A cura é uma resposta a uma crise na vida de outra pessoa. É uma resposta suficiente, uma resposta satisfatória a uma crise na vida de outrem. E sempre que a palavra crise é usada no Novo Testamento grego, é traduzida em inglês por juízo ou julgamento. Exatamente isso – juízo. A cura é uma resposta que eu dou a um momento decisivo na vida de um irmão ou irmã; quer eu responda, quer não, eu exerci um juízo.

A cura passa a ser a oportunidade de transmitir a outro ser humano o que recebi do Senhor Jesus; a saber, sua aceitação incondicional de mim como sou, não como deveria ser. Ele me ama, seja em estado de graça, seja de desgraça, quer eu viva de acordo com as expectativas elevadas de seu evangelho, quer não. Ele vem a mim onde eu vivo e ama-me como sou.

(…)

Quando uma pessoa é despertada para aquilo que ela é e não para aquilo que ela deixou de ser, o resultado mais frequente será a cura interior de seu coração por meio do toque da afirmação.

Finalmente, irmãos, tudo o que for
verdadeiro, tudo o que for nobre,
tudo o que for correto, tudo o que for puro,
tudo o que for amável, tudo o que for
de boa fama, se houver algo excelente
ou digno de louvor, pensem nessas coisas.
Filipenses 4.8

— Brennan Manning. O Anseio Furioso de Deus. Editora Mundo Cristão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>