DESIGREJISMO – crentes caindo fora da igreja

DESIGREJISMO – crentes caindo fora da igreja

 

Texto Básico:  Hebreus 10.25

Leitura Diária:
D 1Pe 2.1-10 – A pedra que vive
S 2Jó 7 – 11 – Deixando de fora o herege
T Ap 2.12-17 – Zelando pela igreja
Q Mt 18.15-20 – Trazendo o irmão de volta
Q 1Co 5.1-13 – O impuro rejeitado
S 1Jo 4.15 – Confissão de fé
S 1Tm 3.1-13 – A qualificação dos oficiais

 

INTRODUÇÃO

Talvez você não saiba o que significa a palavra “desigrejismo” e fique muito desconfiado ao ver uma lição sobre isso. Afinal, será mesmo que este é um dos “ismos de nossos dias”. Se é, então por que nunca ouvi falar dele? Bem, embora a palavra seja desconhecida de muitos cristãos e seja bem esquisita, com certeza você já se deparou com aquilo que ela representa. Desigrejismo é a tendência atual de muitos crentes acharem que podem ter um cristianismo sem igreja e, por isso, abandonam a igreja e tentam viver a fé cristã sozinhos. Será que isso é possível? Será que é certo?

 1. O DESIGREJISMO: EM QUE CREEM OS DESIGREJADOS

A igreja institucional e organizada está hoje no centro de acirradas discussões em praticamente todas as denominações da cristandade. O surgimento de milhares de denominações evangélicas, o poderio apostólico de igrejas neopentecostais, a institucionalização e secularização das denominações históricas, a profissionalização do ministério pastoral, a busca de diplomas teológicos reconhecidos pelo Estado, a variedade infindável de métodos de crescimento de igrejas, de sucesso pastoral, os escândalos ocorridos nas igrejas, a falta de crescimento das igrejas tradicionais, o fracasso das igrejas emergentes – tudo isso tem levado muitos a se desencantarem com a igreja institucional e organizada.

Alguns simplesmente abandonaram a igreja e a fé. Mas outros querem abandonar apenas a igreja e manter a fé. Querem ser cristãos, mas sem a igreja. Alguns, além de não mais frequentarem a igreja, tomaram esta bandeira e passaram a defender abertamente o fracasso total da igreja organizada, a necessidade de um cristianismo sem igreja e a necessidade de sairmos da igreja para podermos encontrar Cristo. São os desigrejados.

Em linhas gerais, os desigrejados defendem os seguintes pontos.

1) Cristo não deixou nenhuma forma de igreja organizada e institucional.

2) Já nos primeiros séculos, os cristãos se afastaram dos ensinos de Jesus, organizando-se como uma instituição, a Igreja, criando estruturas, inventando ofícios e elaborando hierarquias para proteger e defender a própria instituição e de tal maneira se organizaram que acabaram deixando Deus de fora. Com a influência da filosofia grega na teologia e a oficialização do cristianismo por Constantino, a igreja corrompeu-se completamente.

3) Apesar de a Reforma ter se levantado contra esta corrupção, os protestantes e evangélicos acabaram caindo nos mesmíssimos erros, ao criarem denominações organizadas, sistemas interligados de hierarquia e processos de manutenção do sistema, como a disciplina e a exclusão dos dissidentes, e ao elaborarem confissões de fé, catecismos e declarações de fé que engessaram a mensagem de Jesus e impediram o livre pensamento teológico.

4) A igreja verdadeira não tem templos, cultos regulares aos domingos, tesouraria, hierarquia, ofícios, ofertas, dízimos, clero oficial, confissões de fé, rol de membros, propriedades, escolas, seminários.

5) De acordo com Jesus, onde estiverem dois ou três que creem nele, ali está a igreja, pois Cristo está com eles, conforme prometeu em Mateus 18.

6) A igreja, como organização humana, tem falhado e caído em muitos erros, pecados e escândalos e prestado um desserviço ao evangelho.

Infelizmente, os desigrejados estão certos quanto ao fato de que muitos evangélicos confundem a igreja organizada com a igreja de Cristo e lutam com unhas e dentes para defender sua denominação e sua igreja, mesmo quando estas não representam genuinamente os valores da Igreja de Cristo. Concordo também que a igreja de Cristo subsistiu de forma vigorosa nos quatro primeiros séculos se reunindo em casas, cavernas, vales, campos e até cemitérios. Os templos cristãos só foram erigidos após a oficialização do Cristianismo por Constantino, no quarto século.

Os desigrejados estão certos ao criticar os sistemas de defesa criados para perpetuar as estruturas e a hierarquia das igrejas organizadas, esquecendo-se das pessoas e dando prioridade à organização. E também estou de acordo com a constatação de que a igreja institucional tem cometido muitos erros no decorrer de sua longa história.

