Gosto de apresentar velhos poemas a novos e velhos amigos. Bate o sino ao longeE o coração mendigo gemePorque o som distante lhe traz a falta.Falta do que mesmo?Falta do não vivido,Do jamais tocado,Do infinito nada,Da existência atempo,A que nunca houve,E até da que era uma vezMas findou-se. Bate o coração ao longeE perto do […]

Continue lendo →

No saguão de embarque do aeroporto de Congonhas (SP) há uma caixa de acrílico, logo na entrada onde as bagagens de mão são vistoriadas por um aparelho de raio X. Nessa caixa estão contidos vários objetos que os passageiros não puderam levar para dentro do avião: tesouras de cabelereiro, tesouras escolares, facas, canivetes suiços, réguas […]

Continue lendo →

No fundo do poçohá plena paz de águas puras e límpidas,ainda que abscônditas. No centro da roda de engenhoo movimento é mínimoquase nulo, neutro,pois no eixo está a força contidaque sustém os braços abertos de quem gira. No centro da Terra,no coração quente e escuro da Terra,ignorando tempestades, metrópoles,aviões e bombardeios,ondas e navios bravios,pulsa a […]

Continue lendo →