Arquivo de novembro 2013

1/31 | Porque o Senhor é bom!

advent-calendar2Leia: Salmo 100

Tenho de mudar! Preciso mudar!

Talvez você já tenha sentido necessidade de assumir um olhar com o qual, a partir de determinado momento, passaria a enxergar a vida. Deixar de ser guiado pelas circunstâncias. Deixar de sentir-se uma mera confluência de fatores externos. Reconhecer que, do jeito que está, não dá!

Algumas pessoas levam isso a sério, muito a sério! O salmista foi alguém assim. Comprometeu-se a ter um olhar que dirigiria e condicionaria tudo quanto viesse a fazer e pensar. Para ele, acima de tudo, Deus é bom!

Tal decisão não surgiu do nada e nem de uma dia para o outro. Ela é fruto de experiências com Deus. Embora não saibamos quais foram, elas o levaram a sentir-se criado pelo Senhor, ovelha de seu rebanho. Sentiu vontade de louvar e de testemunhar o nome do Senhor. Estava tomado por um desejo incontido de falar ao mundo sobre a bondade de Deus.

A bondade que o salmista experimentou expressou-se concretamente na misericórdia e na fidelidade divinas. Apesar de nossas fraquezas, Deus nos ama, nos chama e nos quer junto de Si. Apesar sermos infiéis por vezes, Ele continua fiel às suas promessas a nós. Deus é bom!

Isso não significa que o salmista não tenha passado por provações e lutas. Pelo contrário, certamente elas vieram, curvaram-no com a violência de seus ventos, quase o submergiram com a pressão de suas águas. Mas Deus continuou sendo bom, sua misericórdia continuou a ampará-lo, sua fidelidade continuou a socorrê-lo.

Deus é bom! Acima de tudo, Ele é bom!

Durante o mês de dezembro escreveremos diariamente uma mensagem sobre o natal e, depois dele, sobre o novo ano que se aproxima. Queremos refletir sobre a encarnação, sobre o menino Deus, sobre a salvação que irrompeu em graça em nosso mundo. Acompanhe-nos. Dê-nos a alegria de compartilhar com vocês o que temos ouvido, visto e experimentado a respeito de nosso Salvador.

Vamos ouvir uma bela canção na voz de Jorge Camargo: “Bendize”. Ouça. Medite. Ore.

http://www.youtube.com/watch?v=k8ilPighBeA

João Leonel & Gladir Cabral

O espelho na parede

faceless210_copy18571Esta canção foi escrita há mais de 30 anos. Poucas pessoas a conhecem. Guarda uma profundidade impressionante. A letra foi escrita pelo amigo Gilnei, quando éramos estudantes de teologia no Seminário Presbiteriano do Sul. Muito profunda e perturbadora, a letra. A melodia veio quase imediatamente.

Naqueles dias, uma das coisas que pesavam em nossos corações era a indiferença que muitas vezes encontrávamos no olhar das pessoas em relação ao desafio de refletir sobre as Escrituras, a realidade, a vida. Numa dessas vezes, o próprio Gilnei comentou: “As pessoas são ecos de seus próprios gritos”.

Como sabiamente nos faz pensar José Saramago, o grande desafio ainda parece estar no olhar: deixar-se olhar pelo outro e aprender a ver.

“O espelho na parede”
(Gilnei Marcel Hey Kiel & Gladir Cabral)

São vozes, ecos distantes
Que ouvem e aprendem,
Apenas reflexos da mesma imagem,
Caminhos da mesma viagem,
No espelho da parede.

São ventos surdo-imutáveis,
Não criam, não nascem,
Apenas passeiam na mesma paisagem,
Presentes, não vistos, vazios,
Na moldura da parede.

Quem fez a vida, do nada a teceu,
Usando o barro e as mãos escolheu,
Da criação, um a ser criador,
Fruto de amor.
Ora, como entender
Que sua imagem viesse a ser
Um espelho na parede?
Na moldura da parede…

https://soundcloud.com/gladir/o-espelho-na-parede

Amigo meu

936002_609785625744264_1318504180_n

Às vezes é bom revisitar o passado e reviver as marcas, os rastros deixados pelo caminho, o rumo dos pés. É claro que a paisagem não é a mesma, árvores se foram, amigos se foram. Como diz Walter Benjamin: “Nunca podemos recuperar totalmente o que foi esquecido. E talvez seja bom assim. O choque do resgate do passado seria tão destrutivo que, no exato momento, forçosamente deixaríamos de compreender nossa saudade” (Infância em Berlim).

 

Lá no início dos anos 1980 escrevi esta canção em parceria com um amigo querido: o Marcos Albuquerque Barbosa. A canção fala de amizade, tema do qual gosto muito e que tem acompanhado minhas reflexões ao longo da vida. Um amigo falso dói e um amigo traidor é uma faca no peito, mas quando se encontra um amigo verdadeiro e com ele se compartilha alegria e dor, trabalho e ócio, palavra e silêncio, então a vida ganha uma profundidade sem par.

 

“Amigo”

(Marcos Albuquerque Barbosa & Gladir Cabral)

 

Amigo meu,

Quão longe estás.

Não ouço mais

O teu cantar.

Calou-se em mim

A tua voz

E teu olhar

Não posso ver.

 

Mas sempre é bom

Saber, irmão,

Que não se pode

Separar

O que o Senhor

Pra sempre uniu,

O que selou

Com seu amor.

 

|: Andemos juntos

Em comunhão,

Cantando assim

Nossa canção,

Unidos, sim,

No caminhar,

Pois nosso Deus Conosco está : |

Para ouvir a canção => https://soundcloud.com/gladir/amigo-meu