Dito isto, pergunto se ainda assim está correto abandonarmos a igreja institucional e seguirmos um cristianismo solitário.

 

2. IGREJISMO: O ENSINO BÍBLICO

É verdade que Jesus não deixou uma igreja institucionalizada aqui neste mundo. Todavia, ele disse algumas coisas sobre a igreja que levaram seus discípulos a se organizarem em comunidades ainda no período apostólico e muito antes de Constantino.

1) Jesus disse aos discípulos que sua igreja seria edificada sobre a declaração de Pedro, que ele era o Cristo, o Filho do Deus vivo (Mt 16.15-19). A igreja foi fundada sobre esta pedra, que é a verdade sobre a pessoa de Jesus (1Pe 2.4-8). O que se desviar desta não é igreja cristã. As igrejas foram instruídas pelos apóstolos a rejeitar os livre-pensadores como os gnósticos e judaizantes, e libertinos desobedientes, como os seguidores de Balaão e os nicolaítas (2Jo 10; Rm 16.17; 1Co 5.11; 2Ts 3.6; 3.14; Tt 3.10; Jd 4; Ap 2.6, 14-15). Fica praticamente impossível nos mantermos sobre a rocha, Cristo, e sobre a tradição dos apóstolos registrada nas Escrituras, sem sermos igreja, onde somos ensinados, corrigidos, admoestados, advertidos, confirmados, e onde os que se desviam da verdade apostólica são rejeitados.

3) Jesus instituiu também o que chamamos de processo disciplinar, quando ensinou aos seus discípulos de que maneira deveriam proceder no caso de um irmão que caiu em pecado (Mt 18.15-20) e não demonstrou arrependimento. Após repetidas advertências em particular, o irmão faltoso, porém endurecido, deveria ser excluído da “igreja” – pois é, Jesus usou o termo – e não deveria mais ser tratado como parte dela (Mt 18.17), como aconteceu com o “irmão” imoral da igreja de Corinto (1Co 5). Isso não pode ser feito numa fraternidade informal e livre onde não existe a consciência de pertencemos a um corpo que se guia conforme as regras estabelecidas por Cristo.

4) Jesus determinou que seus seguidores fizessem discípulos em todo o mundo e que os batizassem e ensinassem a eles tudo o que ele havia mandado (Mt 28.19-20). Os discípulos organizaram os convertidos em igrejas, os quais eram batizados e instruídos no ensino apostólico. Eles estabeleceram líderes espirituais sobre estas igrejas, que eram responsáveis por instruir os convertidos, advertir os faltosos e cuidar dos necessitados (At 6.1-6; At 14.23). Definiram claramente o perfil destes líderes e suas funções (1Tm 31-13; Tt 1.5-9; Tg 5.14).

5) Não demorou também para que os cristãos apostólicos elaborassem as primeiras declarações ou confissões de fé que encontramos (cf. Rm 10.9; 1Jo 4.15; At 8.36-37; Fp 2.5-11; etc.), que serviam de base para o ensino e a instrução dos novos convertidos e para examinarem e rejeitarem os falsos mestres. Veja, por exemplo, João usando uma destas declarações para repelir livre-pensadores gnósticos das igrejas da Ásia (2Jo 7-10; 1Jo 4.1-3). Ainda no período apostólico já encontramos sinais de que as igrejas haviam se organizado e estruturado, tendo presbíteros, diáconos, mestres e guias, uma ordem de viúvas e ainda presbitérios (1Tm 3.1; 5.17,19; Tt 1.5; Fp 1.1; 1Tm 3.8,12; 1Tm 5.9; 1Tm 4.14). O exemplo mais antigo que temos desta organização é a reunião dos apóstolos e presbíteros em Jerusalém para tratar de um caso de doutrina (At 15.1-6).

6) Jesus também mandou que seus discípulos se reunissem regularmente para comer o pão e beber o vinho em memória dele (Lc 22.14-20). Os apóstolos seguiram a ordem e reuniam-se regularmente para celebrar a Ceia (At 2.42; 20.7; 1Co 10.16). Todavia, dada à natureza da Ceia, cedo introduziram normas para a participação nela, como fica evidente no caso da igreja de Corinto (1Co 11.23-34).

É curioso que a passagem predileta dos desigrejados (Mt 18.20) foi proferida por Jesus no contexto da igreja organizada. Estes dois ou três que ele menciona são os dois ou três que vão tentar ganhar o irmão faltoso e reconduzi-lo à comunhão da igreja (Mt 18.16). Ou seja, são os dois ou três que estão agindo para preservar a pureza da igreja como corpo, e não dois ou três que se separam dos demais e resolvem fazer sua própria igrejinha informal ou seguir carreira solo como cristãos.

