Prática da Ousadia

Prática da Ousadia

Texto Básico: Dt 31.6-23

Leitura Diária
D – Dt 31.6
S – Js 10.25
T – 2 Cr 32.7
Q – Js 1.6,7,9,18
Q – 1 Cr 22.13
S – 1 Cr 28.10
S – Jo 16.33

A prática da ousadia é a arte de portar-se corajosamente diante das obrigações, oportunidades e desafios da vida cristã e do ministério decorrente da vocação celestial, em função do poder de Deus e dos recursos que ele coloca à disposição de todos que o cercam e de todos que o servem.

Não é pequeno o número de tímidos. Por causa da timidez, o homem não faz tudo que poderia fazer, não alcança todas as vitórias que poderia alcançar. Fica parado, sonhando sempre, desejando sempre, planejando sempre, tendo sempre as mesmas boas intenções. Com o preguiçoso acontece o mesmo. Mas o mal de muitos não é exatamente a preguiça, e sim o receio, o medo, o acanhamento, o acovardamento, a indecisão. Todavia, a timidez favorece a preguiça e a preguiça favorece a timidez.

A Bíblia trata a timidez com rigor. Entre os judeus, o soldado “medroso e de coração tímido” deveria voltar para casa: além de inapto, ele poderia contagiar os outros com a sua timidez (Dt 20.8). Jesus fez uma pergunta muito séria aos discípulos por ocasião da travessia do mar de Genezaré: “Por que sois assim tímidos?” (Mc 4.40). O medroso precisa descobrir as razões de sua timidez e livrar-se dela.

I. Ousadia não é escarcéu

Ousadia não é esbravejar, ameaçar, fazer barulho, bazofiar, prometer mundos e fundos, chamar a atenção, desafiar a adversidade e os adversários, subir acima das nuvens do céu. Ela não é outra coisa senão dar conta do recado com permanente disposição e com o prudente acompanhamento da modéstia cristã. O exercício da ousadia não prejudica o exercício da humildade, nem este prejudica aquele. Uma virtude não ofusca nem danifica a outra.

II. Coragem!

A ordem “Sê forte e corajoso” é muito insistente nas Escrituras. Foi dirigida ao povo de Israel em ocasiões de perigo e desafio, na época de Moisés (Dt 31.6), Josué (Js 10.25) e Ezequias (2Cr 32.7). Foi dirigida a Josué, o sucessor de Moisés, seguidas vezes (Dt 31.7, 23; Js 1.6, 7, 9, 18). Mais de quinhentos anos depois, Davi achou por bem repetir as mesmas palavras a Salomão, seu filho e herdeiro do trono (1Cr 22.13; 28.10). Jesus usava com frequência uma expressão semelhante (“Tem bom ânimo”), que a Bíblia na Linguagem de Hoje reduz em uma só palavra: “Coragem!” O Senhor deu esse conselho ao paralítico de Cafarnaum (Mt 9.2), à mulher hemorrágica (Mt 9.22), aos discípulos (Mt 14.27), ao cego de Jericó (Mc 10.49) e mais uma vez aos discípulos: “No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo” (Jo 16.33). À tripulação e aos passageiros do navio seriamente ameaçado de naufrágio nas proximidades da ilha de Malta, no Mediterrâneo, Paulo aconselhou com insistência: “Senhores, tende bom ânimo! Pois eu confio em Deus” (At 27.22, 25). O próprio Paulo, antes dessa viagem a Roma na qualidade de prisioneiro, ouviu a oportuna advertência de Jesus Cristo: “Coragem! pois do modo por que deste testemunho a meu respeito em Jerusalém, assim importa que também o faças em Roma” (At 23.11).

III. Ousadia para quê?

Precisamos de ousadia para entrar com naturalidade na presença de Deus, no Santo dos Santos, como diz as Escrituras (Hb 10.19), certos de que o Senhor nos recebe e nos atende em Cristo. Precisamos de ousadia para sair da rotina e fazer proezas: “Em Deus faremos proezas” (Sl 60.12). A ousadia espiritual pode conduzir-nos à experiência de Paulo: “Tudo posso naquele que me fortalece” (Fp 4.13).

