A influência do cristão

A INFLUÊNCIA DO CRISTÃO

 

Texto básico: Mateus 5.13-16

Texto devocional: 2 Coríntios 4.1-6

Versículo-chave
“Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mt 5.16).

Alvo da lição
Mostrar a grande necessidade do crente exercer sua influência no mundo, tentando evitar a deterioração da sociedade e, positivamente, brilhando como testemunho fiel de Cristo.

Leia a Bíblia diariamente
Segunda: Cl 4.2-6
Terça: Is 51.4-6
Quarta: Jo 8.12-20
Quinta: Is 42.1-9
Sexta: Fp 2.12-18
Sábado: 2Co 4.1-6
Domingo: Mt 5.13-16

 

INTRODUÇÃO

Já estudamos as bem-aventuranças que descrevem o caráter do cristão. Agora Jesus enfatiza a necessidade do cristão exercer influência para o bem no mundo ao seu redor. Que influência devemos exercer num mundo tão cheio de mal, corrupção e violência? Para definir a natureza dessa influência, Jesus usa duas figuras comuns do lar – sal e luz. Qual é o lar, por mais pobre que seja, que não usa tanto o sal como a luz? Sal e luz são itens indispensáveis em qualquer lar.

I – VOCÊS SÃO O SAL DA TERRA (Mt 5.13)

1. A função do sal (v.13)

No mundo antigo, o sal era algo de muito valor. O sal tem, pelo menos, três características. a. Sal é tempero que – dá sabor à comida – essa é a característica mais conhecida. Já pensou comida sem sal? É tão insípida, como o próprio Jó reconheceu ( Jó 6.6)!

A influência do crente no mundo deve ser como o sal para a comida – a presença do crente dá um novo sabor ao ambiente no escritório, na faculdade, na fábrica, etc. Será que a nossa presença tem essa influência positiva? Infelizmente, muitas pessoas consideram que o crente tira o sabor da vida.

b. Sal é preservador – evita a putrefação

no mundo antigo o sal era o preservador mais comum. Antes da invenção da geladeira, o sal era usado para preservar a carne e o peixe do apodrecimento. Até hoje é usado na tão conhecida carne-de-sol do Nordeste.

Assim, se o crente vai ser “o sal da terra”, deve ter uma influência antisséptica no mundo. A presença do crente deve evitar o progresso do mal, derrotando a podridão ao seu redor.

É uma tragédia que a igreja evangélica, representando 20-25% da população brasileira, não tem exercido influência maior para o bem no meio político, sindical e social, como o verdadeiro “sal da terra”. “Os cristãos foram colocados por Deus numa sociedade secular para retardar esse processo de podridão. Deus pretende que penetremos no mundo. O sal cristão não tem nada de ficar aconchegado em elegantes e pequenas despensas eclesiásticas; nosso papel é o de sermos ‘esfregados’ na comunidade secular, como o sal é esfregado na carne para impedir que apodreça” (Stott).

c. Sal é ligado à pureza – não há dúvida que sua brancura brilhante fez essa ligação fácil. Os romanos diziam que o sal era a coisa mais pura de todas as coisas, porque veio das coisas mais puras, o sol e o mar.

Se o crente vai ser “o sal da terra”, tem de ser um exemplo de pureza. Uma das características da sociedade em que vivemos é o rebaixamento dos padrões de pureza. Não há mais restrições na área moral – sexo antes de casamento é normal, e infidelidade no casamento é comum. Os filmes com cenas de sexo explícito na TV e no cinema, as piadas sujas na fábrica e no escritório são áreas nas quais o crente tem de demonstrar sua pureza. Quando o crente está presente, os colegas param de contar as piadas duvidosas, a TV é desligada. Em outras palavras, o crente deve ser mais corajoso na condenação do mal. “Às vezes, os padrões de uma comunidade afrouxam-se por falta de um explícito protesto cristão” (Stott).

O crente não pode se retirar do mundo, mas deve “a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo” (Tg 1.27). E isso não é nada fácil. O crente é “chamado a ser um purificador moral em um mundo onde os padrões morais são baixos, instáveis, ou mesmo inexistentes” (R.V.G. Tasker).