Muito antes do período pós-apostólico, da intrusão da filosofia grega na teologia da Igreja e do decreto de Constantino, a igreja de Cristo já estava organizada, com seus ofícios, hierarquia, sistema disciplinar, funcionamento regular, credos e confissões. A ponto de o autor de Hebreus repreender os que deixavam de se congregar com os demais cristãos (Hb 10.25).

No final, fico com a impressão de que os desigrejados, na verdade, não são contra a igreja organizada meramente porque desejam uma forma mais pura de Cristianismo, mais próxima da forma original – pois esta forma original já nasceu organizada e estruturada, nos Evangelhos e no restante do Novo Testamento. Acho que eles querem mesmo é liberdade para serem cristãos do jeito deles, acreditar no que quiserem e viver do jeito que acham correto, sem ter que prestar contas a ninguém. Pertencer a uma igreja organizada, especialmente àquelas que historicamente são confessionais e que têm autoridades constituídas, conselhos e concílios, significa submeter nossas idéias e nossa maneira de viver ao crivo do Evangelho, conforme entendido pelo Cristianismo histórico. Para muitos, isto é pedir demais.

 

CONCLUSÃO

Eu não tenho ilusões quanto ao estado atual da igreja. Ela é imperfeita e continuará assim enquanto eu for membro dela. A teologia Reformada não deixa dúvidas quanto ao estado de imperfeição, corrupção, falibilidade e miséria em que a igreja militante se encontra no presente, enquanto aguarda a vinda do Senhor Jesus, ocasião em que se tornará igreja triunfante. Ao mesmo tempo, ensina que não podemos ser cristãos sem ela. Que apesar de tudo, precisamos uns dos outros, precisamos da pregação da Palavra, da disciplina e dos sacramentos, da comunhão de irmãos e dos cultos regulares.

 

APLICAÇÃO

Como está sua frequência aos cultos da igreja? Você tem se reunido regularmente com seus irmãos em Cristo para adorar ao Senhor, ser instruído por ele e participar dos sacramentos?

 

Autor da lição: Vagner Barbosa
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cultura Cristã, na Revista Nossa Fé – “ISMOS DE NOSSOS DIAS – Ideias atuais à luz da Bíblia”. Usado com permissão.
[Adaptada de artigo de Augustus Nicodemus em Ó Tempora, ó Mores]

Print Friendly, PDF & Email

30 Comentários para “DESIGREJISMO – crentes caindo fora da igreja”

  1. Elcias Costa 6 de fevereiro de 2015 at 20:00 #

    Muito me entristece a ausência aos cultos, pois, algumas vezes são edificantes, mas, me entristece ainda mais quando vou a algum e saio de lá com o sentimento de revolta diante do mercado de interesses que a igreja se tornou. Já encarei, sem sucesso diante “dos poderosos” e não compactuo com o que tem sido pregado. Deus não é poço dos desejos humanos, Ele é Deus e nós é devemos render-lhe adoração e não o contrário.

  2. Eduardo 7 de fevereiro de 2015 at 8:37 #

    Desigrejismo é a tendência atual de muitos crentes acharem que podem ter um cristianismo sem igreja e, por isso, abandonam a igreja e tentam viver a fé cristã sozinhos. Será que isso é possível? Será que é certo?
    .
    ‘Desigrejismo’ é que se chama de neologismo. “O neologismo é um fenômeno linguístico que consiste na criação de uma palavra ou expressão nova, ou na atribuição de um novo sentido a uma palavra já existente. Pode ser fruto de um comportamento espontâneo, próprio do ser humano e da linguagem, ou artificial, para fins pejorativos ou não”, informa o dicionário informal.
    .
    Tome-se esta definição do neologismo ‘desigrejado’. “De forma resumida, os “desigrejados” compõem um grupo que, essencialmente, apresenta dois tipos de pessoas: aqueles que decepcionados com a igreja institucional, buscam ser cristãos sem manter ligação com qualquer comunidade eclesiástica e, outros que , não frequentando qualquer igreja por razões diversas, passaram a defender publicamente que a igreja organizada fracassou e está falida, a plena possibilidade de um cristianismo fora dessas entidades, inclusive que é necessário que o crente saia do contexto eclesiástico para ter um encontro com Deus (LOPES, 2013).”
    .
    Tenho a minha opinião também: ‘desigrejado’ é o termo usado por evangélicos — dentro da igreja — que olham para os que foram membros da igreja com desdém e acham que estes que estão fora simplesmente estão equivocados.
    .
    Eu acho que os ‘desigrejados’ são aqueles que, considerados com desdém pelos ‘igrejados’, têm razão de sobra, práticas e conceituais, de que a instituição igreja está socialmente falida, é teologicamente irrelevante e não passa pelo critério de aferição da verdade.
    .
    Acrescento mais: igreja na opinião dos ‘desigrejados’, dos quais faço parte, é aquela instituição sem CNPJ, sem pagar ISS, pagando aluguel, sem declaração à Receita nada do que entra, decide comprar 100 bancos de plástico, um tampão de vidro, dois aparelhos de ar condicionado sob a liderança de um gerente de loja de eletro-domésticos, geralmente gordinho, falando alto e grosso, capaz de torcer o que ele chama de ‘espírito santo’ para encaixar no povo embasbacado e beócio.
    .

