Os pés pesam cada vez mais. E não sabe quanto tempo ainda vai andar. Ele observa as fachadas das residências e lembra das fachadas das casas de sua infância. Bem diferentes. As casas de antigamente sempre tinham varandas, e quase nunca muros. As de hoje abdicaram do espaço de convivência porque precisam proteger-se. Tudo é […]

Continue lendo →

Somos portadores de uma “vida abundante”, mesmo em uma geração vazia e incoerente. Se nos cabe o papel de reconhecer o sofrimento, desarmar estruturas pecaminosas e esvaziar o orgulho, igualmente importante é assumir o papel pastoral de “ao passar pelo vale de Baca (‘vale de lágrimas’), fazer dele um lugar de fontes” (Sl 84.6). Imagino […]

Continue lendo →