Secularismo – Religiosidade sem Deus e morte espiritual

SECULARISMO — RELIGIOSIDADE SEM DEUS E MORTE ESPIRITUAL

 

Texto Básico: João 17.11-19

Leitura Diária
Domingo: 2Sm 6.1-11 – Sem pragmatismo
Segunda: Mt 6.19-34 – Onde está o seu tesouro?
Terça: Sl 19 – Em os guardar, há grande recompensa
Quarta: Jr 2.1-19 – Buscando água onde não há
Quinta: 1Co 2 – Não recebemos a mente do mundo
Sexta: Mt 7.1-20 – O caminho é estreito
Sábado: Cl 3.1-17 – Pense nas coisas do alto

Introdução

Em nosso tempo as pessoas têm vivido para o mundo e seguindo os padrões do mundo. Essa maneira de viver, essa visão de mundo, recebe o nome de secularismo. A seguir há uma definição um pouco mais abrangente de secularismo.

[Secularismo é um…] modo de vida e de pensamento que é seguido sem referência a Deus ou à religião. A raiz latina saeculum referia-se a uma geração ou a uma era. “Secular” veio a significar “pertencente a esta era, mundana”. Em termos gerais, o secularismo envolver uma afirmação das realidades imanentes deste mundo, lado a lado com uma negação ou exclusão das realidades transcendentes do outro mundo. É uma cosmovisão e um estilo de vida que se inclina para o profano mais do que para o sagrado, o natural mais do que o sobrenatural. O secularismo é uma abordagem não religiosa da vida individual e social.1

Temos visto o colapso de estruturas tradicionais, principalmente a família e a igreja. A ciência tem influenciado cada vez mais o pensamento contemporâneo, causando também uma busca desenfreada por aquilo que a tecnologia oferece ao homem. Valores morais têm sido substituídos por desejos imorais, que cada vez mais são vistos pela sociedade em geral como coisas “naturais”.

Essa inclinação para o profano, em vez do sagrado, tem contaminado a igreja de um modo cada vez mais abrangente, enfraquecendo aquela que deve transmitir a mensagem da verdade. A própria verdade, de acordo com a cosmovisão secular, é relativa. O baluarte da verdade (1Tm 3.15) tem sido mortalmente afetado pela corrosão de um modo de vida e cosmovisão distantes de Deus. Vivemos “tempos difíceis” (2Tm 3.1). Nesta lição veremos alguns aspectos da secularização que têm atingido a igreja de modo mais agudo e a resposta bíblica contra essa maneira de viver e pensar.

I. Para o secularismo, o que importa é que funcione

Quem nunca ouviu a expressão: “O fim justifica os meios”? Esse conceito tem sido muito usado em diversas igrejas evangélicas. Não importa se a mensagem pregada é a do evangelho verdadeiro, o que importa é que venham novos membros, de preferência com dinheiro no bolso.

Essa ideia de fazer qualquer coisa para se atingir determinados objetivos é conhecida como pragmatismo.Isso é algo bem secular e muito evidente em nosso tempo. O pragmatismo ensina que pensamentos, ideias e ações só têm valor em termos de consequências práticas. Assim, não há qualquer conjunto fixo teórico de valores.

A igreja cristã tem sido grandemente influenciada pelos conceitos pragmáticos do secularismo. Se algo “funciona”, então é verdadeiro também para a igreja. Se a igreja enche, não importa que meios estejam sendo usados para isso, pois se está dando certo, então, é a vontade de Deus.

A vontade divina já não é algo explícito e objetivo, mas perfeitamente adaptável às situações. O que realmente importa não é o princípio de sua presença santa, quem dita as regras, ou o que está escrito na Bíblia, mas é aquilo que, do ponto de vista humano, funciona. Como disse MacArthur, “o pragmatismo está em voga; o compromisso com a verdade bíblica é desprezado como sendo uma fraca estratégia de mercado”.

De fato, é o “mercado” quem dita as regras. Cada vez mais a pregação da Palavra de Deus cede lugar para novos métodos como teatro, dança, comédia, shows de rock, e outras formas de entretenimento. Pelo fato de que esses métodos realmente atraem multidões, eles são considerados como corretos em si mesmos, independentemente de serem bíblicos ou não. A cada momento, os grandes ícones da “mídia evangélica” aparecem com um novo slogan que se torna, automaticamente, a verdade do momento. É “tempo de colheita”, “tempo de se apaixonar”, “tempo de restituição”, “tempo de cura”, etc. Isso dura até que apareça outro mais interessante e que dê mais resultados.