    • Wagner 12 de novembro de 2019 at 7:42 #

      Sozinhos? Não não,em casa somos eu esposa e filhos,e seguimos a doutrina s encher os bolsos de dinheiro.damos e ajudamos quem realmente precisa.para falar de Deus não precisa de luxo,de igrejas gigantes ou carros luxuosos.

  3. jose geraldo duarte 7 de fevereiro de 2015 at 10:33 #

    CRISTO É A CABEÇA DA IGREJA E NOS CRISTAÕS O CORPO . O CORPO TEM DE ESTAR LIGADO A CABEÇA QUE É CRISTO.E ELE MESMO DISSE QUE SEM ELA NADA PODEMOS FAZER.OS DESINGREJADOS SÃO PESSOAS QUE NÃO GOSTAM DE ANDAR DEBAIXO DE AUTORIDADE DE NINGUEREGM,PAULO TAMBEM DISSE QUE NÃO DEVEMOS DEIXAR DE CONGREGAR COMO É COSTUME DE MUITOS…JESUS É A VIDEIRA E NOS CRISTÃOS OS RAMOS.O RAMO FORA DA VIDEIRA ELE MORRE,ESPIRITUALMENTE…

    • Norma 1 de agosto de 2019 at 13:25 #

      Não está em lugar nenhum registrado que Paulo é o escritor de aos Hebreus. Inclusive, estudos minuciosos apontam pela forma como a carta foi escrita, que possivelmente ele seria uma opção descartada. Desigrejados tem muitos, e os motivos são diversos, ninguém tem propriedade para julgar. É preciso orar por todos que ainda se encontram nessa situação.

  4. Ana Lucia Finazzi 7 de fevereiro de 2015 at 15:41 #

    Encontrei este artigo durante uma busca de comentários para acrescentar a uma aula de Escola Bíblica Dominical, relacionado aos “ismos” da atualidade. Muito boa e oportuna a abordagem do autor, que serve de alerta para as Igrejas Reformadas que estão lidando com estas ideologias em seu meio.

  5. Eduardo 9 de fevereiro de 2015 at 12:09 #

    Não publicou meu comentário por quê?
    Há já sei. Faz parte, né?
    Aliás, acho que os ‘desigrejados’ o são em parte justamente por conta dessa atitude: não leu pela minha cartilha (essa do estudo aqui), descem a guilhotina.
    .

    • Norma 1 de agosto de 2019 at 13:33 #

      Eduardo, pelo que você falou acima, você ama Jesus, e Jesus te ama também, a gente se machuca menos, quando entramos em debate com pessoas que não passaram pela dor dos outros, e nem conseguem exercer misericórdia para se colocar no lugar dos outros, estive fora de denominação evangélica por muito tempo, mais até do que eu gostaria, pois tenho sede de congregar, é onde ajudamos as pessoas a se manterem juntas e fortalecidas, não gaste suas energias com quem tem rótulo, mais pelas atitudes, não tem unção. Deus o ajuntará se você de todo p seu coração desejar, abrirá uma porta para você entrar, onde você será acolhido e valorizado como membro do corpo de Cristo. Só Jesus pode abrir mão de uma alma, pois Ele foi o único que morreu por cada uma delas. Fica na paz meu irmão. Espero que em nome de Jesus, você leia isso.

  6. Cícero Alvernaz 10 de fevereiro de 2015 at 11:38 #

    Nunca imaginei que um dia eu fosse fazer parte do grupo de “desigrejados”. Na verdade, eu fui desligado da igreja por motivos ainda desconhecidos já que não participei de nenhuma reunião ministerial, embora eu fizesse parte do Ministério da Igreja (Presbítero). Na minha opinião, a igreja hoje existe apenas como organização, muitas vezes contraditória e autoritária em suas posições e conclusões. Há uma tendência cada vez mais forte de as pessoas saírem das igrejas ou fundarem uma igreja para si, como tem acontecido muito ultimamente. Servir a Deus independe de igrejas, afinal nós somos igrejas e templos do Espírito Santo.

