Aqueles textos incompletos que escrevi me incomodam. O caderno está na mochila para que deles eu não me esqueça. A vida corre, mas meus rascunhos continuam lá, meio que aleijados, a espera de uma conclusão, de um desfecho. Tem sido mais difícil dar a eles um fim digno. A vida é sempre mais rápida do […]

Continue lendo →

Escrever, às vezes, é caminhar descansadamente. No entanto, por outras, é carregar o peso das palavras; Ditas, empilhadas nas linhas do papel. Escrever é construir castelos frágeis, Belos, mas à mercê das ondas do mar. Palavras marcadas pela fraqueza do coração. Mas escrever é também subverter o efêmero, É cravar na materialidade da tinta o […]

Continue lendo →

Símbolos, metáforas, palavras. Apenas arremedos. Apenas foto 3×4 de um mundo muito maior; na verdade, infinito. É como ver o mar pela primeira vez. Pequenez tamanha. Porém as decodificações gramaticais não são fuga, mas apenas doses de misericórdia para quem não consegue navegar no mar sem ajuda da embarcação. Letras, sílabas, prefixos, sufixos. Jangadas feitas […]

Continue lendo →