Arquivo de fevereiro 2010

graça de Deus

Entre as doces recordações de 2009, está o final de semana que passei com a Igreja Metodista de Vila Isabel, no Rio de Janeiro. Foi um tempo muito intenso de alegria, comunhão, reflexão e aprendizado. Andei pelas ruas e avenidas de Vila Isabel e constatei como é forte a presença de Noel. Numa tarde quente de sábado (e põe quente nisso!), escrevemos uma canção coletivamente, na verdade a quase uma centena de mãos (rs).

Graça

A criança a brotar
Uma flor a nascer
A beleza do olhar
Novo amanhecer

Correnteza de rio
O barulho do mar
Brisa leve, assovio
Andorinha a pairar

O que mais eu teria
Pra falar desse amor?
Aquarela nas mãos
Do eterno pintor

Sonho, vida, graça de Deus!
Plano, obra, graça de Deus!
Cores, formas, graça de Deus!
Dança, festa, graça de Deus!


rio-de-janeiro2009-007rio-de-janeiro2009-004rio-de-janeiro2009-024

graça de deus

Varanda (The Song Within)

Um dos presentes mais preciosos que o Senhor me concedeu em 2009 foi a oportunidade de fazer uma canção em parceria com alguém que admiro e com quem aprendo desde o final da década de 1970, Phill Keaggy. A história é meio maluca, mas vinha eu dirigindo altas horas da noite pela Br 101 entre Florianópolis e Criciúma ouvindo um disco instrumental de Phill Keaggy. De repente surge essa música: “The Song Within”. Fiquei surpreso e ao mesmo tempo impressionado com a linguagem da música e sua proximidade com a cultura brasileira. Eu tinha de fazer uma letra para ela. Foi o que fiz ao chegar em casa. Rabiscos, riscos, reelaborações. Então nasceu a canção “Varanda”.

Fiquei tão feliz que, num impulso irresponsável, não faria isso novamente, gravei minha voz por cima da música instrumental, traduzi a letra para o inglês (meu pobre inglês) e mandei tudo para o Phill Keaggy, esperando que a canção fosse devidamente esquecida e eu caísse na real. Acontece que o Phill Keaggy não apenas ouviu a canção, mas gostou da letra, aceitou oficialmente a parceria, e eu fiquei como quem sonha (rs). E mais, ele pediu-me que fizesse uma gravação em estúdio, só da voz, e ele faria uma mixagem para mim.

Compartilho com vocês a canção, devidamente mixada por ele.

Varanda (The Song Within)

Assentado à varanda

Abraçado ao violão

A memória é que anda

Nas estradas da canção

Vai sonhando pelo mundo

Deslumbrado coração

É tão belo e tão profundo

O universo do sertão

E a canção me leva junto

Pelas portas da manhã

Beira rio, areia e junco

Araucária e maçã

Quero o mundo replantado

Na beleza de um jardim

Do tamanho desta Terra

Sem começo e sem mais fim

Ouve esta voz, ouve este chão

Vem replantar o teu jardim!

Sonha com melhores dias

O pequeno menestrel

Mãos feridas e vazias

Pelo mundo tão cruel

Mãos que afagam esta terra

E que sonham com o céu

Esperança que não erra

Que transforma a dor em mel

Vai sonhando pelo mundo

Deslumbrado coração

É tão belo e tão profundo

O universo do sertão

(Gladir Cabral & Phill Keaggy)

cor e sabor

Relembrando das coisas boas que me aconteceram em 2009, segue uma canção feita coletivamente num curso de pós-graduação em Educação e Estética da Unesc. Foi na disciplina de Arte e Cultura. Segue a letra:

Cor e Calor

(Criação coletiva dos acadêmicos de Pós Graduação em Educação Estética)

Nós somos uma mescla de cor e calor

Uma tribo acolhedora que planta o amor

Nas raízes nas culturas, buscando viver,

Em meio às diferenças, sabor e saber.

Maçã, jabuticaba, goiaba, araçá.

O vinho sobre a mesa, vem saborear.

As praias, as montanhas, os rios e o luar,

O gosto da vida no sul…

As águas do São Bento e do Araranguá,

O Morro dos Conventos, o encontro do mar,

As furnas e lagoas, a tarde em Sombrio,

Os cantos, os poemas, os tons do Brasil…

Criciúma 10 outubro 2009.

pós artes

pós artes

cor e sabor

display_podcast