Para cantar com graça no coração

Para cantar com graça no coração

Texto básico: Salmos 13.1-6

Leitura diária
D Sl 108.1-13 Firmeza alegre de propósito
S Sl 50.1-23 O culto que glorifica a Deus
T Sl 96.1-13 Um cântico que se renova
Q Sl 122.1-9 Alegria pela Casa do Senhor
Q Tg 5.12-20 Uma expressão de alegria
S Fp 4.1-23 A alegria contagiante do Senhor
S Sl 28.1-9 O meu coração exulta em louvor

Introdução

O júbilo começa no coração. A nossa sen­sibilidade para com a grandiosidade do culto a Deus só pode ser originada e cultivada pela Palavra de Deus. “A pregação determina o foco e profundidade da adoração” (Horton). O nosso culto, portanto, é determinado basi­camente pelo conhecimento e pela prática da Palavra. O nosso louvor é a expressão de um coração alegre diante de Deus: o júbilo começa no coração e os lábios apenas o expressam.

O nosso culto começa por uma vida de obediência com um coração sincero. O ato público de adoração é a complementação in­dispensável de nosso culto cotidiano a Deus. “Porquanto Deus preceitua, em primeiro lugar, que o adoremos interiormente, e em seguida também verbalizemos uma profissão de fé externa. O principal altar, no qual Deus é adorado, deve estar situado dentro de nós, pois Deus é adorado espiritualmente através da fé, de orações e de outros ofícios de piedade. A confissão externa deve ser forçosamente acrescentada, não só para que nos exercitemos na adoração a Deus, mas também para que nos ofereçamos inteiramente a ele, tanto no corpo quanto na mente, assim como Paulo preceitua (1Co 7.34; 1Ts 5.23) – em suma, para que ele nos possua inteiramente” (Calvino).

Deste modo, devemos entender que o louvor alegre é um aprendizado da fé em submissão à Palavra. 

I. Os cânticos refletem nossa experiência com Deus

É natural e até desejável que usemos de nossos talentos para servir a Deus com novas composições que reflitam a nossa fé decorren­te da Palavra. Como a vida cristã é dinâmica, é natural que isto se manifeste também em nossa música. Lloyd-Jones está correto ao enfatizar: “O canto cristão não deve ser uma repetição enfadonha”. Portanto, a nossa fé, por proceder da Palavra, deve ser orientada pela Palavra em nossas experiências cotidia­nas. O Livro de Salmos se constitui em um modelo majestoso e singular deste emprego. No entanto, a novidade do que cantamos não estará circunscrita à data da composição ou à atualidade do ritmo, mas sim à forma como cantamos: Com “graça no coração”. Agostinho (354-430) colocou esta questão em termos belos: “Quem canta com parcia­lidade, canta canções antigas; qualquer de seus cânticos é velho, é o velho homem que canta. Está dividido, é carnal. Certamente, enquanto é carnal é velho, e à medida em que é espiritual, é novo”. Devemos cantar ao Senhor com novidade de vida e integridade; somente assim cantaremos um “cântico novo” (Sl 96.1; 98.1; Is 42.10).

Os cânticos devem ser a expressão de uma experiência com Deus, “porque é certo que jamais agradarão a Deus os louvores que não procedam desta fonte de amor” (Calvino). É natural que, com o tempo, os hinos passem a fazer parte de nossa história de vida: Eles, sem dúvida, retratam verdades bíblicas; contudo, estas verdades, cridas por nós, assumem um significado subjetivo quando são vivenciadas, muitas vezes – ainda que não exclusivamen­te –, em nossas crises, angústias e mesmo júbilo. Assim como há textos marcantes das Escrituras que falam de modo especial à nossa experiência de vida, há hinos que realçam momentos de nossa comunhão com Deus e, também, às vezes a dura realidade cotidiana. Se vocês pararem por um instante para refletir sobre isso certamente se lembrarão de hinos que estiveram associados à sua conversão, a momentos alegres e dolorosos, à determinadas épocas de sua vida. Obviamente, a nossa experiência não esgota o sentido dos hinos, mas, sem dúvida, elas resignificam a mensagem. De passagem, podemos entender também, que a letra que cantamos é funda­mental na compreensão, fixação e expressão do nosso louvor.

