Conversa ou fofoca?

CONVERSA OU FOFOCA?

 

Texto básico Efésios 4.25-29

Texto devocional Mateus 12.33-37

Versículo-chave Provérbios 16.24
“Palavras agradáveis são como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo”

Alvo da lição
Ao estudar esta lição, você terá condições de entender sobre o poder da língua e fazer bom uso das palavras.

Leia a Bíblia diariamente
seg
Sl 40.1-5
ter Mt 15.17-19
qua Mc 7.20-23
qui Mt 12.33-37
sex Tg 3.1-12
sáb Ef 4.25-5.2
dom Pv 15.1,7, 12-14,23,28-30

 

Introdução

Estamos diante de um assunto tão comum entre nós, evangélicos, mas, ao mesmo tempo, tão negligenciado em nossas escolas bíblicas. Sendo assim, pensemos sobre os perigos e males que uma conversa maldosa pode causar ao povo de Deus e ao testemunho da igreja do Senhor Jesus no mundo.

Algumas pessoas já escreveram sobre o poder do mau uso da palavra (língua). Por exemplo:

“A língua só tem 8 centímetros de comprimento, mas consegue matar um homem de dois metros de altura.” (Provérbio Japonês)

“Cuidado para que sua língua não corte o seu próprio pescoço.” (Provérbio Árabe)

Vamos ver o que a Bíblia diz sobre o mau uso da língua? “A morte e a vida estão no poder da língua”, “na boca dos perversos mora a violência” (Pv 18.21; 10.11).

Crie o seu próprio provérbio sobre o poder do mau uso da palavra, usando o espaço abaixo:

 

Vamos ver alguns males causados pelo poder da palavra quando a usamos com a intenção de prejudicar ou dene­grir a imagem de alguém.

I. A língua pode afastar as pessoas

Tomemos muito cuidado com o que pensamos, pois a nossa vida é diri­gida pelos pensamentos verbalizados. É incrível a diferença que uma simples palavra ou ação faz em nossa vida. Com pouco esforço podemos aliviar o fardo daqueles que estão carregando o peso do mundo ou torná-lo ainda mais pesado.

Vejamos alguns motivos que têm levado as pessoas a se afastar umas das outras.

1. O mau uso das palavras
Boa parte dos problemas de rela­cionamentos que surgem dentro das nossas igrejas (e fora dela também) tem origem na falta de cuidado com o que falamos. Somos muito rápidos em abrir nossa boca e acabamos negligenciando a sabedoria que existe em refletir antes de falar (Pv 18.21; 19.2).

Aplicação
Você pode pensar em palavras que já disse que machucaram profundamente alguém? Você se lembra de alguma vez em que uma simples palavra de encorajamento provo­cou a cura de feridas profundas? Lembre­-se do que Tiago fala sobre o poder da língua para destruir ou sarar (Tg 3.9-12).

2. O mau efeito das palavras 
As palavras têm o poder de criar situações, de modificar ambientes, de alegrar, de entristecer, de aproximar ou afastar as pessoas. Podem significar a valorização de alguém ou a sua completa desmoralização (Zc 8.16-17; Ef 4.29).

aplicação
“Nossas palavras tęm poder incrível para dar vida ou morte. Podem ser placas sina­lizando o caminho para a vida eterna, ou podem encaminhar pessoas direto para o inferno” (David J. Merkh – Tesouros Escondidos).

3. O mau controle das palavras 
“Se deixarmos as palavras saírem sem qualquer tipo de controle, pode­remos nos arrepender logo depois; uma vez faladas, as palavras percorrem os seus próprios caminhos, saem do nosso controle e produzem efeitos para os quais não estamos preparados” (David J. Merkh). Leia Mateus 5.22; Marcos 7.20-23.

aplicação
Tenha cuidado com que você diz, pois as suas palavras podem estar distanciando os irmãos uns dos outros. “Palavras agra­dáveis săo como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo” (Pv 16.24).