Precisamos de ousadia para seguir os caminhos do Senhor, indo contra a opinião pública, contrariando o sistema, nadando contra “o curso deste mundo” (Ef 2.2), não nos conformando com este século (Rm 12.2). Esses alvos são profundamente difíceis e exigem séria e constante intrepidez. Vejamos a experiência de Josafá: “Tornou-se-lhe ousado o coração em seguir os caminhos do Senhor” (2Cr 17.6).

Precisamos de ousadia para confiar em Deus, ainda que andemos pelo vale da sombra da morte (Sl 23.4), “ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares” (Sl 46.2), e ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na videira (Hc 3.17-19). Apesar de maltratados e ultrajados em Filipos, Paulo e Silas tiveram ousada confiança em Deus para anunciar o evangelho aos tessalonicenses, “em meio de muita luta” (1Ts 2.2).

Precisamos de ousadia para tornar conhecido o evangelho do reino, para anunciar a Palavra de Deus, para ensinar, para falar, para pregar a um mundo incrédulo, corrompido, desinteressado, cego e zombador, como aconteceu com os apóstolos: “Todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a Palavra de Deus” (At 4.31; 9.27, 28; 13.46; 14.3; 18.26; 19.8; e 28.30, 31). Só com muita ousadia é possível alargar, alongar e firmar bem as estacas, transbordando para a direita e para a esquerda, não importa sejamos fracos e poucos (Is 54.1-3).

Precisamos de ousadia para enfrentar o sofrimento, para não deixar de “seguir para Jerusalém”, para beber o cálice do sacrifício, para passar pela prova de escárnios e açoites, de algemas e prisões, de tortura e morte, e para, se necessário for, ser “serrados pelo meio” (Hb 11.35-38). Está registrado na Bíblia que, quando estava para ser morto, Jesus “manifestou no semblante a intrépida resolução de ir para Jerusalém” (Lc 9.51).

IV. As bases da ousadia

Jesus

Por meio de Cristo Jesus, nosso Senhor, “temos ousadia e acesso com confiança, mediante a fé nele” (Ef 3.12). Porque Jesus é verdadeiramente o Filho de Deus, porque ele é o supremo sacerdote, porque ele subiu aos céus e está à direita de Deus, porque ele é capaz de condoer-se das nossas fraquezas, porque ele é o Autor e Consumador da fé e porque ele, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz – somos tomados de grande ousadia para ir até o trono de Deus e lá permanecer “para recebermos a sua misericórdia e acharmos a sua graça para nos ajudar em nossos tempos de necessidade” (Hb 4.14-16; 12.1-3, BV).

2. A esperança

A esperança da glória vindoura nos faz andar altaneiramente (Hc 3.19), como filhos do Rei, como irmãos do próprio Jesus, como herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Rm 8.17). A esperança em si já é ousadia (Hb 3.6). Paulo explica: “Já que sabemos que esta nova glória nunca acabará, podemos pregar com grande ousadia” (2Co 3.12, BV).

3. A oração

Dificilmente alguém se levanta tímido depois de orar fervorosamente: “Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus” (At 4.31). O apóstolo solicitava as orações da igreja em seu favor, para ele fazer conhecido o mistério do evangelho com intrepidez (Ef 6.19).

4. A comunhão com Deus

O sinédrio reconheceu que a convivência de Pedro e João com Jesus lhes dera intrepidez (At 4.13). Os que se demoram na presença do Senhor e nele permanecem têm possibilidades imensas (Jo 15.5). Adquirem, entre outras virtudes, a necessária coragem para enfrentar a oposição com sabedoria e vitória.

5. Os sucessos acumulados, a experiência obtida

Foi isso que o imberbe Davi explicou ao rei Saul: “O Senhor me livrou das garras do leão, e das do urso; ele me livrará da mão deste filisteu” (1Sm 17.37). Paulo lembra que “os que desempenharem bem o diaconato alcançam para si mesmos justa preeminência e muita intrepidez na fé em Cristo Jesus” (1Tm 3.13).