O rei Davi viu com assombro os resultados de fazer algo para Deus de modo pragmático, em vez de seguir o que ele havia determinado. Deus havia dado as instruções de como a arca da aliança deveria ser transportada (Êx 25.12-14). Em vez de seguir as determinações do Senhor, Davi quis ser “prático” no transporte da arca de volta para Jerusalém. Ele imitou o modo mundano dos filisteus para o transporte (1Sm 6.7-8). O resultado disso foi a morte de Uzá (2Sm 6.6-7). E, “temeu Davi ao Senhor, naquele dia, e disse: Como virá a mim a arca do Senhor?” (2Sm 6.9). Seguir ao mundo em vez de a Palavra de Deus nunca dá bom resultado.

II. O secularismo diz não a Deus e sim a Mamon

Outro aspecto muito importante no qual a igreja tem se secularizado é quanto ao lidar com dinheiro, com finanças. O profeta Isaías descreveu uma triste situação em Israel e deu uma solene advertência: “Ai dos que ajuntam casa a casa, reúnem campo a campo, até que não haja mais lugar, e ficam como únicos moradores no meio da terra!” (Is 5.8). Israel já precisava de uma reforma agrária. O que é esse desejo de ter mais e de estar acima dos outros? O que é essa sensação que domina o ser humano e o faz ter tanta vontade de possuir coisas? Esses homens, a respeito de quem o profeta pronunciou um “ai”, iam comprando todas as casas e todos os campos até que se tornassem os únicos donos de tudo. Então, eles podiam olhar para suas propriedades e dizer para si mesmos: “Tudo isto é meu”. Parece que o desejo humano não se satisfaz enquanto existir algo que “não é dele”.

Infelizmente esse desejo tem feito parte da vida de muitos cristãos. Eles têm sido contaminados pelo desejo de possuir, de ter, de comprar. O Senhor Deus fica em segundo plano na vida de muitos, que têm seus olhos voltados constantemente para Mamon. Jesus fez uma severa advertência quanto a isso: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Mt 6.24). No texto grego, “riquezas” é uma tradução do nome “Mamon” que era considerado o deus das riquezas. Mamon é, sem sombra de dúvida, o maior, e talvez até, o único deus rival do Deus verdadeiro.

A igreja de hoje tem despendido muita energia na busca de adquirir dinheiro. Para muitos líderes evangélicos de hoje, as pessoas a serem evangelizadas deixaram de ser consideradas possíveis novos servos do Senhor para representar mais entradas no caixa da igreja. Ao mesmo tempo, muitos crentes se tornam membros de igreja, mas não se envolvem financeiramente com ela por meio dos dízimos ou de ofertas. O dinheiro fica em primeiro lugar. Mas ninguém pode servir a dois senhores.

III. Para o secularismo, a mídia é uma regra de fé e prática

A televisão e a internet têm se revelado poderosos instrumentos de massificação do mundo pós-moderno e pós-cristão. Em um tempo em que as pessoas dizem não ter tempo para ler ou conversar, o bombardeio de imagens tem promovido uma espécie de anti-intelectualismo superinformado, pois anula a capacidade de “ler” e criticar, substituindo a razão pela emoção e o significado pelo entretenimento.

Esse comportamento secular massificado também tem atingido enormemente a igreja. Os cristãos, assim como os não cristãos, perderam a capacidade ler, interpretar e criticar, passando apenas a assimilar o que veem na internet ou na televisão, quase sempre, coisas muito superficiais. Com essa embriaguez causada pela mídia, as mentes ficam saturadas de lixo. Influenciados por esse modo de viver mundano, muitos crentes deixaram de lado a leitura da Palavra de Deus e a meditação diária que deveriam fazer nela. Grande parte dos crentes da atualidade tem abandonado as riquezas e o doçura da Palavra de Deus (Sl 19.10), trocando-os por fontes vazias, cisternas rotas, como fez o povo de Israel: “Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, posto que não eram deuses? Todavia, o meu povo trocou a sua Glória por aquilo que é de nenhum proveito. Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai-vos! Ficai estupefatos, diz o Senhor. Porque dois males cometeu o meu povo: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas” (Jr 2.11-13).