    • Norma 1 de agosto de 2019 at 13:43 #

      Irmão Cícero, já fui desigrejada por muito tempo, mas a minha intenção não era de ser pra sempre, ou adotar a idéia de que poderia ficar sem o calor da comunhão da congregação pra sempre, esperei por quase seis anos pela cura de tantos machucados que tinha por tantos anos vendo líderes desdenhando dos fiéis e um troca troca na igreja e outras coisas que só quem está próximo do ministério entende. Uns são mais fortes que outros e aguentam, eu não aguentei. Hoje estou restaurada, foi criado em mim no decorrer desses anos um casco grosso, uma prevenção contra essas atitudes, que verdadeiros homens de Deus não cometem, aprendi muitas coisas nesse período, cresci muito espiritualmente, pois Jesus e o Espírito Santo, não são limitados ao lugar que você está, mas a intenção do Espírito Santo, é nos ajuntar. Que o nosso Deus continue encontrando em você um coração pronto pra Ele. Graça e Paz!

      • João do Prado 11 de novembro de 2019 at 7:46 #

        Tem muitas tese e muitas desinformação sobre os Desigrejado.
        Se conseguirmos reunir todos Desigrejado, formariamos uma grande nação Cristã. Então está nação Cristã já existe e tenho Fé que Deus tem o controle plena dessa Nação que faço parte a muitos anos.
        E nem por isso deixo de reunir aos meus irmãos em Cristo. Visitando as igrejas como Paulo apóstolo fazia. Amém.

  7. gedilce 14 de fevereiro de 2015 at 15:22 #

    Muito complicado. O que fazer quando hoje igrejas consideradas históricas estão desfazendo de todo um contexto histórico, dizendo que estavam errados, agora sim, descobriram que temos que voltar as origem (células, encontros, etc). E ai? o que fazer quando não se concorda com algumas questões colocadas nestas visões? Acredito que é por isso que muitos estão saindo e ficando em seus lares.

    • Juliana Neves 16 de dezembro de 2017 at 20:47 #

      O termo desigrejado, não foi criado pelos “designados” mas sim pela própria igreja terrena, toda vez que algum membro questiona um ensino antibíblico dentro da “igreja”(denominação), de modo explicito ou oculto esse alguém é excluído, porque na religião é proibido pensar, é proibido estudar as escrituras, toda vez que alguém verdadeiramente é iluminado pelo Espírito Santo de Deus e quer mostrar a verdade de Deus, esse alguém é considerado pedra de tropeço. Então esse alguém realmente começa a perambular por aí tentando encontrar a verdade numa e noutra “igreja”, mas está procurando no lugar errado, Jesus olhou para o tempo de Jerusalém e disse? “Está vendo tudo isso? Não restará pedra sobre pedra! Um templo nada mais é do que uma construção se não há alí verdadeira comunhão entre os irmãos e comunhão com Deus. Comunhão com Deus é quando a pessoa reconhece o quanto pecador é e tenta a todo momento melhorar para Deus, para agradá-lo seguindo os mandamentos de Jesus que se resumem em amar a Deus com todo o nosso coração e entendimento e a nosso irmão como a nós mesmos. Mas tudo o que se vê hoje é hipocrisia, e o cristão verdadeiro não compacta com a mentira. Jesus andava com os pecadores somente na intenção de transformá-los mas não compactuava com as suas mentiras e pecados. O crente verdadeiro não consegue se calar diante de verdadeira mentira, ele é a ovelha negra, não se encaixa no bando, e não consegue entender porque todos os outros se calam e tomam a mentira por verdade. Jesus também não entendia esse mercado dá fé, ele derrubou as barracas ele se irou ele não compreendeu. foi perseguido e assassinado.
      Não importa o que digam de nós, se ser desigrejado é não fazer parte de mentira então que nos chame assim, pois somente os verdadeiros Cristãos sabem a fé em Jesus que tem, o poder na oração, a vida de comunhão verdadeira que tem com Jesus nosso único e verdadeiro Pastor!

  8. Roberto Nogueira 4 de março de 2015 at 11:14 #

    Não sou desigrejado, mesmo porque só existe uma igreja, aquela que começa em Atos capítulo2.Igreja somos nós, instituição religiosa, é outra coisa!Continuo frequentando um templo, mas agora, começo a me reunir com alguns irmãos em Cristo para fazer aquilo que não se vê nos templos!Dar participação ao Epírito Santo!Quando um grupo de pessoas crentes se reunem “em nome de Jesus”todos têm liberdade em participar, como está em ICo 12,10, ICo14,26, mas quando o pastor sobe no púlpito não há liberdade ao Espírito Santo, pois só ele fala, e assim como os dons distribuídos na igreja podem ser usados?Com todo o respeito, o pastor apenas tem que “dirigir” um culto, e não ser o “dono da verdade”, mesmo porque Jesus é a verdade!