II. A língua pode dificultar a reaproximação das pessoas

Algo muito comum dentro das nossas igrejas são comentários a res­peito de atitudes que outros irmãos tomaram ou de algo que porventura ouviram e não souberam guardar para si. Essa prática é tradicionalmente chamada de fofoca.
Podemos relacionar alguns fatores promovidos pela fofoca que dificultam a reaproximação das pessoas.

1. Provoca discórdia entre os irmãos
Paulo, em 1Timóteo 5.11 e 13, condenou a atitude das viúvas novas que, pelas suas leviandades e vida ocio­sa, saíam de casa em casa falando o que não deviam, provocando a discórdia entre os irmãos. Não se está criticando as mulheres da igreja! Nem Paulo (apli­cando a mensagem para nossos dias). Ele estava tão somente advertindo a Timóteo que tomasse cuidado com al­gumas viúvas que não estavam aprovei­tando com sabedoria o tempo ocioso.

aplicação
Procure encorajar, pelo menos, uma pessoa hoje com palavras sinceras de graça. “O ensino do sábio é fonte de vida, para que se evitem os laços da morte” (Pv 13.14).

2. Provoca desconfiança entre os irmãos 
Fofoca nada mais é do que relatar algum fato que vimos ou ouvimos de terceiros que pode trazer constrangi­mentos. Ela é capaz de causar grandes estragos no meio em que vivemos, tanto para quem se utiliza dessa prática (per­dendo a confiança dos irmãos) como para a pessoa referida.

aplicação
Cuidado com o fofoqueiro: o dano que ele causa é incalculável (Pv 11.13; 20.19).  A mensagem é clara: evite pessoas que fofo­cam! Somente um tolo se cerca de pessoas que se divertem com os problemas dos ou­tros. Cuidado! Você pode ser a sobremesa!

3. Provoca mágoa no coração dos irmãos 
Quantos irmãos vivem magoados por causa de comentários maldosos! Paulo exorta que toda amargura seja retirada de nosso coração (Ef 4.31). Pedro, de igual modo, exorta ao arre­pendimento quando estamos cheios de amargura (At 8.22-23).

O último “pecado abominável” de uma lista de sete em Provérbios 6.16-19 é “o que semeia contendas entre irmãos”. A fofoca é uma das principais causas de contendas. Mais dois versículos seme­lhantes em Provérbios advertem contra a atração fatal da fofoca (Pv 18.8; 26.22).

aplicação 
Podemos evitar esse mal através de conversas saudáveis e edificantes (1Pe 3.10), através do cultivo de uma vida espiritual autêntica (1Pe 3.11-12) e da con­sagração e santificação dos nossos lábios (1Pe 3.15-17).

Conclusão

 1. “Ora, a língua é fogo…” (Tg 3.6)
Jesus, em Seu sermão do monte, falando a respeito da língua, disse que o culto de adoração deve ser interrom­pido se você estiver diante do altar e lembrar-se de que insultou, falou mal ou menosprezou um irmão. Você deve deixar a oferta perante o altar e ir primeiro reconciliar-se com seu irmão, depois ofertar (Mt 5.22-24). É por isso que temos que tomar muito cuidado com a fofoca, pois a língua é fogo; é um mundo de iniquidade; ela contamina o corpo inteiro, e não só põe em chamas toda a carreira da existência humana, como também é posta ela mesma em chamas pelo inferno (Tg 3.6).

2. Orgão favorito do Diabo
A língua é o órgão favorito do diabo para destruir uma pessoa, uma família, a igreja. Se não atentarmos para esta verdade, podemos cair, e feio! Temos que depender da graça de Deus e não da nossa força. Ou poderemos causar a desgraça de um irmão com o mau uso da nossa língua.

3. Controlar a língua
Você está disposto a controlar a língua pelo bem do corpo de Cristo? Qualquer coisa de valor tem preço alto. O autor da epístola aos Hebreus fala sobre o sacrifício que podemos oferecer por meio de Jesus: “sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome”. E ainda o Salmo 19.14. “As pala­vras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença”.

