Ele caminha pela estrada de terra. Bermuda, regata.
Leva consigo um mundo onde o silêncio é só seu.
E o som é sempre fascinante.

14 anos. Sem agenda, estruturas, condução,
Faz e refaz o dia, a hora
Vida inteira pela frente.

Quando olha, não é uma simples estrada,
São pensamentos mil… e uma estrada.
Tempestade nos lábios. Trovão nas mãos.

Ah, vida! Mostra-te aos meus olhos cansados.
Pois bem sei que és uma eternidade.
Um menino na estrada à espera
do mundo perdido que renasceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>