    • Norma 1 de agosto de 2019 at 13:51 #

      Esse é o modelo de culto congregacional, é assim que os talentos são descobertos e a igreja cresce.

  9. Antonio carlos laudelino barros 31 de agosto de 2015 at 21:48 #

    Quero dizer aos amados que igreja não são paredes pois SENHOR mesmo fala que não abitaria em templo feito por mão de homens igreja são pessoas hoje eu vejo a preoucupação mais com o dinheiro do que as pessoas ser vc olha no novo testamento JESUS esta sempre repreendendo os lideres pois estão mais preoculpado com o dinheiro do que transfomar vidas .Parede não mente ,não fala mau de ninguem ,não engana e etc mais as pessoas fazem isso quem e a igreja são as pessoas que estão ai tudo com problema na vida em todos os sentidos enquanto os lideres so fazendo campanha para tira dinheiro do povo nunca eu vir nesse templo nenhum pastor prega por esse pastores que so pensam em dinheiro

  10. Amorim 17 de maio de 2016 at 21:31 #

    Caros irmãos,se vcs forem mais a fundo,verão que o evangelho que todas as igrejas ensinam são falhos e sem um profundo conhecimentos,pregam um evangelho falho e distorcido,para se beneficiarem do dinheiro dos dízimos e das ofertas,buscam fama e enriquecimento ilícito,a maioria dos pastores leem a bíblia,mas não entendem e ficam naquela gritaria sem fundamentos e profetizando coisas que jamais acontecem,sabem porque?porque não tem nada de DEUS nessa gente,tem títulos de pastores,bispos,apóstolos,etc….que eles mesmos se deram,os antigos apóstolos foram escolhidos por JESUS,a maioria que ta aí é só um engano,foi escolhido por quem?Deixei de ir a igreja por causa de tanto escanda-los,principalmente os mais famosos(tv e radio e internet),mas a minha fé em DEUS jamais foi abalada e estudo a bilblia constantemente.

  11. silvino 19 de janeiro de 2017 at 10:29 #

    A Igreja original era a Igreja nas casas. Jesus usava as casas das pessoas para ensinar e operar milagres. Os discípulos continuaram e ensinar, partir o pão e ter comunhão de casa em casa. Paulo sempre saudava “a igreja que se reúne em sua casa”. A Igreja cresceu exponencialmente a partir das casas.

    Os tijolos, o clero profissional, o púlpito, o sermão domingueiro, os sacramentos, o dízimo e os programas religiosos mataram a igreja. Aquilo que chamamos de Igreja nos dias atuais é somente uma caricatura. Um cristão do primeiro século simplesmente não a reconheceria como uma igreja. Ele sentiria a ausência do ambiente aberto, aconchegante e informal da sala de estar da Igreja nas casas.1

  12. Antonio de Jesus 10 de dezembro de 2018 at 4:17 #

    Ao meu ver, os “desigrejados” fazem parte de um movimento dialético infindo de reforma, um processo espiral de retroação: desinstitucionalização, peregrinação, ajuntamento, reorganização, reinstitucionalização… Nesse aspecto, enquanto tentativa de revolução, salutar a vida orgânica da Igreja, mas desgastante e desagregador ao longo do tempo. Em minha opinião, o que precisamos é de menos Instituição e mais Corpo de Cristo. Um Corpo bem organizado e articulado, mas que se expresse por inteiro e exerça autocrítica constante. Onde não haja “membros superiores” e nem “membros inferiores”, mas sim membros, irmãos, iguais. Onde realmente a superioridade esteja em quem mais serve e não em quem é mais servido. Todavia, dado ao fato da corrupção humana, penso que isso seja um devaneio. Contudo, a exemplo da “Tri-UNIDADE”, se algum dia aprendermos a viver em “Com-UNIDADE”, penso que isso seja um sonho possível: João 17.21. Tudo é possível àquele’s que creem. Que Deus se apiede de nós!

    • Norma 1 de agosto de 2019 at 13:58 #

      Amém, que dissertação ótima, foi objetivo sem ferir ninguém. Que Deus continue te dando sabedoria e te fortalecendo.

  13. MISSIONARIO EMERSON 6 de julho de 2019 at 22:58 #

    TENHO CERTEZA QUE É FALTA DE PALAVRA ,ORAÇÃO E JEJUM POR ISSO ESTÃO TANTOS AFASTADOS DE DEUS E DAS CONGREGAÇÕES

  14. Vânia 23 de julho de 2019 at 12:00 #

    Todo desigrejado tem uma desculpa ou tenta colocá-la em alguém, e o diabo esta satisfeitíssimo com isso, não é por não concordar com alguma coisa da igreja que vou sair dela, . Tenho por mim que oração, jejum e estudo da palavra resolve esse caso, se voCê esta correto, com oque acredita ou ou repudia, Deus esta acima de toda autoridade, levem a causa para Deus não saíam da igreja, se sair por um motivo “grave” vão para outra, mas onde há o homem há imperfeições então nós é que temos que ser aperfeiçoados, como disse o missionario Emerson é se entregar a palavra, jejum e oração, que Deus resolve.

