Sexualidade e espiritualidade

SEXUALIDADE E ESPIRITUALIDADE

 

 

Base bíblica: Efésios 5.22-33

Meditação diária:
Segunda: Gn 1.27
Terça: Gn 2.18-25
Quarta: Ct 2.3-6
Quinta: Mc 10.7-9
Sexta: Mt 5.28
Sábado: Ct 8.1-14
Domingo: 1Jo 2.15-17

A moral e a ética parecem cada vez mais escassas em nossos dias. A sexualidade tem sido tratada como mero elemento hormonal e como promotor de satisfação pessoal. O relaxamento dos va­lores familiares e, principalmente, da espi­ritualidade, nos desperta para estudar esse tema à luz das Escrituras.

Não há como negar a importância da sexualidade na vida do homem ou da mu­lher, porque Deus nos criou como seres se­xuados. Em contrapartida, não podemos deixar que a sexualidade nos conduza a uma vida constante de pecado. A sexualidade, quando enten­dida corretamente e associada à espiritualidade, produz união e relacio­namento saudável entre as partes. Mas quando corrompida e deturpada gera impureza e separação. Qual dos dois caminhos seguir? Como asso­ciar sexualidade e espiritualidade? Vejamos quais respostas encontramos na Bíblia para questionamentos como esses.

1. A sexualidade humana

Nossa fonte de fé e prática é a Bíblia (2Tm 3.16-17), por isso nela está a base dos argumentos apresentados. Sendo assim, o primeiro passo é definir a sexualidade humana como criação de Deus com o propósito de abençoar o relacionamento entre homem e mulher.

“A sexualidade humana é uma bênção concedida pelo Criador para ser desfrutada pela criatura em temor e obediência, para sua alegria e re­alização pessoal.” (Artigo sobre sexualidade de Carlos Osvaldo C. Pinto, palestras na capela do SBPV).

1.1 Homem e mulher
Deus criou os seres humanos como seres sexuados, ou seja, macho e fêmea. Em Gênesis 1.27, podemos ver claramente a distinção entre macho e fêmea na criação. Nesse versículo, a primeira vez que aparece a palavra “homem”, o termo hebraico é: “´adam”, que significa: humanidade (designação da espécie humana – homem e mulher). Porém na segunda vez que lemos a palavra “homem”, o termo hebraico muda para “zakar”, que significa: macho. A palavra hebraica para “mulher” é: “nêqebah”, que significa fêmea. Deus criou os seres humanos macho e fêmea tendo como propósito a união sexual (Gn 2.18-25).

1.2 Um homem e uma mulher
Deus criou o homem (macho) e, posteriormente, a mulher com a finalidade de uni-los, tor­nando-os “uma só carne”. Gênesis 2.24 “enfatiza a completa identificação das duas personalidades no casamento. A passagem nos diz que Deus instituiu o casamento e que este deve ser monogâ­mico e heterossexual, a união completa entre duas pessoas (homem e mulher)” (Charles C. Ryrie, A Bíblia Anotada e Expandida, Editora Mundo Cristão, p.10). Deus reafirma esse padrão em Marcos 10.7-9 e Efésios 5.31. Notem também em 1Coríntios 7.2 a ênfase que Paulo apresenta: “Cada um tenha a sua própria esposa, e cada uma, o seu próprio marido”. Deus efetivamente excluía a poligamia de qualquer tipo que fosse. A afirmação de Paulo também implica que, uma vez con­sumado o casamento, a união é permanente até que a morte os separe (1Co 7.39-40; Mc 10.7-9).

1.3 Nus e năo envergonhados
“Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam” (Gn 2.25). Aqui temos um cenário extremamente íntimo e ao mesmo tempo sem corrupção. Um casal cuja sexua­lidade estava integrada à espiritualidade, impedindo qualquer pensamento indecoroso.

Richard Foster diz assim: “Você percebeu que o erotismo não contaminado pela vergonha existia antes da queda? A queda não criou ‘eros’ (erotismo) apenas o perverteu. Na história da Criação, vemos o homem e a mulher atraídos um para o outro, nus e não envergonhados. Sabem que masculinidade e sua feminilidade são obra das mãos de Deus, assim como o afeto apaixonado de um pelo outro. Também suas diferenças os unem; são homem e mulher, mas são também uma só carne. Os dois num relacionamento, em amor – por que deveria estar presente a vergonha? Sua sexualidade é criação de Deus” (DSP, p.101-102).

1.4 Celebraçăo do amor
Deus, desde a criação, vem relacionando-se com a humanidade por meio de pactos, alianças (Gn 3.15; 9.1-17; 12.1-7; Êx 20-23; Dt 28-30; 2Sm 7.10-16; Gl 3.8; Jr 31.31-34). O casamento, relacionamento entre as criaturas de Deus, não pode fugir às primícias da aliança. Um casamento só é cristão se realizado na dimensão cristã; na perspectiva da aliança. Aliança que, nesse caso, significa, além de compromisso entre as partes, a celebração do amor.

