Eterno é Deus,
Tudo o mais é só folha de alfazema
Que o vento leva no doce perfume da açucena,
Águas passadas nas longas braçadas do moinho,
Leve desenho na pena de um livre passarinho.

Eterno é Deus,
E o resto é a sombra de uma nuvem
Sobre a corrente das águas que de repente surgem
E prontamente se escoam na sequidão da terra,
Um pensamento, uma flecha do arqueiro, quando erra.

Poeta é Deus,
Sou apenas o verso de um poema.
Ele é palavra, eu sou o desejo de um fonema,
Verso branco, breve
À espera do seu tema.

Eterno é Deus,
Tudo o mais é uma gota de sereno
Que de manhã cobre a folha da grama no terreno.
Ao meio-dia é apenas lembrança pouca e vaga,
É trilha incerta, é uma estrada deserta e ensolarada.

Poeta é Deus,
Sou apenas poeira do caminho.
Ele é o rio que me leva assim, devagarinho,
Pela vida afora, nunca mais sozinho.

  1. “certas canções que ouço
    cabem tão dentro de mim
    que perguntar careço:
    como não eu que fiz?”

    miltom? não… eu devia ter escrito isto. beijo!!!

  2. Dr. Jocarlos Gaspar

    Deixo aqui, nos anais da história, o meu “VOTO DE CONGRATULAÇÃO E E MÉRITO” ao ilustre Poeta de Deus Gladir Cabral.

    Dr.Jocarlos Gaspar-A Poet From Caxias-Best Poet 2007-Greece

  3. Lindo poema!!! Parabéns pelo belo texto que expressou tudo o que a gente sempre quis dizer, mas a inspiração foi presenteada a você!! Continue encantando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>