  15. Norma 1 de agosto de 2019 at 13:15 #

    “Acho que eles querem mesmo é liberdade para serem cristãos do jeito deles, acreditar no que quiserem e viver do jeito que acham correto, sem ter que prestar contas a ninguém”.
    O trabalho foi muito bem elaborado até aqui, se não fosse por esse juízo, sem ao menos conhecer todos esses desigrejados.
    Precisamos separar os pacotes, para não defendermos nossa opinião, passando por cima do sofrimento dos outros. Já fui desigrejada, e tudo que mais queria, era uma igreja que ao menos respeitasse às pessoas que entram nelas. Nunca me desviei, pois não acredito em cristão nascido de novo, que tem por dentro de si, o Espírito Santo, se desviar. Hoje, não deixo mais de congregar por causa de ninguém, independente do que estejam fazendo, só não fico “naquela igreja”, se o ministério estiver envergonhando o evangelho de Cristo. No mais, se Jesus suportou coisas até hediondas pela minha salvação, também posso suportar o que tem tido rótulo de igreja, sem realmente ser, mas congregar, precisa ser criterioso onde fazer isso. Não podemos congregar somente para fechar a boca dos outros. Graça e Paz!

  16. Wagner calixto 12 de novembro de 2019 at 7:35 #

    Acredito que a igreja e o passo inicial para a caminhada com Cristo.mais aquele que entende a palavra a segue . A vez convertido,nunca mais se consegue voltar ao mundo.a primeira coisa que deus faz é sem duvida mecher no caráter do cristão.deus deixou a bíblia como manual da vida,e a igreja apenas te fez aprender a ler esse manual,após vc aprender sua responsabilidade e repassar a aqueles que querem aprender, e não ficar enchendo a igreja com dinheiro.chegara um dia que as paredes das igrejas irão cair,e aqueles que não aprenderam a encontra deus na sua casa ou em meio ao seus,esses ficaram desorientados. Hj as igrejas em sua grande maioria virou um club da Luluzinha,onde existe um corporativismo que a placa da igreja e defendida,e não o evangelho.e sempre a mesma ladainha,louvou,dízimo e por último a palavra.se colocam a palavra por último a e a frente o dinheiro isso mostra que se inverter essa ordem,a igreja se esvazia,pois somos seres passionais na sua grande MAIORIA,e todo aquele que está passando por dificuldade ao ouvir um hino se faz a amolecer o coração,e por isso seguem essa linha amolecem o coração e aí cobram falam sobre ajudar , dar,doar pois o sentimento de culpa te faz tão frágil naquele momento,que vc dá tudo que tem para esses desgraçados que se dizem pastores. Enquanto vc anda de carro velho,os pastores tem carros e motos do ano,vivem. Casas luxuosas,e usam todos os meios para manter esse padrão usando sua culpa para se beneficiar.siga as palavras ditas na Bíblia,amém uns aos outros ,de de comer a quem tem fome,e de beber a quem tem sede. Seja uma pessoa boa e Deus irá te manter firme e forte,e dará a vc sabedoria para lidar com as frustrações do mundo e saber que para evoluir assim como uma árvore ,temos que ser podados,pois sem a poda não a frutos