Lloyd-Jones, fazendo eco a Agostinho e a Calvino, acentua: “Sempre nos compete lembrar de que não devemos concentrar-nos só em cantar a melodia. No momento em que fazemos isso, já nos afastamos da instrução do apóstolo [Ef 5.19]. As palavras vêm em pri­meiro lugar – elas são mais importantes que a melodia. Naturalmente, as palavras e a melodia devem vir juntas, consorciadas e fundidas para darem expressão ao nosso louvor. Mas não há nada que seja tão fatal como entoar a melodia somente, sem dar atenção às palavras”.

O meditar nos feitos de Deus é um imperativo ao louvor. O salmista louva a Deus considerando o seu livramento (cf. Sl 28.6-7). “Quando Deus esparge alegria em nossos corações, o resultado deve ser que nossos lábios se abram para entoar seus louvores” (Calvino). “Quanto mais atenta e diligentemente os crentes consideram as obras de Deus, mais eles se aplicarão aos seus louvores” (Calvino). 

II. O cantar está associado à nossa fé “em busca de compreensão”

O nosso louvor está também associado à nossa fé. Davi, angustiado, fugindo de uma perseguição implacável de Saul, assim mesmo vislumbrava alegremente o seu salvamento: “Regozije-se o meu coração no teu salvamen­to” (Sl 13.5). O curioso é que o salmista, além de olhar para o futuro, não perde o contato com a realidade presente, enxergando que, apesar de todas as suas dificuldades, Deus lhe tem feito muito bem (Sl 13.6).

No v. 3, ele pede a Deus: “Ilumina-me os olhos” . Iluminar os olhos, no idioma hebrai­co, significa o mesmo que soprar o fôlego de vida, porquanto o vigor de vida transparece principalmente nos olhos” (Calvino).

Analisando de outra perspectiva, muitas vezes o que de fato necessitamos é ter os olhos iluminados para poder enxergar a situação com mais clareza. Aqui, o salmista pede a Deus que ilumine para que ele, tomando alento, possa ver as coisas com maior discernimento, já que, no momento, a realidade parecia-lhe extremamente aflitiva e tenebrosa.

Somente Deus, por sua graça, pode iluminar os nossos olhos para que vejamos os seus feitos em nossa vida e, assim, nos alegremos na esperança (Rm 12.12). “É possível que não vivamos totalmente livres do sofrimento, não obstante é necessário que essa fé regozijante se erga acima dele e nossa boca se abra em cântico por conta da alegria que está reservada para nós no futuro, embora ainda não seja experimentada por nós….” (Calvino). Deste modo, o salmo, que começa com perguntas angustiantes e dolorosas (Sl 13.1-2), termina com um cântico de confiante fé e alegria radiante. O seu desânimo transforma-se em alegre confiança. Tendo os olhos iluminados, conforme pediu a Deus, pôde ver com mais clareza as bênçãos de Deus; por isso diz: “[Deus] me tem feito muito bem” (Sl 13.6).

Assim, assume o compromisso: “Cantarei ao Senhor” (Sl 13.6). “… Davi, ao apressar-se com prontidão de alma a cantar os benefícios divinos, mesmo antes que os houvesse rece­bido, coloca o livramento, que aparentemente estava então distante, imediatamente diante de seus olhos” (Calvino). A alegria do salmista se manifesta em cântico. Mas o cantar não é uma simples terapia, antes, a expressão de uma alma confiante e agradecida. Daí, seguindo a linha de Agostinho e Calvino, é que para nós reformados o que cantamos assume a preponderância em nosso louvor. Devemos fazer com sinceridade, integridade de coração, expressando o que aprendemos biblicamente e, que, pelo Espírito, faz parte de nossa fé. “Nosso louvor só pode ser aprovado verdade” (Calvino).

