Assim como a voz aprende o silêncio,
Assim como o olho aprende a não ver
Assim minha mão aprende o aceno
E minha cabeça aprende a esquecer.
Assim como a pele sente o que é frio,
Assim como o vôo sente o que é chão,
Assim o meu pé aprende a escada
E o próximo passo paira no vão
E faz sua pausa discreta o meu coração.

Todo dia tem novidade na feira,
Todo dia tem novidade no front,
Todo dia alguém vai subir a ladeira,
Todo dia alguém vai cantar no odeon,
Todo dia o show recomeça no circo,
Todo dia dorme este velho leão,
Todo dia pausa discreto o meu coração.

Assim como o ócio aprende o ofício,
Assim como a arte aprende a vender,
Assim o meu riso aprende o ocaso
E o meu descanso aprende a correr.
Assim como o dia brinca de noite,
Assim como a lua brinca de sol,
Assim a poeira pousa de estrela
E o vagalume sonha um farol,
Eu sonho que sou apenas um rouxinol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>