Um romance nasce de uma ideia, vira um roteiro, ganha uma linguagem e, em seguida, um trabalho braçal, todos os dias, durante um ano e meio.

Já a poesia é um estalo; um verso solto, uma imagem, uma ideia concentrada em palavras.

Não dá para levantar cedo, tomar café, ir à mesa do escritório e decidir: “vou escrever um poema”. Impossível. Mas, a prosa, para mim, é bem assim.

— Cristovão Tezza, romancista ao Jornal Metro (16/03/2018).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>