Nesta mesma tradição litúrgica, acentua Lloyd-Jones: “Sempre nos compete lembrar de que não devemos concentrar-nos só em cantar a melodia. No momento em que fa­zemos isso, já nos afastamos da instrução do apóstolo. As palavras vêm em primeiro lugar – elas são mais importantes que a melodia. Naturalmente, as palavras e a melodia devem vir juntas, consorciadas e fundidas para darem expressão ao nosso louvor. Mas não há nada que seja tão fatal como entoar a melodia so­mente, sem dar atenção às palavras”.

Davi ainda não pôde enxergar completa­mente o livramento futuro, no entanto, confia em Deus, por isso, louva a ele firmado na fé que vê o invisível (cf. Hb 11.1).

Aqui ele pode dizer como no salmo 116: “Volta, minha alma ao teu sossego, pois o Senhor tem sido generoso para contigo” (Sl 116.7).

Deste modo, o nosso louvor é um tes­temunho de nossa confiança no cuidado providente de Deus. Este discernimento só é possível por intermédio da Palavra. Uma esperança fundamentada simplesmente em otimismos resultantes de um “pensar positi­vo” pode, quando muito, dar uma sensação momentânea de alívio, contudo, não muda a realidade dos fatos. Deus, no entanto, nos convida a um exame de sua Palavra; nela temos os seus ensinamentos e promessas que, de fato, podem iluminar os nossos olhos, apontando e nos capacitando a seguir o seu caminho.

A Palavra de Deus nos dá discernimento com clareza: “A revelação das tuas palavras esclarece e dá entendimento aos simples (tolo, “mente aberta”, imaturo)” (Sl 119.130).

A Palavra nos conduz à maturidade, ao discernimento para que não mais tenhamos uma “mente aberta”, sendo suscetível a todo tipo de sedução e engano não percebendo as armadilhas e contradições do seu mosaico inconsistente de pensamento. Deus deseja que exercitemos o senso crítico (Pv 1.4; 14.15), deixando a paixão pela “necedade” (Pv 1.22), nos apegando às suas promessas.

Somente a Palavra de Deus pode transmitir a alegria real e duradoura ao nosso coração. Ela dispersa as nuvens de incertezas e contradições de uma sociedade pervertida, mostrando-nos os verdadeiros valores (Sl 119.105).

O salmo que começa com perguntas angus­tiantes e dolorosas, termina com um cântico de certeza de fé e alegria radiante. Aparentemente a sua situação não mudou, contudo, ele obteve outra perspectiva, a sabedoria divina que o permitiu se alegrar em Deus. A visão anteci­pada da manifestação da graça é graça. 

Conclusão

O Diretório de Culto de Westminster (1645) orienta: “É dever dos cristãos louvar a Deus publicamente cantando salmos juntos na igreja, e também em particular, na família.

“Ao cantar os salmos, a voz deverá ser afinada e ordenada com seriedade; mas o cuidado maior precisa ser o de cantar com o entendimento e com graça no coração, erguendo melodias ao Senhor”.

Devemos, portanto, cantar com sincerida­de, meditando naquilo que cantamos como expressão de nossa fé, com integridade e mo­deração. Os cânticos são didáticos; por meio deles aprendemos as Escrituras, expressamos a nossa fé e, eles também nos ajudam a fixar os ensinamentos bíblicos. Os cânticos que não nos conduzem à Palavra, por mais emocionan­tes, “alegres”, cativantes e contagiantes que sejam, não edificam. Precisamos ter sempre diante de nós o fato insubstituível de que é impossível ser edificado espiritualmente fora da Palavra. As Escrituras devem ser sempre o critério aferidor de todas as nossas experiências, emoções e gosto. Insistimos: fora da Palavra não há edificação, nem crescimento espiritual. Deus não requer de nós simples­mente criatividade; ele requer fidelidade. 

Aplicação

Nossa experiência e o conhecimento de Deus costumam estar presentes em nossos cânticos? O que pode ser feito para que eles sejam ade­quados ao ensino da Palavra de Deus?

Print Friendly, PDF & Email

Um comentário para “Para cantar com graça no coração”

  1. Francivanio Vieira 4 de outubro de 2017 at 18:00 #

    Perfeito!

Deixe um comentário