2. A eficácia do sal (v.13) A eficácia do sal é condicional. Para continuar a ser útil, o sal tem de conservar a sua salinidade. É um fato que o sal não pode perder sua qualidade de salinidade. John Stott explica que “o cloreto de sódio é um produto químico muito estável, resistente a quase todos os ataques. Mas provavelmente Jesus está alertando Seus discípulos de que o sal pode se tornar adulterado por impurezas e, quando isso acontece, “para nada mais presta”. A mesma coisa pode acontecer aos discípulos. A salinidade do crente vem do seu caráter descrito nas oito bem-aventuranças; se não servem ao Senhor pelas suas boas obras, se tornarão inúteis e serão rejeitados. O problema, muitas vezes, é que o crente se deixa contaminar pelas impurezas do mundo, e, por isso, perde a sua capacidade de influenciar.

a. É irrecuperável “como lhe restaurar o sabor?” Não há remédio para o sal sem sua salinidade.

b. É inútil “para nada mais presta.”

c. É condenado à destruição “lançado fora, ser pisado pelos homens.”

Não há dúvida a respeito da verdade que Jesus está ensinando. Se não estamos sendo úteis, então seremos jogados fora. Inutilidade sempre traz desastre. E não se esqueça! O crente é sal, e não açúcar!

II – VOCÊS SÃO A LUZ DO MUNDO (Mt 5.14-16)

Luz é uma figura muito importante nas Escrituras. “Deus é luz” (1Jo 1.5). Isaías 9.2 fala da vinda de Jesus: “O povo que andava em trevas viu grande luz”. A missão de Israel era ser “luz para os gentios” (Is 42.6; 51.4-5). Paulo nos lembra que “o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo” (2Co 4.4).

1. A função da luz (v.14-15) É interessante que Jesus convoca Seus seguidores a ser aquilo que Ele mesmo é – “Eu sou a luz do mundo” ( Jo 8.12). Aqueles que permanecem em Cristo, a verdadeira Luz, são também luz. A luz de Jesus, brilhando neles, aparece em cada rosto, nas palavras, nas ações, e ilumina o mundo ao redor.

a. A luz deve ser vista – As casas na Palestina eram bastante escuras, com uma abertura pequena que servia de janela. A posse da luz de Cristo faz com que Seus discípulos sejam visíveis, como uma “cidade edificada sobre um monte”, que pode ser claramente vista a quilômetros de distância. Os crentes não podem se esconder e deixar de brilhar para Cristo.

Esse texto enfatiza que não pode haver discípulos secretos. A nossa fé deve ser vista na maneira pela qual tratamos o balconista na loja, a doméstica em casa, o porteiro no prédio, o empregado no serviço.

b. A luz dissipa as trevas – Paulo, ao escrever aos filipenses, enfatiza sua função: “Inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo” (Fp 2.15). O mundo não pode permanecer nas trevas.

c. A luz avisa do perigo – revela os perigos que nos cercam neste mundo tenebroso.

d. A luz é um guia “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para os meus caminhos” (Sl 119.105). Pelo nosso testemunho brilhante, dirigimos muitos no caminho certo.

e. A luz deve brilhar no MUNDO – é bom observar que o lugar onde devemos brilhar para Jesus é o mundo, onde as trevas dominam.

Jesus não disse – “Vós sois a luz da igreja”, mas “Vós sois a luz do mundo”.

2. O resultado da luz (v.16)

a. Outros podem ver as nossas boas obras – Jesus esclarece que as nossas boas obras são essa luz. Essa expressão abrange tudo o que o crente faz e diz, demonstrando sua fé cristã. Em outras palavras, refere-se ao seu testemunho diário.

b. Outros podem glorificar ao nosso Pai nos céus – Nossas boas obras não devem chamar a atenção para nós, mas para Deus. “Quando os homens veem tais obras, disse Jesus, glorificam a Deus, pois elas encarnam as boas novas do Seu amor que nós proclamamos” (Stott).

CONCLUSÃO

Não há dúvida que Jesus está enfatizando que deve haver uma diferença fundamental entre o crente e o não crente, entre a igreja e o mundo. Diz Stott: “Este tema é básico no Sermão do Monte. O Sermão foi elaborado na pressuposição de que os cristãos são por natureza diferentes, e convoca-nos a sermos diferentes na prática. Provavelmente, a maior de todas as tragédias da igreja ao longo de sua história … tem sido a sua constância de conformar-se à cultura prevalecente, em lugar de desenvolver uma contracultura cristã”.

