaram por ela, migrantes percorreram seus caminhos, feras vagaram por seus ermos. Ali Israel experimentou momentos de glória e de humilhação.

As pedras e arbustos daquele chão sagrado também guardam imagens milenares de amor, carinho e cuidado de pastores por suas ovelhas. Desde os mais desconhecidos até aquele que se tornaria rei, todos experimentaram a profundidade desse relacionamento. Ele é tão profundo que inspirou um dos mais belos poemas do Antigo Testamento, que toma a imagem do pastor e sua ovelha para representar a vivência de Deus com seu povo.

Pastor e ovelha. Uma relação que envolve o sacrifício daquele e a confiança desta, que pressupõe a força do homem que dá guarida e a fraqueza do animal que se sente protegido, que se constrói a partir da liderança do humano e da submissão do rebanho, que se aprofunda na nomeação de cada ovelha e pelo pronto atendimento com que respondem à voz do pastor.

Nem sempre essa relação foi harmoniosa. Israel estava exilado na Babilônia. As lideranças, em lugar de zelarem e cuidarem do povo, agiam por si mesmas e a favor de si mesmas. Simplesmente se esqueceram de suas obrigações para com os mais fracos.

Deus, então, levanta o profeta Ezequiel e lhe dá uma mensagem: os líderes de Israel eram ovelhas gordas que apascentavam a si mesmas, que desprezavam as fracas e roubavam sua pastagem. Deus afirma que punirá tais ovelhas e suscitará Davi como pastor das ovelhas oprimidas.

Ora, a muito Davi estava morto. Portanto, essa profecia foi tomada como messiânica. Jesus se identifica como o bom pastor que dá a vida pelas ovelhas (Jo 10.11). Jesus é aquele que reaviva a imagem do pastor que cuida de seu rebanho e o ama, do pastor divino que dispensa tudo quanto é necessário ao seu rebanho.

Mais do que nunca é necessário reconhecer que os inimigos das ovelhas fracas e carentes são os religiosos, caracterizados como ovelhas gordas e lobos. Jesus os combateu, os afastou do rebanho. Ele nos adverte contra esses lobos vorazes que se escondem em pele de ovelha (Mt 7.15).

A religião e sua máquina institucional rapidamente se apossaram de Jesus e de seus ensinos. Hoje, muito do que se intitula cristianismo e exige a devoção de fiéis nada mais é do que uma alcateia de lobos insaciáveis em seu apetite.

Jesus Cristo é o bom pastor. Ao comemorarmos seu nascimento, afirmamos que, como ovelhas carentes, ouvimos apenas a sua voz e rejeitamos com todas as nossas forças os grilhões com que falsos religiosos, ovelhas gordas, lobos assassinos, querem nos prender.

Ouça esta bela canção do Stênio Marcius, na voz do Edilson Botelho: “Estima”. Medite. Ore. Compartilhe. http://www.youtube.com/watch?v=-bxRs55l13k

João Leonel

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>