  17. Jurandir 12 de novembro de 2019 at 10:39 #

    O JUSTO,viverá pela fé”
    Hebreus 10: 38.
    Salmos 37: 25. Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o JUSTO, nem a sua semente a mendigar o pão.
    Mateus 6: 33.
    “mas buscai PRIMEIRO LUGAR o reino de Deus,e a sua JUSTICA,e todas estas coisas vos serão acrescentadas”.
    Obs : Só os justos alcançam o reino de Deus,( os céus)e o poder da justiça de Deus.
    Obs: Pela ordem ser justo é o principal objetivo para ter o poder de fé,e agradar a Deus.
    Muitos dizem que tem fé,mas dão testemunho de milagre mentirosos(mentirunhos),são trapaceiros,invejosos,etc.
    Eles constróem palco onde o povo não se cansa de ouvir:
    “tenha fé,nunca desista!”
    “musiquinhas com lamúrias”e sermões de blá blá,blasfemia.
    Muitos querem que o povo dê falso testemunhos ou seja conte falsos milagres,pra não investirem em plano de saude para os fiéis carentes,e idosos.
    Quando eles dão alguma
    cesta basica ao povo,quem compra ou paga as cestas básicas é o próprio povo,ou eles associam ao imposto de renda que é uma outra forma do povo pagar a conta,pelo aumento da inflação,pela quebra dos governos,o povo fica sem emprego,sem saúde,
    escola,e sem aposentadoria. Se a crise mundial piorar,eles poderão fugir pra o exterior onde está depositada grande parte das ofertas do povo.
    Eles não querem que o povo perca a fé neles,e passe
    a valorizar mais a sua pátria.
    Eles alegam que não são ricos,
    pois não mostram o extrato de seus patrimônios,aos fiéis.
    Muitos usam até psicologos pra usar palavras pra mudar o que as pessoas pensam. Muitos”psicos”usam antigas frases,teses,e crônicas com juízos de valores,(Demodé),pra criar uma “caverna de Platão,
    na mente do povo”,pra que o povo fique preso a eles.
    O charlatanismo,a exploração ilegal da fé,não são justas,nem são da fé. “Abre a tua boca,
    julga retamente e faz justiça
    aos pobres e necessitados”.
    Prov 31 : 9. Prov 21: 25,26. Ezeq 22: 29. Mat 6: 33.”Ficar só em palavras leva à pobreza”. Prov 14: 23

  18. Ev. Paulo Medina 2 de dezembro de 2019 at 16:50 #

    Denominar servos de Deus que andam fora da visão da liderança ministerial ou denominacional como desigrejados está plenamente fora da vontade de Deus. A primeira atitude da liderança denominacional que deve ser praticada é; Orar, buscar um senço comum dentro da palavra da verdade, visitar a ovelha, se pôr no lugar dela e tentar entender o que a fez se afastar, ou seja, VISITA-LA, desta forma aparece com grande transparência o verdadeiro amor dos seguidores de Cristo Jesus nosso Salvador. O cnpj denominacional por acaso é o R.G do corpo de Cristo ?
    em alguma oportunidade foi descrito na Bíblia sobre placas denominacionais e/ou cnpj ? Hoje existem vários grupos chamados desigrejados que se ajuntam para adorar a Deus, se colocam em oração, ajudam o próximo e o necessitado, evangelizam, comungam do partir do pão como se descreve em Atos cap. 2 tudo isto quebrando as petições financeiras de tantos eventos e projetos e coisas mais, que vão além das forças fisicas dos membros onde os líderes religiosos acabam arrancando até a lã de suas próprias ovelhas.

    Os chamados desigrejados enxergam que é muito fácil para os lideres religiosos falar pregar e querer convencer os servos de Deus sobre fé, a forma deles ganhafem a vida vem de dizimos e ofertas, com templos cheios de pessoas, acaba sendo muito facil para eles querer pregar sobre fé, eles não ficam sem empregos, eles nao precisam acordar e correr atras batendo de porta em.porta atras de uma nova oportunidade.

    Os evangélicos deveriam se juntar em suas congregaçoes e determinarem na maioria que os chamados homens de Deus, lideres religiosos vão procurar trabalho e deixar de ser um peso a igreja, o Ap. Paulo trabalhava, a igreja até pode de comum acordo permitir uma ajuda de custo, desta forma veremos os lideres que sobrarão na ativa trabalhando na obra de Deus simplwsmente por amor as vidas, visitando e ensinando…

  19. Ev. Paulo Medina 3 de dezembro de 2019 at 10:43 #

    Após meu comentário ontem, chamar crentes que não fazem parte de uma denominação com razão social e pastores que vivem do suor do trabalho de outros de desigrejados não tem base bíblica, se for assim, a igreja prumitiva não era igreja, pois não possuia o que os muitos lideres religiosos querem, fama, poder e um salário para viver como diz a giria nacional, de boa…

    Desperta igreja, ovelhas sem lã passam frio, quem ler que entenda.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Desigrejismo – “anomalia” ou opção? | Blog da Ultimato - 13 de novembro de 2018

    […] » Entre dores e amores: comunhão na comunidade » Um recado aos desigrejados » Estudo bíblico “Desigrejismo – crentes caindo fora da igreja” » Livro “Dê Outra Chance à […]

  2. Conteúdo extra para você – Mais na internet #Ult374 – Blog da Ultimato - 11 de fevereiro de 2019

    […] Estudo bíblico “Desigrejismo – crentes caindo fora da igreja” […]

  3. Lição 5 A mordomia da Igreja Local Francisco Barbosa – Crescendo em Cristo - 3 de agosto de 2019

    […] sem igreja e, por isso, abandonam a igreja e tentam viver a fé cristã sozinhos” (Leia mais em: ULTIMATO). A adoração coletiva na congregação é uma parte vital da vida espiritual. Essa é uma […]

Deixe um comentário