Assim aprendemos que fomos colocados no mundo com este papel duplo: como sal, para interromper, ou pelo menos retardar este processo da corrupção moral e espiritual, e como luz, para desfazer as trevas.

John Stott resume a função do crente da seguinte maneira: “Jesus chama os Seus discípulos para exercerem uma influência dupla na comunidade secular: uma influência negativa, de impedir a sua deterioração, e uma influência positiva, de produzir a luz nas trevas. Pois impedir a propagação do mal, é uma coisa; e promover a propagação da verdade, da beleza e da bondade é outra”.

Autor da lição: Pr. John D. Barnett
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “Sermão do Monte – um ensino desafiador”. Usado com permissão.

 

Print Friendly, PDF & Email

15 Comentários para “A influência do cristão”

  1. rodrigo 23 de junho de 2014 at 22:07 #

    Verdade.

  2. Samuel franco da silva 29 de março de 2015 at 10:57 #

    gostei muito desse estudo muito esclarecedor e muito importante para avida da Igreja nos dias de hoje.

  3. Ministro Adolfoh 18 de abril de 2015 at 5:47 #

    gostei do estudo e tanbem a proveitei tirar algumas passagem pra o seminario que estou preparando.

  4. Ednalva 3 de maio de 2015 at 13:19 #

    Amei o estudo,estava precisando dessa resposta.

  5. Marcelo Jose Soares 12 de novembro de 2015 at 17:20 #

    gostei muito foi de grande valor pois

  6. Joao Frederico 29 de janeiro de 2016 at 10:20 #

    Agradeço a Deus a forma extraordinaria como ensina o seu povo… Bem aventurado são os homens e mulheres que trabalham para o SENHOR através dessa página. Aleluia.

  7. PSCHONROCK 26 de fevereiro de 2016 at 10:36 #

    Atenção Edilson Furtado! O seu sonho é o seguinte: A noiva é a Nova Jerusalém que do alto vem (que estava assentada no alto da escada), a escada é o caminho dentro da grande sala que é o grande local do povo de Deus, Jesus Cristo é o Leão da Tribo de Judá que está à base da escada e da noiva (Apocalípse 5:5). De acordo com o meu coração e o meu entendimento, essa é a sua interpretação, amém.

