E se a pretensa segurança de agora não passasse de um suspiro? E se você descobrisse que o orgulho moral que o coloca no pedestal, na verdade, é tão somente fumaça diante da sujeira interior? E se os acertos de hoje se revelassem como insuficientes para sufocar os erros não perdoados?

O que restaria, se não apenas a graça de Deus que nos sustenta em meio à realidade confusa e incoerente de nossa natureza? E que sentido teria a vida para um faminto que, de repente, encontrasse um banquete em pleno deserto? Teria ele mais esperança e confiança de que chegaria com vida no final da caminhada? Seus pés teriam novas forças? Seus olhos deixariam de esquivar-se do horizonte? Sua boca voltaria a produzir saliva? Seus músculos seriam revigorados? Sua fé em Deus continuaria a existir?

O encontro com o Infinito é o que nos sustenta. O resto são tentativas de auto-engano.


[Este texto foi excluído e republicado devido a problemas na configuração deste blog]