E se a pretensa segurança de agora não passasse de um suspiro? E se você descobrisse que o orgulho moral que o coloca no pedestal, na verdade, é tão somente fumaça diante da sujeira interior? E se os acertos de hoje se revelassem como insuficientes para sufocar os erros não perdoados?

O que restaria, se não apenas a graça de Deus que nos sustenta em meio à realidade confusa e incoerente de nossa natureza? E que sentido teria a vida para um faminto que, de repente, encontrasse um banquete em pleno deserto? Teria ele mais esperança e confiança de que chegaria com vida no final da caminhada? Seus pés teriam novas forças? Seus olhos deixariam de esquivar-se do horizonte? Sua boca voltaria a produzir saliva? Seus músculos seriam revigorados? Sua fé em Deus continuaria a existir?

O encontro com o Infinito é o que nos sustenta. O resto são tentativas de auto-engano.


[Este texto foi excluído e republicado devido a problemas na configuração deste blog]

  1. Cia Teatro dos Orelhas

    Amei o blog!Conteúdos inteligentes colocados de forma simples e questionadora… Parabéns! Guardarei o mapa para voltar sempre… Abraços

Deixe uma resposta para Cia Teatro dos Orelhas Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>