O Homem-Deus chamado Jesus

O HOMEM-DEUS CHAMADO JESUS

 

 

Base bíblica: João 1.6-14
“Houve um homem enviado por Deus cujo nome era João. Este veio como testemunha para que testificasse a respeito da luz, a fim de todos virem a crer por intermédio dele. Ele não era a luz, mas veio para que testificasse da luz, a saber, a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem…”

Meditação diária:
Seg – Is 9.1-7
Ter – Sl 22
Qua – Mt 1.18-25
Qui – Mt 13.53-58
Sex – Lc 4.1-13
Sáb – Jo 1.1-18
Dom – Fp 2.l5-12

Jesus é o centro do cristianismo e de nossa fé. Mas também é uma pessoa que deixou marcas profundas na história do mundo. O ser humano já produziu muito nos campos da religião, arte e lite­ratura inspirados em Sua pessoa. Muitos são os entendimentos sobre Jesus e as definições sobre Sua pessoa, mas existiu apenas um Jesus. Uma música cristã que cantávamos antigamente dizia: “Muito embora um só Jesus exista, nem todos sabem vê-Lo como é…” E é exatamente esse o assunto da lição. Quem é Jesus? Deus ou homem? Homem-Deus ou Deus-Homem?

1. A humanidade de Jesus

Cremos que Jesus era homem e Deus ao mesmo tempo. Primeiro vamos estudar alguns elementos que podemos notar na pessoa de Cristo os quais provam que Ele era 100% humano. Nesse estudo, precisare­mos usar muitas referências bíblicas. Então, tome a sua Bíblia e mãos à obra.

1.1 Ele teve um corpo humano

Nasceu como todo ser humano (Lc 2.7). O nascimento de Jesus foi natural, embora com diferencial milagroso. Sua concepção foi pelo Espírito Santo e Seu nascimento virginal. Jesus nasceu como humano e assim teve a natureza humana aliada à Sua divindade. Foi o nascimento virginal de Cristo que tornou-Lhe possível a existência da natureza hu­mana sem a herança do pecado. Jesus foi concebido pelo Espírito Santo e assim teve a herança do pecado de Adão quebrada ao nascer. Conforme Lucas 1.35, Deus declara que Seu filho nasceria Santo.

1.2 Ele teve desenvolvimento intelectual e físico (Lc 2.40,52)

Os versículos apontam para o crescimento de um menino nas áreas física, intelectual e espiritual.

1.3 Ele sentiu emoçőes humanas

Vamos ver alguns exemplos: compaixão (Mt 9.36), amor (Jo 11.36), pesar (Jo 11.35; Mt 26.38) e indignação (Mc 10.14).

1.4 Ele teve desejos humanos

– não sofrer (Mt 26.39);
– obedecer (Lc 9.51).

1.5 Ele teve necessidades humanas

Ele sentia fome (Mt 4.2), sede (Jo 19.28), sono (Mt 8.24) e cansaço (Jo 4.6).

1.6 Ele foi reconhecido como homem

Por Si mesmo (Lc 19.10) e também pelos outros (Mt 13.55; 1Tm 2.5).

1.7 Ele foi chamado de “filho”

Essa palavra descreve não só descendência, mas também parentesco imediato. São três expressões diferentes no Novo Testamento: Filho de Maria (Mc 6.3), Filho de Davi (Mt 22.42-45) e Filho do Homem (Mt 9.6; Mc 2.10; Lc 5.24).

Você pode estar se perguntando: por que estudar a divindade de Cristo? Porque ela tem grandes implicações para a nossa fé. Millard Erickson nos dá algumas ideias que serão resumidas a seguir.

  • Ao ser enviado como membro da raça humana, Jesus qualificou-Se para ser o redentor, como representante da raça (Rm 5.12,18).
  • Ele experimentou tudo o que um ser humano experimenta: sentimentos, necessidades e limitações. Lemos em Hebreus 4.15 que por causa disso pode nos compreender me-lhor e demonstrar compaixão como nosso Sumo sacerdote, ou seja, alguém que é mediador do sacrifício para perdão dos nossos pecados.
  • Jesus mostrou o que era ser verdadeiramente humano. Algumas vezes resistimos à ideia da humanidade autêntica de Cristo porque sempre ligamos humanidade a erro e imperfeição. Mas Jesus, assim como Adão (antes da queda), era um exemplar perfeito da humanidade sem pecado.
  • Ele Se tornou nosso exemplo. Orou, dependeu de Deus e Se sujeitou à vontade do Pai, ainda quando isso incluiu sofrimento (1Pe 2.21).
  • Jesus Cristo, também chamado de Emanuel, foi Deus no meio de nós. Foi exemplo vivo da transcendência de Deus que veio viver no meio dos homens. Essa verdade nos dá confiança do interesse que Ele tem de ainda agir em nosso meio (Jo 1.14).

