Querido amigo,

Sei que a vida é uma dos principais personagens das suas crônicas. Por vezes, fugidia, por outras talvez ingrata, sei lá. Mas sei também que você tem esperança, seja lá como ela apareça a você neste dia.

As reviravoltas desta vida graciosa nos fazem meio bobos, meio confusos, mas, sim, inteiramente humanos.

Por ti oro hoje. Que você possa sorrir aquele sorriso que vem do coração e da casa em que a fé habita. Só Deus e você sabem onde fica o endereço desta fé.

Não rogo por vida longa, mas por vida bem vivida. O tempo, ah, este eu e você já sabemos que não dá para controlar. Nem devemos. A gente quer mesmo é ser embalado por ele nas esquinas do mundo. A gente quer mesmo é ter a confiança de que no outro lado da rua vamos encontrar quem realmente procuramos. Desde o início.

Feliz aniversário!

Com estima,

Lissânder

  1. alguem sabe dizer se os adjetivos “fugidia” e “ingrata”, que se referem ao substantivo “vida” , apresentam, respectivamente, quais processos de derivação em sua formação?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>