A regra de fé e prática do povo de Deus deve ser a Palavra de Deus e não as mensagens seculares e mentirosas de nosso mundo pós-moderno. A Bíblia é sempre lâmpada para nossos pés e luz para o nosso caminho (Sl 119.105). Temos de nos alimentar dela para que nossa cosmovisão possa ser a de quem enxerga o mundo com a mente de Cristo (1Co 2.16).

IV. Não ao secularismo e sim ao caminho estreito

Seria o objetivo da igreja de hoje simplesmente abarrotar seus templos de pessoas e conseguir muitos “curtir” no Facebook? Parece que o que importa é marketing, divulgação, exposição, mas sem conteúdo ou mensagem relevante. Muitos continuam buscando, como em grandes lojas em liquidação, os lugares em que há mais pessoas.

Evidentemente, esse caminho secular, da religião das multidões, é muito diferente do que ensina a Palavra de Deus: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela” (Mt 7.13-14).

O caminho largo é o caminho das vantagens pessoais, é o caminho da ausência de compromisso e dedicação, é o caminho da despreocupação. Isso quer dizer que o caminho estreito é o caminho do sofrimento? Depende de como alguém entende essa frase. A ideia de que o sofrimento nos redime e nos faz aceitáveis diante de Deus, simplesmente não é bíblica. O caminho estreito é o caminho da submissão a Deus. É estreito porque simboliza a dificuldade de andar por ele para quem está acostumado aos atalhos da vida. É por isso que há tão poucas pessoas nele.

Não devemos desanimar se a religião que professamos não é popular, ou se as multidões não estão interessadas nela, pois como disse o Rev. Ryle, “o arrependimento, a fé em Cristo e a santidade na vida nunca estiveram na moda”. Muitos têm se iludido com um marketing bem elaborado e com supostas curas e milagres, mas é preciso muito cuidado: “Há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte” (Pv 16.25).

V. Não à morte, sim à esperança que não confunde

A religiosidade sem Deus resulta em morte espiritual. É isso que encontramos no mundo. É isso o que temos em cristãos que se secularizaram. Neles temos um conceito relativista do mundo pós-moderno, que é uma atitude de pessimismo em relação a este mundo, pois foi uma atitude de desilusão com a sonhada era de paz e prosperidade prometida pelo modernismo racionalista e científico que, afinal, não veio. Tudo permanece como sempre foi: a eterna corrupção nos altos e nos baixos cargos da nação. A escalada vertiginosa da violência. O egoísmo desenfreado do ser humano, que só se preocupa consigo mesmo. As guerras, a pobreza, as pestes, os desastres naturais, etc. Esses e outros são elementos que dia a dia se acrescentam a já infindável lista de males a que este mundo está submetido. Por isso, o pessimismo reina e o desespero das pessoas cresce a cada dia.

Mas, para os verdadeiros filhos de Deus, o sofrimento e as tribulações podem ser úteis para o desenvolvimento de sua salvação. Não devemos olhar para eles como coisas necessariamente malignas, pois no meio das tribulações, ao desenvolver a perseverança, a experiência e a esperança, o crente pode experimentar o amor de Deus de um modo que jamais poderia sem o sofrimento (Rm 5.3-4).

A Escritura diz: “Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado” (Rm 5.5). Os teólogos puritanos do passado consideravam isso uma manifestação especial do amor de Deus ao homem que sofre. Embora esse amor esteja disponível a todo crente, é no momento do maior sofrimento que podemos nos aproximar do Senhor e experimentar uma comunhão tão íntima que dificilmente conseguiríamos de outro modo.

Conclusão

É muito triste constatar a realidade de que um grande número de cristãos, têm se secularizado, têm dado enorme valor às coisas do mundo, em detrimento das coisas de Deus. Jesus, em sua oração sacerdotal, pediu ao Pai que não fôssemos retirados do mundo, mas que fôssemos libertos do mal (Jo 17.15). Isso porque temos a missão de ser sal e luz para este mundo (Mt 5.13-16).