6. O estímulo alheio

Veja-se a citação de Paulo: “A maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais assombro a palavra de Deus” (Fp 1.14). Assim como o soldado tímido gera timidez, o soldado corajoso gera bravura. A ousadia é tão contagiante quanto o medo.

V. Ousadia pecaminosa

Nem toda ousadia é virtude. Existe a ousadia pecaminosa. O ímpio também pode ser ousado. Paulo se queixa de alguns falsos irmãos “que fazem ousadas asseverações” (1Tm 1.7). O israelita que trouxe para dentro do arraial, “perante os olhos de Moisés e de toda a congregação”, a mulher midianita para se deitar com ela no interior da tenda (Nm 25.6-15), foi de uma ousadia enorme. Judas foi muito ousado ao censurar Maria por motivos interesseiros (Jo 12.4-6) e mais ainda ao procurar o sumo sacerdote para ver quanto receberia se lhe entregasse Jesus (Mt 26.14-16). Aquele que é naturalmente ousado precisa tomar cuidado com a sua ousadia. Ela pode ser uma bênção, se for usada corretamente, e uma tremenda desgraça, se for usada em função do pecado. Ao mandar buscar a mulher de Urias para se deitar com ela, Davi foi muito ousado (2Sm 11.3-4). Mas essa ousadia foi negativa e lhe trouxe seriíssimos problemas.

Exercícios de Reflexão

  1. Em tempo de guerra, o que era feito com o israelita medroso e de coração tímido?
  2. Jesus pergunta aos discípulos: “Por que sois assim tímidos?” Se a pergunta fosse dirigida a você, qual seria a sua resposta?
  3. Afinal, o que é mesmo ser forte e corajoso? O que é ter bom ânimo?
  4. Jesus recomendou coragem a uma porção de gente com sérias carências (como a mulher hemorrágica, o cego de Jericó etc.) Você gostaria que lhe dissesse hoje: “Coragem!”?

>> Texto publicado originalmente em Práticas Devocionais, Elben César, Editora Ultimato.

Print Friendly, PDF & Email

9 Comentários para “Prática da Ousadia”

  1. romario 16 de março de 2016 at 17:39 #

    muito bom merecidamente uma grande nota

  2. luiz carlos 20 de abril de 2016 at 17:25 #

    muito dinamico e amplas as respostas, meus parabéns.

  3. Rodrigo 4 de julho de 2016 at 18:57 #

    Gostei da maneira que foi abordado o assunto, primeiramente me ajudou e depois foi um tremendo encorajamento para meu grupo que está prestes a começar um novo trabalho!!! Meus parabens e muito obrigado!!!

  4. Cintya Lopes 27 de julho de 2016 at 22:56 #

    A algum tempo uma irmã disse através de mensagem me desejou Ousadia! E nunca fui buscar os porquês… Após longos meses, hoje senti o desejo de buscar entendimento de Ousadia na palavra e encontrei aqui o que precisava para me esclarecer. Creio que Deus falou ao meu coração! Que Deus me ajude a ser ousada.

  5. JOSÉ CARLOS DA SILVA 6 de dezembro de 2016 at 13:44 #

    MAGNÍFICO! Eu precisava destas palavras neste momento. Muito obrigado.

  6. Adriano 27 de março de 2017 at 18:06 #

    Amém, também preciso de ousadia. Deus seja louvado.

  7. Deusdete M Andrade 7 de novembro de 2017 at 13:10 #

    Deus me pede ousadia.

  8. Gilmara da silva melo 1 de maio de 2018 at 10:08 #

    Muito edificante e encorajador as lagrimas rolaram do meu rosto aprendir muito com esse estudo obrigada

Trackbacks/Pingbacks

  1. Estudos bíblicos para terminar e começar bem o ano | Blog da Ultimato - 20 de dezembro de 2017

    […] > Prática da Ousadia […]

Deixe um comentário