Assim como o livro de Gênesis nos oferece uma visão clara e definida sobre a sexualidade, o livro de Cantares (Cântico dos Cânticos) nos oferece elementos importantíssimos que nos es­clarecem como o “eros” (amor conjugal) deve ser. Destacamos que o livro de Cantares apresenta a sexualidade como celebração do amor conjugal.

Cantares mostra tudo o que envolve a celebração do amor, desde a fase da conquista (Ct 1.1-3.5), passando pela cerimônia do casamento (Ct 3.5-11), seguindo com a noite de núp­cias (Ct 4.1-5.1) e a vida matrimonial (Ct 5.2-6.13). Até mesmo após os conflitos comuns do casamento se vê a celebração do amor por meio da reconciliação (Ct 7.1-13) e, por último, a demonstração da essência do amor (Ct 8.1-14). “O amor deles é contínuo e forte. Ele transcende o calor e a frieza das flutuações da paixão erótica. É tão forte quanto a morte; não pode ser comprado a preço algum. De fato, essas palavras de fidelidade e permanência no trazem à mente o hino do amor do apóstolo Paulo, registrado em 1Coríntios 13: ‘O amor nunca perece’.” (DSP, p.105).

A criação de Deus é perfeita como perfeito é Deus. Infelizmente o pecado que nos rodeia perverteu a beleza da sexualidade criada por Deus, transformando-a em caminho de perdição. Não deixe que o conceito pervertido do mundo manche o seu entendimento da perfeição da sexualidade criada por Deus.

2. Sexualidade e espiritualidade

“Donald Goergen afirma que sexualidade e espiritualidade não são inimigas, mas amigas” (DSP, p.99). De fato não podemos separar os dois temas, a beleza da sexualidade só poderá ser percebida de verdade se houver também espiritualidade.

Infelizmente, o sexo, no aspecto negativo e pecaminoso, tem dominado nossa cultura de forma destrutiva para o homem. As sociedades (moderna e antiga) transformaram a beleza da sexualidade em uma deusa, que é adorada, e a quem pessoas servem cotidianamente.

O crente precisa entender, em primeiro lugar, que foi Deus quem criou a sexualidade (partes “sexuais” no homem e na mulher), criando-os com um sistema nervoso para que possam desfrutar de prazeres delicados e saudáveis. Em segundo lugar, a sexualidade faz parte do indivíduo, mas ela não é o maior alvo de vida para o homem, e sim a Salvação em Cristo. Em terceiro lugar, o prazer sexual foi projetado por Deus para ser desfrutado somente no casamento.

Para uma clara compreensão do quanto intimamente estão ligados sexualidade e espirituali­dade, examinemos os ministérios de Paulo e do próprio Senhor Jesus Cristo.

2.1 Jesus e a sexualidade
A dimensão do conhecimento de Cristo sobre sexualidade é tão nítida que transcendeu o conceito básico judaico sobre o assunto. Para os escribas e fariseus, se o indivíduo se afastasse do adultério físico, estaria em santidade. Mas Cristo expandiu o conceito desse pecado. Disse Jesus: “Qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela” (Mt 5.28). Cristo deixa claro que a intenção do coração é capaz de corromper a sexualidade pura. Para Cristo, a santidade moral vai além do contato físico; é necessário que haja santidade no pensar (Fp 4.8).

Jesus também deixou claro seu alto conhecimento sobre casamento em Mateus 19. Mais uma vez os fariseus armam uma cilada questionando Cristo sobre o que poderia justificar o di­vórcio. “Jesus respondeu, apelando para o ensinamento de ‘uma só carne’ da narrativa da Criação, acrescentando: ‘Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, não o separe o homem’ (Mt 19.6). Nestas palavras de Jesus, somos confrontados com o grande mistério da realidade unificadora de vidas que é o conceito de ‘uma só carne’. Há uma união de dois que, sem destruir a individualidade, produz unidade. Os dois tornam-se uma só carne! Que mara­vilha! Que mistério! É uma realidade espiritual para a qual desejaremos olhar inúmeras vezes.” (DSP, p.106)

Os ensinamentos de Cristo deixam claro que a sexualidade não é um tema oposto à espiri­tualidade.