2. A divindade de Jesus

Você precisa ter em mente que cremos que Jesus era 100% homem e também 100% Deus. Usando a Bíblia como nosso instrumento principal, vamos estudar referências sobre a divindade de Cristo.

  1. Ele possui atributos que só Deus tem. Nenhum humano comum possui: autoexistência (Jo 5.26), imutabilidade (Hb 13.8), eternidade (Hb 7.3); onipresença (Mt 28.20).
  2. Ele fez coisas que só Deus pode fazer: criar o mundo (Jo 1.3), perdoar pecados (Mt 9.1,2), executar julgamento final (Jo 5.22).
  3. Ele recebe adoração. Os apóstolos eram homens consagrados, mas nunca aceitaram adoração (At 14.8-18). Jesus foi adorado por anjos (Hb 1.6; Ap 5.12,13) e por homens (Jo 9.38; 20.28; Mt 2.11; 14.33; 28.9,17).
  4. Ele possui títulos que só Deus tem, por exemplo: Jeová, que no Novo Testamento é tra­duzido por “Senhor” (Lc 2.11; 5.8), e “Filho de Deus” (Lc 1.35, Jo 5.18).
  5. Ele mesmo declarou ser Deus (Jo 5.18; 8.24,28,58; 10.30-33).
  6. Outras referências bíblicas (Jo 1.1; Rm 9.5; 1Jo 5.20).

Temos que pensar também em quais são as implicações da divindade de Cristo para nossa fé. Novamente com base em Erickson vamos resumir algumas delas:

  • podemos ter conhecimento real de Deus. Jesus não só anunciava a salvação, mas era o Deus que trazia salvação aos homens. Ele mesmo disse “quem me vê a mim vê o Pai” (Jo 14.9);
  • a redenção está à nossa disposição. O sacrifício de Jesus foi suficiente para a salvação de todo o que crê (1Pe 2.24);
  • Deus e os homens tiveram um novo relacionamento. Não houve intermediários, nem anjos e nem profetas. O próprio Deus veio até nós (Hb 10.19-22);
  • Ele é Deus e deve ser adorado como tal. Um dia será adorado por todos (Fp 2.10-11).

 3. A uniăo das duas naturezas

Nossa doutrina afirma que Jesus era, e é, plenamente Deus e plenamente homem. Essas duas naturezas não transformam Jesus em duas pessoas e, sim, numa pessoa com duas naturezas.

Estudamos isoladamente passagens que provam tanto a humanidade quanto a divindade de Cristo. Agora precisamos estudar algumas passagens que nos dão indicação das duas natu­rezas atuando juntas em uma única pessoa.

A primeira passagem é João 17.21-22. Nesse texto, o homem Jesus declara ser um só com o Pai. A referência nada declara sobre a humanidade de Jesus, mas o fato Dele mesmo declarar Sua divindade mostra que tinha o entendimento de que, mesmo sendo homem, possuía uma natureza em comum com o Pai, ou seja, a natureza divina.

Outros dois textos são importantes para nosso estudo (Jo 3.13 e 1Tm 3.16). Em João temos o uso do termo Filho do Homem (humanidade de Cristo) com a referência sobre ter descido do céu (divindade). Em Timóteo encontramos uma referência a Cristo no céu antes de Sua encarnação (contemplado por anjos – divindade), Sua encarnação como homem (ma­nifestado na carne – humanidade) e depois na Sua ressurreição e ascensão aos céus (recebido na glória – divindade e humanidade). Os dois textos sugerem harmonia e plenitude das duas naturezas. Nem esses e nem outros textos bíblicos sugerem revezamento, contradição ou mes­mo luta entre elas.

Na história da igreja, teólogos e intérpretes das Escrituras têm tentado propor soluções. Algumas delas boas, mas outras se tornaram desvios da doutrina bíblica de Cristo. O assunto é complexo, pois as duas naturezas têm características completamente opostas. Veja um resu­mo rápido de algumas delas.

  • Ebionistas – Séc II – Jesus era um homem notável com dons muito especias.
  • Docetistas – Jesus era Deus e parecia humano.
  • Gnósticos – Jesus e Cristo eram duas pessoas diferentes. Jesus era homem filho de Maria; Cristo era um espírito que veio sobre Jesus no batismo e O abandonou na crucificação.
  • Arianos – 280 d.C. – Jesus é a criação mais importante.
  • Eutiquianos – Jesus era só Deus e não humano.

Conclusăo

Grudem, em seu livro Teologia Sistemática, cria uma breve frase que nos ajuda a sinteti­zar o que estudamos nesta lição: “Permanecendo o que era, tornou-se o que não era”. Eterna­mente Deus quando Se encarnou, Jesus continuou sendo Deus e Se tornou humano. Ele era verdadeiro Deus e verdadeiro homem.