Se temos a mente de Cristo, devemos seguir o que o apóstolo Paulo disse aos colossenses: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra” (Cl 3.1-2).

Nós morremos em Cristo para viver para ele. O Senhor nos concede vida, e vida em abundância (Jo 10.10). Precisamos abandonar os atrativos seculares para desfrutar das maravilhosas riquezas que temos em Cristo Jesus.

Aplicação

Você seria capaz de fazer uma lista de atitudes comuns ao seu dia a dia que poderiam ser descartadas por serem meramente seculares e contrárias à Palavra de Deus? Que atitudes você pode tomar para ter uma mudança de hábitos, para que sua vida seja muito mais voltada para o reino de Deus e a glória do Senhor Jesus?

Boa leitura!
Na batalha milenar para preservar os fundamentos da fé, é tarefa da nova geração confrontar e desarmar as mentiras contemporâneas e lutar pela verdade. Albert Mohler faz isso com destreza e sabedoria em O desaparecimento de Deus; Michael Horton em Cristianismo sem Cristo; e Leandro A. de Lima em Brilhe a sua luz. Todos da Editora Cultura Cristã.

1 Tais como as defendidas pelo Positivismo Clássico de Augusto Comte, e levadas a rigor em suas formas antimetafísicas
por Sigmund Freud, Friedrich Nietzsche, dentre outros.
2 É um tipo de humanismo existencialista prático, conforme defendido pelo filósofo francês Jean-Paul Sartre, em seu livreto
O Humanismo é um existencialismo.

>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cultura Cristã, na série Expressão, 2013. Usado com permissão.

 

Print Friendly, PDF & Email

19 Comentários para “Secularismo – Religiosidade sem Deus e morte espiritual”

  1. josé jorge 16 de janeiro de 2014 at 17:22 #

    Gostaria de sugerir um pouco mais de esmero na revisão ortográfica dos artigos. Erros de concordância nos distraem e nos fazem perder o foco do estudo em pauta. Desculpe, mas, revisão é algo extremamente necessário.

    • mahely souza dias 17 de setembro de 2014 at 12:00 #

      excelente!

    • BuscadorCentenário 9 de julho de 2015 at 0:04 #

      Excelente texto e ótima forma clara de escrita. Acho inválido o comentário de josé jorge sobre erro de concordancia e distração…foce que está sem foco josé.

      Fantástico resumo do autor sobre a nossa realidade atual, expondo conceitos encontrados nos ensinamentos cristãos.
      Parabéns, continue sempre escrevendo assim.

    • juraci frata 4 de setembro de 2017 at 23:57 #

      acho o texto bem de acordo com a situação do nosso momento na sociedade, porem, quantos estão disposto a levar a serio,né?parece que a loucura tomou o lugar da razão.

  2. joel antiqueira 6 de dezembro de 2014 at 8:56 #

    li e gostei de mais,temho buscado a minha renovaçãos a cada dis, e vejo que a união sobre não asceirar a santificação crece cada dia,

  3. Pedro Maia 27 de maio de 2015 at 16:59 #

    Novos tempos fazem com que os dirigentes evangelicos esqueçam que DEUS não muda. Temos vistos pregadores sem preparos sendo doutrinados religiosamente apenas por ter uma remuneração.
    Ser Bispo, Pastor, Obreiro, Diácono, não é ter profissão, mas ter um ministério que quem sustenta é o SENHOR.

  4. Márcio Santana 26 anos. 13 de dezembro de 2015 at 17:30 #

    o artigo apresentado é claramente uma realidade na presente era, penso da mesma forma.

  5. bruno 16 de dezembro de 2015 at 14:50 #

    Secularismo não é um conceito relacionado a prática consumista, sou secularista e não preciso consumir novas tecnologias para me satisfazer. Essa prática consumista visando preencher o vazio dentro das pessoas provém do próprio modelo capitalista, não tem vínculo em uma crença ou descrença.
    Particularmente, considero o secularismo ideal para uma sociedade laica e que respeite a diversidade religiosa. Os países teocráticos, sejam os islâmicos atuais ou os católicos da idade média, levam a marca dos conflitos étnicos e religiosos, sem contar nos atrasos científicos (sejam na área da saúde ou qualquer outra).