Uma oração:
“Pai, que minhas palavras atraiam pessoas para Ti; ajuda-me a ser mais sensível às necessidades daqueles ao meu redor; mostra-me como usar a minha língua para encorajar, nunca para desanimar. Pai, ajuda-me a achar força em Ti quando sou atingido por palavras afiadas. Pai, a minha voz agora toma para o teu louvor cantar; toma os lábios meus fazendo-os a mensagem proclamar. Amém.”

Autor da lição: Pr. Vanderli Alves Neto
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “Tudo Entregarei”. Usado com permissão.

Print Friendly, PDF & Email

18 Comentários para “Conversa ou fofoca?”

  1. Ana Lucia 17 de setembro de 2014 at 12:11 #

    Foi de grande utilidade esse estudo, todos devemos ter muito cuidado por achar muitas vezes que não e fofoca aquilo que esta sendo já a raiz dela.

  2. vania 17 de janeiro de 2015 at 10:19 #

    Muito importante esse estudo, por que eu ja sabia que a fofoca é do diabo e busco sempre me policiar, mas convivo com pessoas fofoqueiras dentro e fora de casa.

  3. Mauricea 18 de janeiro de 2015 at 23:35 #

    Muito bom estudo biblico! Muito edificou minha alma, aprendi bastante e procurarei colocar muitas dessas lições a luz da biblia em pratica. Abraços!
    Que Deus continue a te usar pastor!

  4. lelia moura de o. dias 14 de março de 2015 at 1:29 #

    maravilhoso este estudo, foi de muita valia para a minha vida espiritual, espero que muitas pessoas tenha conhecimento deste estudo para melhorar a sua vida espiritual. Que o Senhor abençoe vc pastor e realize todos os seus desejos .

  5. Ivone Boechat 7 de agosto de 2015 at 8:55 #

    O fofoqueiro

    Ivone Boechat

    O fofoqueiro é um tecelão juramentado in delivery à procura de meias verdades ou mentiras escancaradas que possa sair anunciando por aí pra derrubar alguém. Fofoqueiro que se preze mesmo não gosta de ver nenhuma vítima de pé, fazendo sucesso.
    O fofoqueiro é invejoso, mas tem outros antipredicados bem mais inexpressivos no currículo. Para cumprir a meta diária de fofoca, ele é capaz de fazer o sacrifício de parecer bonzinho. E há quem acredite e se dispõe a fazer um pacto de paz, até a decepção dar-lhe uma rasteira.
    O fofoqueiro não tem pressa: fofoca hoje, fofoca amanhã, ele sabe que o importante é não perder a oportunidade. Assim sequestra a vítima com as redes da dúvida e a faz refém do disse me disse.
    O fofoqueiro tem duas grandes vantagens a seu favor: a vítima não tem defesa porque ele se esconde e rói as cordas pelas costas, na penumbra. O fofoqueiro finge-se simpático, por isso é bem aceito por um bom tempo.
    O fofoqueiro se faz de vítima, de ingênuo, vive travestido de coitado e consegue enganar porque é persistente: Água mole em pedra dura…
    O fofoqueiro vive de plantão à procura das brechas e ninguém, como ele, sabe aproveitar as oportunidades para desestabilizar a vítima; é mascarado, logo, pode passar despercebido por algum tempo no meio das pessoas corretas.
    O fofoqueiro não suporta as palavras união, paz, harmonia. Se pudesse riscaria do dicionário dos outros, porque no dele não existem. Ele não tem luz própria e usa óculos escuros da maldade para se proteger do brilho dos outros…
    Toda família tem o fofoqueiro que merece. É nela que ele engorda e tem prestígio; alguns são promovidos a conselheiros; outros recebem o troféu da confiabilidade: conseguem enganar até que a verdade e a justiça cheguem de mãos dadas e acabem com a farra.

