Heidegger disse que nossa relação com o que está mais próximo de nós é sempre confusa e sem vigor. O que é mais próximo de nós do que a solidão que é a base de nosso ser? Ela está sempre lá. Precisamente por essa razão ela é sempre ignorada, porque quando começamos a pensar nela sentimo-nos pouco à vontade, (…) na verdade, estamos tão próximos de nós mesmos que não há, realmente, ‘relação’ nenhuma com a base de nosso próprio ser. Será que não podemos ser simplesmente nós mesmos sem pensar nisso? Esta é a verdadeira solidão.

Amor e vida, Thomas Merton (Martins Fontes), 1ª Ed. 2004, pág. 23

 

  1. Não, não podemos ser nós mesmos. Albert Camus introduz a constatação pela via do existencialismo, título que ele rejeitou em favor do absurdo.

    Levanto uma questão prática que Belchior, o ‘fujão’ , sempre recusou. Explico o sentido de ‘fujão’, está aqui: http://www.portaldolitoralpb.com.br/procurado-pela-policia-cantor-belchior-vive-escondido-de-favor-na-casa-de-fas-e-em-total-decadencia/

    Belchior é o decadente que abre a porta para o sertão e se socorre pela saída da dispensa da casa. Enganoso e falso.

    Camus, diante da pergunta “SERÁ que não podemos ser simplesmente nós mesmos sem pensar nisso?” mataria a pau na hora com o ‘será’. ‘Será’ é uma possibilidade, e a possibilidade na vida não existe, é um absurdo.

    E ele prova que mata a cobra e mostra o pau quando assevera que no teatro (vida) do absurdo, a única possibilidade consistente é o suicídio.

    E não é? Claro, diante do absurdo da vida. Assim, é infantil a ideia de que ‘é possível’. Não é, e categórico, não é.

    O que é mais próximo de nós não é a solidão, supostamente a base do nosso ser, mas o absurdo da vida. Este sim, está sempre lá.

    Mas eu acho que eu entendo ou imagino entender, a ideia de ‘solidão’ junto ao ser (só não entendo o apelo a Heidegger). Afinal, se não for assim, a razão de ser cristão de Lissânder desaparecerá por completo. ‘Solidão’ pode ser preenchida. O ‘absurdo’, jamais.

    Contra o cristão Lissânder, Camus.

    • Contra a cristão Lissânder, Camus. A favor de Camus, Eduardo? Por que eu elegeria o suicídio como única possibilidade? Esta é a sua escolha, Eduardo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>