  6. Ayres Roberto Borges de Souza 19 de dezembro de 2015 at 19:04 #

    Grande verdade! Secularismo esta interligado ao relativismo. Gostei muito deste ensino.

  7. joel antiqueira 1 de abril de 2016 at 9:44 #

    são delas povo meu deus tem um povo no meio do sistema religioso, mas vai para onde?

  8. joel antiqueira 1 de abril de 2016 at 9:55 #

    Apocalipse 18:4 Então ouvi outra voz dos céus que dizia: saiam dela, vocês, povo meu, para que vocês não participem dos seus pecados, para que as pragas que vão cair sobre ela não os atinjam! ,deus tem um povo fora do sistema religioso

  9. silas silva ferreira 1 de julho de 2016 at 21:06 #

    Sem dúvida que pena que atualmente a Cruz Vermelha Brasileira esta querendo se ´´desfiliar´´ da História de seu Fundador, esse fenômeno podemos chamar de Secularismo. Em nome de uma sociedade pluralista, e que não entre em conflitos de interesse a Instituição tenta ´´apagar da mente das pessoas essa parte da História. Estamos vivendo uma sociedade ´´Laicista´´ esse fenômeno e novo e podemos perceber isso na área da medicina.
    Henri Dunant era Calvinista, o Fundador da Cruz Vermelha Internacional.

  10. Vanderley 23 de setembro de 2016 at 11:04 #

    Amigo,
    Será que você está confundindo conceitos? Secularismo não é sinônimo de banalização, bestialidade ou bossalidade. Parece-me que os casos que você citou casos que se enquadram perfeitamente nisso. Acompanhe meu raciocínio:

    1) “Para o secularismo, o que importa é que funcione”,
    2) “De fato, é o “mercado” quem dita as regras.”,
    3) “o bombardeio de imagens tem promovido uma espécie de anti-intelectualismo superinformado, pois anula a capacidade de “ler” e criticar, substituindo a razão pela emoção e o significado pelo entretenimento.”
    4) “Seria o objetivo da igreja de hoje simplesmente abarrotar seus templos de pessoas e conseguir muitos “curtir” no Facebook? Parece que o que importa é marketing, divulgação, exposição, mas sem conteúdo ou mensagem relevante. Muitos continuam buscando, como em grandes lojas em liquidação, os lugares em que há mais pessoas.”

    A libertação dos escravos no Brasil ocorreu devido a movimentos seculares. Isso sim é secularismo.

    Diferentemente, a Bíblia contem textos que parecem cooptar com a escravidão. Ou seja, se não fosse por conta do SECULARISMO ainda haveria escravos.

    Veja as citações abaixo:

    Gênesis 17:12
    idade de oito dias, todo varão dentre vós será circuncidado, por todas as vossas gerações, tanto o nascido em casa como o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua linhagem.

    Êxodo 12:43-45
    Disse mais o Senhor a Moisés e a Arão: Esta é a ordenança da páscoa; nenhum, estrangeiro comerá dela, mas todo escravo comprado por dinheiro, depois que o houveres circuncidado, comerá dela. O forasteiro e o assalariado não comerão dela.

    Êxodo 21:1-6
    Estes são os estatutos que lhes proporás: Se comprares um servo hebreu, seis anos servirá; mas ao sétimo sairá forro, de graça. Se entrar sozinho, sozinho sairá; se tiver mulher, então com ele sairá sua mulher. Se seu senhor lhe houver dado uma mulher e ela lhe houver dado filhos ou filhas, a mulher e os filhos dela serão de seu senhor e ele sairá sozinho. Mas se esse servo expressamente disser: “Eu amo a meu senhor, a minha mulher e a meus filhos, não quero sair forro”, então seu senhor o levará perante os juizes, e o fará chegar porta, ou ao umbral da porta, e o seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre.

    Êxodo 21:20-21
    Se alguém ferir a seu servo ou a sua serva com pau, e este morrer debaixo da sua mão, certamente será castigado, mas se sobreviver um ou dois dias, não será castigado; porque é dinheiro seu.

    Êxodo 21:32
    Se o boi escornear um servo, ou uma serva, dar-se-á trinta siclos de prata ao seu senhor, e o boi será apedrejado.