    “Há alguns cujas palavras são como pontas de espada”…Pv 12:18

    (Extraído de Poesias e Mensagens de Ivone Boechat)

    • Fernanda Maria 6 de junho de 2017 at 11:45 #

      Prezada Ivone Boechat, parabenizo-a pelas sábias palavras e oportuno esclarecimento acerca do tema “fofoca”. Posso comprová-las, pois alguém com essa descrição passou pela minha vida.
      No entanto, nós, cristãos, que aceitamos Jesus Cristo como nosso Único Senhor e Salvador, não devemos temer, pois Ele é maior, Ele é justo, Ele é verdade. Ele é a nossa fortaleza. Ele nos protege.
      Sugiro e compartilho que leiam / orem os Salmos 27 e 64.
      Forte e fraterno abraço aos irmãos.
      Que a graça e a paz de Jesus sejam com vcs.

    • Simone 29 de novembro de 2018 at 7:56 #

      Nossa! Como estou sofrendo tem 3 anos que uma pessoa me difama, me calunia. Este texto representa ela em tudo.
      Mas eu creio que a verdade vai vir a tona e todos saberão quem é ela.
      É tudo por inveja!

  6. maria rosa olimpip silva 24 de setembro de 2015 at 1:46 #

    E triste se sentir alvo de conversa de pessoas que nso tem o que fazer a nao ser galar da vida alheia e pior ainda e quando a fofoqueira e uma pessoa muito querida ou alquem wue vc ja ajudou muito.

  7. Ivone Boechat 30 de outubro de 2015 at 18:22 #

    SOS- misericórdia para as crianças

    Ivone Boechat

    A sociedade vive sobressaltada, de cabelo em pé, com o resultado do seu próprio estilo de vida. É muito barulho pra todo lado. Aí, a própria família, essa que reclama tanto do incômodo, basta alguém comemorar o aniversário e o barulho é o primeiro convidado a chegar. Nas festas de casamento então, o barulho chega de fraque e cartola. Os convidados, coitados, que imaginavam rever amigos e botar o assunto em dia, nem pensar. Ninguém consegue falar, só se gritar para saber, pelo menos, como o outro vai. Aliás, na primeira chance as pessoas vão saindo, estressadas e frustradas. É para economizar o consumo? É chic? É moda? É claro que um fundo musical na festa é maravilhoso! Mas, por que tanto volume? E não adianta pedir para baixar o som, o profissional contratado, o dj, tem poder; manda na festa e você pode morrer fuzilado com uma guitarra apontada para o seu ouvido que ninguém socorre ninguém.

    Por onde anda a educação?

    As crianças não escapam dessa maluquice de botar o som em último volume nas comemorações, pasmem, a partir de um ano de vida! Mas reparem como os pimpolhos homenageados se comportam na festa: desesperados, choram, querem tirar a roupa, os sapatos, os penduricalhos do cabelo, e geralmente os avós ou algum voluntário bom samaritano sai com a vítima aos farrapos, para dar uma volta lá fora, onde o aniversariante acaba dormindo, aliviado, longe dessa zoeira horrorosa! É um caos! Enquanto isso, uma nuvem de sofredores de tenra idade se esforçam para ficar na festa, anestesiados pela esperança de ganhar os brindes. Ufa! Que sacrifício! A maioria chega a casa e haja mecanismos para baixar a overdose de adrenalina.

    A Escola não pode de maneira nenhuma se omitir na educação sobre o uso inteligente do som.

    Os profissionais têm também que baixar o volume dos equipamentos utilizados nas aulas. É um horror! Os professores devem reduzir o volume da voz. Por que gritar tanto assim? Numa conversa normal, com pessoas educadas falando, o decibelímetro marca 30, 35 decibeis! Imagina o incomodo de quem é obrigado a participar de uma aula com 60 decibéis ou mais dos professores que só gritam? O resultado é este que se registra: de cada cinco crianças, nas três primeiras séries do ensino fundamental, somente uma é capaz de ler e entender uma frase escrita! É só porque o professor grita? Não! Claro que não, mas que a gritaria interfere, ah! Interfere, sim.

