Um rabi perguntou a seus alunos: “Quando é que dá, ao amanhecer, para distiguir a luz das trevas?” Um estudante respondeu: “Quando distingo um bode de um macaco”. “Não”, respondeu o rabi. Um outro disse: “Quando eu distingo uma palmeira de um figo”. “Não”, respondeu o rabi de novo. “Bem, então qual é a resposta?”, […]

Continue lendo →

Discutindo sobre a experiência da amizade, Lewis faz uma constatação surpreendente: a de que o homem moderno tem muita dificuldade de valorizar a amizade, de vê-la como uma forma nobre de amor. Ele, um estudioso da história clássica e medieval, comenta como a amizade era vista pelos antigos como “a mais feliz e a mais […]

Continue lendo →

“Se a afeição se torna o soberano absoluto da vida humana, as sementes germinarão. O amor, tendo se tornado um deus, vira um demônio” (C.S. Lewis, Four Loves, p. 56). É claro que Lewis está atacando aquela experiência de amor bem humano, possessivo, quase egoísta, ou egoísta mesmo quando fazendo gestos de abandono e doação. […]

Continue lendo →

Comentando sobre a os riscos da afeição humana, advertindo sobre o quão possessivo pode se tornar esse tipo de amor, C.S. Lewis mostra como o amor materno exagerado e zeloso pode sufocar os demais membros de uma família. Uma mãe superprotetora pode impedir um filho de amadurecer. Assim também ele fala de seu trabalho como […]

Continue lendo →

Fazendo a crítica do movimento romântico e citando autores como Wordsworth e Browning, C.S. Lewis faz refletir sobre o modo ingênuo com que nos relacionamos com a natureza: “Se você tomar a natureza como mestre, ela lhe ensinará exatamente as lições que você já decidiu aprender; e isso é só um outro modo de dizer […]

Continue lendo →

“A rivalidade entre todos os amores naturais e o amor a Deus é algo que um cristão não ousa esquecer. Deus é o grande rival, o objeto último do ciúme humano; aquela beleza, tão terrível quanto a de Gorgon, que pode a qualquer momento roubar de mim — pelo menos é o que parece — […]

Continue lendo →