Leia: Hebreus 12.1-2   Destaco a última folha do calendário. Lá se vai o 31 de dezembro de 2013. Para trás ficam as experiências vividas, os planos concretizados e também os sonhos desfeitos. Pouco a pouco, viram-se as páginas da vida, e o que tenho em mãos é um belo álbum de fotografias. Por um […]

Continue lendo →

Leia: Eclesiastes 3.1-8   Sobre minha mesa de trabalho há dois calendários convivendo pacificamente ao lado do computador: o calendário do ano que termina, todo rabiscado, envelhecido, anotado com canetas de várias cores; e o calendário do Ano Novo, bonito, cheiroso, brilhando, prometendo grandes novidades, expectativas muitas e incontáveis projetos. Eles me ensinam que os […]

Continue lendo →

Leia: João 9.25   Lá pelos meus 16 anos de idade tive maior contato com o evangelho e comecei a me envolver em uma comunidade cristã. Um dos textos que mais me chamou a atenção naqueles primeiros tempos foi o capítulo 9 do evangelho de João. Ao verem um cego de nascença, os discípulos de […]

Continue lendo →

Leia: Êxodo 33.12-16   Dizem que Ele é uma ausência, uma grande e infinita saudade, fruto de nossas ansiedades e frustrações, de nossos desejos não satisfeitos, como cismou Nietzsche, ou talvez um de nossos mais preciosos e belos sonhos, como poeticamente sussurrou Rubem Alves. Ele é nossa mais profunda nostalgia, como orou certa vez Agostinho: […]

Continue lendo →

Leia: Lucas 2.41-52   Passadas as comemorações natalinas, quase que imediatamente somos tomados por nova preocupação: as festividades da passagem de ano. É incrível como de um sentimento cristão migramos para outro totalmente secular. Se há uma semana fazíamos votos de bênçãos divinas aos amigos e familiares e nos lembrávamos de crianças pobres e de […]

Continue lendo →

Leia: João 14.1-6   Contanto pacientemente os passos, estendendo as mãos para frente, meu avô caminhava pela casa parecendo sentir a presença dos móveis ao redor, mas sem vê-los. Havia se tornado cego. E eu no meu canto o contemplava. Certa vez lhe perguntei: “Como é que o senhor consegue andar por aí sem esbarrar […]

Continue lendo →

Leia: Mateus 2.1-8, 13, 14; 27.32-44   O menino descansa na manjedoura. Até então, as vaquinhas e boizinhos encontravam ali o alimento. Até então, o cheiro da cana cortada, do capim gordura, o cheiro da palha. Agora, um bebê recém-nascido adormece num momento profundo de paz e perfuma o ambiente. Sua mãe e seu pai […]

Continue lendo →