2.2 Paulo e a sexualidade
Embora não tenhamos certeza do estado civil de Paulo, não podemos colocar em dúvida sua autoridade para tratar do assunto uma vez que o próprio Senhor era quem o instruía.
Paulo honrou com excelência o matrimônio quando o comparou ao relacionamento entre Cristo e a igreja (Ef 5.22-33). Ele não só cita o texto de Gênesis 2.24, mas adiciona: “Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja” (Ef 5.32). Fica claro que há uma ligação muito íntima e espiritual entre o relacionamento do homem e da mulher com o relacionamento da igreja com Cristo. Não poderia deixar de citar o fato de Paulo ter indicado o celibato (1Co 7.1,8), porém, no mesmo capítulo 7 de Coríntios, ele se preocupou em reafirmar o valor do casamento nos padrões bíblicos.

O que vimos até agora é que a celebração do amor, ou da sexualidade, está intimamente ligada à nossa vida espiritual. Conforme diz Richard Foster: “a vida espiritual realça a nossa sexualidade e a direciona. Nossa sexualidade dá inteireza natural à nossa espiritualidade. Nossa espiritualidade e nossa sexualidade entram em uma harmonia operacional na vida do Reino de Deus. É esse o testemunho bíblico” (DSP, p.107).

Sexualidade e espiritualidade não podem ser tratadas como uma dicotomia, pois verdadeiramente não são. A sexualidade só será bem entendida e praticada se houver espiritualidade. Sua pureza depende do entendimento que tiver de sexualidade e espiritualidade. Leia Hebreus 13.4 e discuta em classe: “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros.”

Conclusăo

Sexualidade faz parte do projeto de Deus, e o sexo é bênção de Deus no casamento, expres­são de amor e forma de comunicação – ambos se tornaram uma só carne (Mc 10.8).

O que Deus projetou para o homem (Gn 2.24) cumpre-lhe obedecer. O padrão de Deus determina caráter santo e piedoso. O rompimento desse padrão implica punição (Rm 1.26-27). Seja com relação ao ato sexual, ou outra área da vida, melhor é obedecer a Deus que seguir as práticas do mundo (1Jo 2.15-17).

Autor da lição: Pr. Dionatan Cardoso
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “Dinheiro, Sexo e Poder”, da série Atualidades. Usado com permissão.

 

 

Print Friendly, PDF & Email

11 Comentários para “Sexualidade e espiritualidade”

  1. José edson da Silva 26 de abril de 2014 at 11:23 #

    Muito bom! Todo cristão brasileiro deveria ler!

  2. Alfredo moura 26 de abril de 2014 at 21:33 #

    Parabéns Pr. Dionatan Cardoso pelo artigo, muito oportuno e edificante..

  3. Marcela 1 de maio de 2014 at 10:50 #

    Edificante!
    Tema que deve ser mais estudado pelos cristãos a fim de desfrutarmos plenamente daquilo que o Senhor nos deu.

  4. Dionatan Cardoso 14 de agosto de 2014 at 19:36 #

    Obrigado pelas palavras dos leitores. Ao Senhor seja toda honra e glória.

  5. Amilson Andrade 7 de janeiro de 2015 at 5:40 #

    Deus está sendo adorado pelas orientações saudáveis dos seu filhos promovendo saúde para seu corpo ( igreja) beneficiando Seu Reino, parabéns pastor Dionatan.

  6. Anibal dos Anjos 2 de maio de 2015 at 18:22 #

    Parabéns por este contributo. Muitos cristãos (homens e mulheres) julgam mal a sexualidade mesmo sendo casados. Isto deve se ensinar!

  7. claudioneide alves torres 12 de maio de 2015 at 17:04 #

    maravilhoso mande para mim sobre sexualidade casamento ou melhor todos saõ maravilhosos

  8. HELVECIO Santiago ROSA. (Santiago) 10 de novembro de 2016 at 8:59 #

    Pr. Dionatan Cardoso que a paz do Senhor esteja com vosco. Parabens pela materia sabia que o senhor compartilhou. Gostaria te poder usa-la para benefio de outros caso o senhor permita.

  9. Dorvalino Alves 5 de março de 2017 at 10:01 #

    Muito obrigado por esse rema da palavra.
    pois desde jovem que venho caminhando
    2:22 aos 62 anos na época O próprio Deus me enviou um anjo com um punhado de livros nas mãos
    E o que mais se destacou foi uma benção chamada sexo e foi muito bom para mim hoje sou casado
    pai de família com oito filhos 4 moças e 4 rapazes
    resumindo confesso que é muito difícil falar com essa geração sobre esse equilíbrio que Deus o abençoe muito sobre sexualidade e espiritualidade devem andar no mesmo nível tanto para jovens viúvos e casados Deus o abençoe muito Shalom Shalom

  10. Davi José de Santana 14 de maio de 2018 at 7:45 #

    São Paulo 14 de Maio de 2018

    Muito bom o comentário, que veia abençoa cada dia mas..

  11. josias morais de oliveira 16 de maio de 2018 at 14:41 #

    MUITO ESCLARECEDOR

Deixe um comentário