    A pior situação de um ser humano não é ele ser pobre e humilde, trabalhador sincero e honesto, sofredor na necessidade de leite e pão, sofredor na necessidade de roupas e agasalhos, sofredor na necessidade de dinheiro para comprar a casa própria; e sofredor na necessidade de dinheiro para cobrir despesas, taxas e impostos governamentais. Isso tudo é óbvio que aconteça. Mas não somente digo como afirmo que a pior situação mesmo é: Ser tudo isso que citei acima, mais ainda debaixo da injustiça dos homens; porque eu os vejo e exergo, escuto e os ouço, “cheiro o mal” deles e os percebo. Porque fazem leis pesadas com fardos pesados, que nem mesmo eles com os seus dedos as consigam tocar, quem dirá carregá-las. Fazem-se doutores na lei dos homens, não as cumprindo e devorando os que as cumprem; ignorando as leis de Deus, pisando naqueles que seguem, não somente as leis como também os caminhos desses; procurando ser moralistas, sem um só pingo de moral, sem darem glórias a Deus em tudo. Porque vivem devassos nas próprias leis, usufruindo do salário do pobre assalariado o parasitando, certamente que Deus abriu a porta do inferno a todos esses. Enquanto o trabalhador pobre e humilde trabalha oito horas ao dia em todos os dias, vezes também trabalhando nos sábados, vezes também trabalhando nos domingos, vezes também procurando “fazer bicos” a noite para dar vida melhor aos seus filhos; os injustos trabalham somente em meio expediente, nem aparecem para trabalhar e já saem na sexta feira em direção às praias, ganham salários altíssimos de campanhas eleitorais e cumprimento de eleição, salários de nomeações injustas de “cabide de emprego”, “salário de confiança”; enfim: as vezes somente “batem pontos”; e não sabem que estão sendo filmados e carimbados por Deus e já condenados ao inferno. Tais injustos vivem debaixo de privilégios, mordomias, folgas, e férias, além do que é necessário; além do que é a lei, mesmo a lei sendo lei de homens.Quando um trabalhador que é mais humilde, ou um simples coitado assalariado solicita um favor, tipo assim: – Eu preciso de quatro dias para ir ver meus pais; (ou) eu preciso de quatro dias para ir a um congresso de oração a Deus; pois estou precisando que Ele me socorra nas minhas aflições, por causa das injustiças que estou sofrendo, também para que eu não caia em tentação e fique depressivo (a) e desfaleça. Conclusão: o favor é descontado das férias, e se não paga nas férias leva falta sem piedade. Injustos vivem nos deleites desse mundo pecador, são amantes de si mesmos; com carros, casas, casas na praia, tudo com avareza e luxo; esquecendo o amor de Deus e nem se importando em lhe dar glória, pois sabem que são desonestos perante Ele, sabem que pelas suas consciências não tem parte com Deus, e vão para o inferno se não se arrependerem dos seus pecados. Falo a verdade do que “vê meu nariz”. Está escrito: – Ai daquele que tocar num só fio de cabelo de um ungido do Senhor, porque foi profetizado que sou o Atalaia (profeta), portanto sou obrigado a avisá-los, tanto ao ímpio e pecador como também ao justo que tropeça e cai (Ezequiel 3: 17-21). Assim diz o Senhor: Não admitirás falso boato, e não porás a tua mão com o ímpio, para seres testemunha falsa; não seguirás a multidão para fazeres o mal; nem numa demanda falarás, tomando parte com a maioria para torcer o direito (Êxodo 23: 1-2). Não perverterás o direito do teu pobre na sua demanda; de palavras de falsidade te afastarás, e não matarás o inocente e o justo; porque não justificarei o ímpio. Também suborno não tomarás; porque o suborno cega os que têm vista, e perverte as palavras dos justos (Êxodo23:6-8). Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção (Salmos 16:10). Eia, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai, por vossas misérias, que sobre vós hão de vir. As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas de traça. O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem dará testemunho contra vós, e comerá como fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias. Eis que o jornal dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras, e que por vós foi diminuído, clama; e os clamores dos que ceifaram entraram nos ouvidos do Senhor dos exércitos. Deliciosamente vivestes sobre a terra, e vos deleitastes; cevastes os vossos corações, como num dia de matança. Condenastes e matastes o justo; ele não vos resistiu. Assim diz o Senhor: Ai daquele que edifica a sua casa com injustiça, e os seus aposentos sem direito, que se serve do serviço do seu próximo sem remunerá-lo, e não lhe dá o salário do seu trabalho (Jeremias 22:13). Mas os teus olhos e o teu coração não atentam senão para a tua avareza, e para derramar sangue inocente, e para praticar a opressão, e a violência (Jeremias 22:17). Ai daqueles que nas suas camas intentam a iniqüidade, e maquinam o mal; à luz da alva o praticam, porque está no poder da sua mão! E cobiçam campos, e cobiçam casas, e arrebatam-nas; assim fazem violência a um homem e à sua casa, a uma pessoa e à sua herança (Miquéias 2:1-2). Eu os vejo e os percebo tudo perante os meus olhos. Portanto, assim diz o SENHOR: Eis que projeto um mal contra esta família, do qual não tirareis os vossos pescoços, e não andareis tão altivos, porque o tempo será mau. Naquele dia se levantará sobre vós um provérbio, e se lamentará pranto lastimoso, dizendo: Nós estamos inteiramente desolados; a porção do meu povo ele a troca; como me despoja! Tira os nossos campos e os reparte (Miquéias 2:3-4)! Jesus Cristo disse aos seus discípulos: É impossível que não venham escândalos, mas ai daquele por quem vierem (Lucas 17:1)! Jesus Cristo continua aconselhando, dizendo e afirmando: Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem (Mateus 23:3); Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los (Mateus 23:4); Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando (Mateus 23:13); por isso sofrereis mais rigoroso juízo. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós (Mateus 23:15);Condutores cegos! que coais um mosquito e engolis um camelo (Mateus 23:24); Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de iniqüidade(Mateus 23:25). Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo(Mateus 23:26). Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia(Mateus 23:27). Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade (Mateus 23:28). Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno (Mateus 23:33)? Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas; a uns deles matareis e crucificareis; e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis de cidade em cidade (Mateus 23:34). Fiquei sabendo que um empresário que conseguiu casa de luxo na capital, casa de luxo no litoral, carros de luxo; enfim se deleitava no dinheiro. Um dia esse resolveu freqüentar uma grande igreja em São Paulo, conhecida internacionalmente (não vou citar o nome dela), “dando o dízimo do que possuía”, e também ofertas, conclusão: perdeu tudo e ficou na miséria. Então inconformado foi falar pessoalmente com o pastor e disse: Eis que freqüento essa igreja, mas ao invés de progredir mais, eu perdi e perdi tudo, o que está acontecendo? O pastor respondeu que iria orar e entrar em contato com Deus para obter uma resposta verdadeira a respeito do “suposto fiel servo” de Deus. Quando então o indivíduo foi novamente ter com o pastor, o mesmo o chamou para uma conversa em particular e disse: O teu dinheiro e tudo o que possuías era fruto de corrupção! – Quero que me confirmes sim ou não? Porque Deus tudo vê e tudo sabe. O ex empresário confirmou que era mesmo fruto de corrupção e roubo; visto que não podia mais esconder; o pastor por vez então o aconselhou a se arrepender, porque Deus não é brincadeira e não se deixa escarnecer, e muito menos com dinheiro indevido que é fruto de roubo e corrupção. Para conseguires novamente ser empresário, terá que devolver quadruplicado tudo o que de teu próximo tiraste. Eu senti em meu coração a pergunta e resposta de Jesus Cristo para aquele que sofre muito debaixo de falsos, injustos e corruptos. – És tu falso? – Não?! Então não entres na questão e conselho dos falsos, evites o caminho dos falsos, e tomes cuidado para não te assentar na roda deles! És tu injusto? – Não?! – Então não entres na questão e conselho dos injustos, evites o caminho dos injustos, e tomes cuidado para não te assentar na roda deles! – És tu corrupto? Não?! – Então não entres na questão e conselho dos corruptos, evites o caminho dos corruptos, e tomes cuidado para não te assentar na roda deles! – Porque todos esses se espalharão e não subsistirão, e não herdarão a vida eterna! Porque também o caminho desses perecerá! O LIVRO CONTINUARÁ…….