    Levítico 22:10-11
    Também nenhum estranho comerá das coisas sagradas; nem o hóspede do sacerdote, nem o jornaleiro, comerá delas. Mas aquele que o sacerdote tiver comprado com o seu dinheiro, e o nascido na sua casa, esses comerão do seu pão.

    Levítico 25:44-46
    E quanto aos escravos ou escravas que chegares a possuir, das nações que estiverem ao redor de vós, delas é que os comprareis. Também os comprareis dentre os filhos dos estrangeiros que peregrinarem entre vós, tanto dentre esses como dentre as suas famílias que estiverem convosco, que tiverem eles gerado na vossa terra; e vos serão por possessão. E deixá-los-eis por herança aos vossos filhos depois de vós, para os herdarem como possessão; desses tomareis os vossos escravos para sempre; mas sobre vossos irmãos, os filhos de Israel, não dominareis com rigor, uns sobre os outros.

    Lucas 7:2-10
    E um servo (escravo) de certo centurião, de quem era muito estimado, estava doente, quase morte. O centurião, pois, ouvindo falar de Jesus, enviou-lhes uns anciãos dos judeus, a pedir-lhe que viesse curar o seu servo. E chegando eles junto de Jesus, rogavam-lhe com instância, dizendo: É digno de que lhe concedas isto, porque ama nossa nação, e ele mesmo nos edificou a sinagoga.

    Ia, pois, Jesus com eles; mas, quando já estava perto da casa, enviou o centurião uns amigos a dizer-lhe: Senhor, não te incomodes; porque não sou digno de que entres debaixo do meu telhado; por isso nem ainda me julguei digno de ir tua presença; dize, porém, uma palavra, e seja o meu servo curado. Pois também eu sou homem sujeito autoridade, e tenho soldados s minhas ordens; e digo a este: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu servo: Faze isto, e ele o faz.

    Jesus, ouvindo isso, admirou-se dele e, voltando-se para a multidão que o seguia, disse: Eu vos afirmo que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé. E voltando para casa os que haviam sido enviados, encontraram o servo com saúde.

    Aqui Jesus mostra que também está vontade com o conceito de escravidão. Jesus cura os escravos sem cogitar livrar o escravo ou punir o seu dono.

    Colossenses 3:22-23
    Vós, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, não servindo somente vista como para agradar aos homens, mas em singeleza de coração, temendo ao Senhor. E tudo quanto fizerdes, fazei-o de coração, como ao Senhor, e não aos homens…

    Aqui Deus mostra que ele aceita a posição de escravidão e encoraja escravos a trabalharem duro.

    Tito 2:9-10
    Exorta os servos a que sejam submissos a seus senhores em tudo, sendo-lhes agradáveis, não os contradizendo nem defraudando, antes mostrando perfeita lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus nosso Salvador.

  11. joel antiqueira 30 de abril de 2017 at 16:10 #

    06+Dogma+COMPLETO-Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.ECICLOPEDIA-Um dogma(do grego δόγμα, plural δόγματα) , no campo filosófico, é uma crença/doutrina imposta, que não admite contestação. No campo religioso é uma verdade divina, revelada e acatada pelos fiéis. No catolicismo os dogmas surgem das Escrituras e da autoridade da Igreja Católica, AUTORIDADE DA IGREJA ICAR, ESA IGREJA NO -3- SECULO INTITUIU MUITOS DOGMA,OS PATRIARCA E OS PROFETA E OS APOSTOLO ERAM MONOTEISTA E NÃO TRINITARIANOSO termo DOGMA está ligado à ideologia, ou conjunto de princípios que servem de base à um sistema religioso, político, filosófico, científico, entre outros.NA QUE SETRATA E A AUTORIDADE DA ICAR, NÃO DA BIBLIASão verdades absolutas que não permitem a discussão. São um conjunto lógico, sitemático de representações (idéias, valores) e de normas ou regras (de conduta) Indicam ou prescrevem aos membros da sociedade o que devem pensar e como devem pensar, o que devem valorizar e como devem valorizar, o que devem sentir, fazer e como, VOCE ENTREGARIA A SUA CONCIENCIA A UM GRUPO DE TEOLOGO PARA MOLDAR SUA CONCIENCIA NO QUE ELES PENÇA OU FICARIA COM O ASIM DIZ O SENHOR.Possui caráter prescritivo, normativo, regulador, cuja função é dar aos membros de uma sociedade dividida em classes uma explicação racional para as diferenças sociais, políticas e culturais. [editar] Referências
    Trinitarianismo
    3 – Esta única Pessoa é o Pai – O testemunho da Bíblia é que existe uma única Pessoa que é Deus. Quem então é esta Pessoa? Ele é o Pai. Numerosos textos Bíblicos identificam o único Deus como o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Algumas destas Escrituras são as seguintes:

    João 17:3 “… a Ti só, por único Deus verdadeiro…”.
    Romanos 15:6 “… glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor…”.
    I Cor. 8:6 “… para nós, há um só Deus, o Pai…”.
    I Cor. 15:24 “… a Deus, o Pai.”
    II Cor. 1:3 “… o Deus e Pai de nosso Senhor…”.
    Efésios 1:17 “… O Deus de nosso Senhor Jesus Cristo…”.
    Efésios 4:6 “… Um só Deus e Pai de todos…”.
    ITess. 3:13 “… Nosso Deus e Pai…”.
    Tiago 3:9 “… o Deus e Pai…”
    II João 3 “… de parte de Deus Pai e do nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho do Pai.”

    A unidade de Deus não é composta. Um Deus significa uma pessoa. Esta única pessoa é o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.

  12. Victor Moony Salvi 13 de janeiro de 2018 at 0:42 #

    Eu, pessoalmente, não tenho nada contra o secularismo e apoio a pessoa se ela achar que essa é realmente a escolha que ela quer fazer, e se ela achar que isso é bom pra ela. No entanto, eu sou cristão, e esse texto me fez rever alguns conceitos e atitudes como “believer”, para que eu me aproxime mais de Deus. Muito obrigado. Mesmo assim, vou continuar aproveitando ao máximo os prazeres terrestres, pois se Deus nos colocou aqui, é porque quer aproveitemos.

    • joel antiqueira 22 de março de 2018 at 8:07 #

      Irmão, o secularismo faz o crente ir se conformando com o mundanismo e aos poucos ele é engolido pelo mundanismo.

  13. joel antiqueira 13 de janeiro de 2018 at 10:11 #

    1-PEDRO-1- 3-Nós lhes proclamamos o que vimos e ouvimos para que vocês também tenham comunhão conosco. Nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.(SE VOCE NÃO VE AQUI O PAI E O FILHO ENTÁO VOCE E CEGO)
    1-JOÃO-2- 1-Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.(PROVA QUE O FILHO DO CRIADOR E UMA PESOA GERADADO CRISDOR)-2-2-Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos pecados de todo o mundo.2-3-Sabemos que o conhecemos, se obedecemos aos seus mandamentos.-2-4-Aquele que diz: “Eu o conheço”, mas não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso, e a verdade não está nele.(A OBEDIENCIA E O INDICADOR QUE VOCE CONHEÇE JESUS) 2-5-Mas, se alguém obedece à sua palavra, nele verdadeiramente o amor de Deus está aperfeiçoado. Desta forma sabemos que estamos nele(PARA SER APETRFEIÇOADO TEM MQUE OBEDEÇER)2-2- 6-aquele que afirma que permanece nele, deve andar como ele andou.

  14. Aristides Alves 10 de outubro de 2019 at 16:04 #

    Estamos nesta orbe para encontrarmos o desenvolvimento humano e com isto o espiritual.Sempre foi este local de provas e vitórias.A sociedade humana evolui em todos os sentidos materiais e não pode ser diferente.O que sempre caracterizou o espírito das eras foi o contraditório, a fim de que as criaturas deixem seu testemunho e façam suas escolhas.O Existencialismo nascido na guerra fria, prega a não existência de um plano espiritual associado ao físico.Esta dicotomia sempre existiu e deve ser feita a escolha a qual plano evolutivo seguir.Isto determinará o Homem.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Do Caso da Venda de Igrejas. – Restaurando Nossa Comunhão! - 16 de maio de 2019

    […] Um dos bons estudos sobre esta pauta acerca do secularismo na Igreja Evangélica está aqui: http://ultimato.com.br/sites/estudos-biblicos/assunto/vida-crista/secularismo-religiosidade-sem-deus… e outro também bem composto é este: […]

Deixe um comentário