Autor da lição: André Souza de Lima
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “Jesus Cristo Ontem, Hoje e Sempre”, da série Adultos. Usado com permissão.

 

Print Friendly, PDF & Email

13 Comentários para “O Homem-Deus chamado Jesus”

  1. walmir silva 1 de janeiro de 2015 at 9:12 #

    parabéms pelo estudo foi muito edificante para meu conhecimento.

  2. Junior 7 de janeiro de 2015 at 16:32 #

    Muito bom os que já lie, estou gostando, parabéns.

  3. Diana Pinheiro 22 de abril de 2015 at 16:09 #

    Prezado,

    VocÊ tem essa revista para aluno?
    Não consigo mais no site e estou discipulando uma pessoa q vem da doutrina dos TJ. Seria de grande valia se pudesse me enviar…
    Deus abençoe!

  4. Francisco Robson Babosa 25 de novembro de 2015 at 21:12 #

    Hoje eu fiquei extremamente entristecido, quando dois amigos defenderam que Jesus não era totalmente Deus, e me “deram” ainda por cima vários vesiculosos dentro de um discurso pronto, uma observação eles fazem o curso Rhema

    • miguel 15 de outubro de 2016 at 14:06 #

      Francisco Robson Barbosa, eu também fiz o Rhema, e não penso assim, porque o Rhema não ensina isso.Eu não tenho o direito de infamar ninguém, aliás Deus não nos dá esse direito de infamarmos ninguém,creio que você deve ver, ou rever esse seu sentimento de tristeza que você sentiu,se de fato você ficou triste com o erro dos irmãos, ou alegre com a oportunidade de criticar um curso que você não conhece. A Bíblia diz para provarmos tudo e retermos o que é bom, e eu te digo que qualquer crítico precisa ter conhecimento do objeto criticado, para que a sua crítica seja autorizada,se não,você não está autorizado a isso.O que te habilita é o conhecimento.Numa situação como essa você não deve trazer a sua tristeza a público para difamar,mas sim levar a Deus em oração a sua tristeza e pedir a Deus que tenha misericórdia dos irmãos , e que Deus possa abrir os olhos espirituais deles para que eles possam enxergar a verdade, e crescerem na graça e no conhecimento até atingirem a estatura de varão perfeito.Meu irmão abençoe a sua vida e continue te dando sabedoria em nome de Jesus!

  5. thalia 16 de julho de 2016 at 14:25 #

    Estudo bom !!!! Amei , mas jesus era Deus?

  6. Waldecir França Parreiras 22 de outubro de 2016 at 21:38 #

    Hoje existe uma religião ou ceita (prefiro não dá uma definição), que pregam que Jesus é uma mulher, recebi isso como um impacto muito grande e considerando como uma blasfêmia, estou fazendo uma pesquisa e estudo com intuito de confrontar esse tipo de ensinamento, já achei alguns versículos da Bíblia que confronta essa tipo de ensino, afinal de contas a Bíblia é a verdade, se alguns versículos estiverem errados, entao a Bíblia terá que ser rasgada, alguns versículos estão escrito no masculino e se Jesus fosse uma mulher, a escrita desses versículos teria que está escrito no feminino. Gostaria que você como estudioso da Bíblia enviasse a me ajudar nesse estudo.

  7. Waldecir França Parreiras 22 de outubro de 2016 at 21:44 #

    Pode enviar essa ajuda de pesquisa para o meu email, agradeço desde de já. Waldecir
    Email w_parreiras@ig.com.br

  8. Uelis Martins 2 de novembro de 2016 at 3:14 #

    Estudo muito.Deus continue te usando. Moro na Bahia.acordei 2hs motivado pelo espírito Santo para estudar essa publicação. Era para eu estudar para Enem mais preferir ler a palavra de Deus.

  9. João Batista 10 de março de 2017 at 10:05 #

    Parabéns pelo rico conteúdo, estou muito grato

  10. Ricardo Luz 4 de julho de 2017 at 21:05 #

    Parabéns pelo conteúdo. Que Deus Continue te abençoando em nome de Jesus.
    Sugestões:
    http://jesuscristo.top/
    http://www.revelacoesapocalipse.com.br

  11. Fabricio 17 de setembro de 2017 at 16:01 #

    ótimo gostei, muito bem explicado e rico em detalhes…Que Deus Abençoe todos em nome de Jesus

Trackbacks/Pingbacks

  1. ULTIMATO ONLINE – NATAL | derval dasilio - jornal - 1 de janeiro de 2015

    […] também O menino e o Reino (e-book) O Homem-Deus chamado Jesus (estudo bíblico) Uma Criança os […]

Deixe um comentário