  8. antonia arlene 1 de março de 2016 at 10:57 #

    muito inspirador principalmente nos dias de hoje

  9. Maria Tereza Saldanha 20 de março de 2016 at 10:35 #

    Este comentáro foi de extrema importância para mim e irei divulga-lo a algumas pessoas minhas amigas, que , como eu . se encontram muito preocupadas com o mal crescente no nosso planeta.

    Até hoje , sempre o BEM tem derrotado o MAL, mas hoje parece que para onde nos viramos, o MAL está crescendo e abafando o BEM.

    Que JESUS. o Governador da Terra, nos ajude a podermos propagar a sua divina doutrina e a ser , cada um de nós , uma luz do BEM.

  10. Rui coimbra 23 de março de 2016 at 17:55 #

    muito bom…informação de valor!

  11. ana maria 30 de junho de 2016 at 3:59 #

    sou de Angola e gosto muito dos seus sermoes Deus seja louvado por iso , Senhor que lhe ilumine cada vez mais .(abraços)

  12. Joana 9 de abril de 2017 at 7:05 #

    Ótimo ensino, obtive um ótimo entendimento

  13. Miguel 12 de abril de 2018 at 2:47 #

    Eu fiquei fora da igreja por muitos anos e agora, perto dos 40, estou voltando. Não tenho nenhuma esperança no mundo contemporâneo… Sei que estou ficando velho, mas é tão triste ver essa degradação cultural e social… A igreja ainda tem uma comunidade unida, forte e sem os problemas todos que estão por ai, mas fora da igreja as coisas estão tão mal… Parece que não tem nada que se possa fazer. Eu estou cada vez mais engajado nos programas da minha igreja e quero continuar assim!

  14. Marcelo 12 de abril de 2018 at 16:55 #

    Muito bom aprendi bastante com esse ensino

  15. Aroldo Lopes 6 de dezembro de 2018 at 0:28 #

    Gostaria de ter encontrado isso antes! Muito obrigado.

Deixe um comentário