    “O excesso de ruído causa na massa cinzenta um estímulo desnecessário, que a deixa acelerada, sem motivo. Ficamos em alerta, como se estivéssemos em perigo”, explica Fernando Pimentel de Souza, neurofisiologista da Universidade Federal de Minas Gerais. Isso significa produção em excesso de cortisol, o hormônio do estresse, em picos indiferente”.
    .
    Excesso de som altera a química cerebral: barulho excessivo das indústrias, canteiros de obras, meios de transporte, áreas de recreação, recreio da escola, festas, reuniões, etc. estratosféricos, no organismo. “É uma estratégia de defesa, que o próprio cérebro, agredido, articula”, justifica o psicólogo Esdras Vasconcellos, da Universidade de São Paulo. Faz sentido, por se tratar de uma reação que prepara o corpo para se proteger de um possível problema”.

    “O ouvido é o único sentido que jamais descansa, sequer durante o sono. Com isso, os ruídos urbanos são motivos a que, durante o sono, o cérebro não descanse como as leis da natureza exigem. Desta forma, o problema dos ruídos excessivos não é apenas de gostar ou não, é, nos dias que correm, uma questão de saúde, a que o Direito não pode ficar “A Escola localizada no centro nervoso das cidades tem o ensino prejudicado. Pesquisadores da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, ao avaliar os efeitos do som do trânsito diurno em alunos do 7º ano, chegaram à conclusão que alunos que estudam em escolas localizadas em áreas de tráfego intenso tiveram pior resultado nos testes de leitura – uma defasagem de sete meses – em relação às turmas de instituições situadas em áreas mais silenciosas”.

    Então, mãos à obra: família, escola, igrejas, amigos, todo mundo; baixem o volume do som! Use-o, com inteligência!

  8. Sheila de Castro 10 de março de 2016 at 1:58 #

    nossa maravilhosos esse estudo espero que verdadeiramente eu venha conseguir seguir este estudo,pois sou uma pessoas que preciso ser libertada disso Deus me ajude obrigada pastor.é nessas horas que aprendemos que se usamos com sabedoria a internet ela trara edificaçao.

  9. Flávia laide rreis 26 de outubro de 2016 at 18:33 #

    Oi gostaria de saber se é certo quando alguém fala mal da gente nos ir saber o pq e perguntar pq n gosta de mim?

    • Marco Antônio Clemente 13 de novembro de 2016 at 12:33 #

      Sim, vc deve ir conversar com essa pessoa. A Bíblia diz: “Se teu irmão pecar contra você, vai conversar com ele (Lucas 17.3). Porém vá com muita cautela, para não ser você o causador do escândalo.

  10. Marco Antônio Clemente 13 de novembro de 2016 at 12:28 #

    Sou Pastor Luterano. Achei super ótimo o estudo. Estudarei com meu grupo.

  11. Marcio 8 de outubro de 2018 at 5:56 #

    Nossa!!! Bom dia! Deus sabe o que faz! Estava à procura de algo que me fosse relevante para uma postagem, ache uma lição, uma coisa que eu precisava ler. Obrigado DEUS por colocar estas palavras em minha vista, que eu possa usá-las com sabedoria e méritos para ajudar outras pessoas. Amém amém e amém Senhor.

  12. joao btista da silva 19 de novembro de 2018 at 20:11 #

    muito bom este estudo ate apliquei aqui na igreja pois sou pastor da assembleia pão da vida aqui em parnamirim rn, obrigado

  13. MOISES DE ALMEIDA VIEIRA MARIA DE LURDES VIEIRA 23 de novembro de 2018 at 13:49 #

    pra mim foi de suma importância esse estudo aprendi muito com ela pois em minha igreja esta havendo muitas contendas entre irmãos começando pela liderança e Deus tem me mostrado isso não em sonho ou visão mas na realidade mesmo,cada dia eu aprendo mais com os estudos da palavra pois ela nos edificam muito.

  14. Reinaldo 30 de Maio de 2019 at 23:52 #

    Cheguei a uma simples conclusão ambiente de igreja não é para mim deixo hoje esposa e filho lá e vou embora evito muitos problemas

  15. Armando Muniz 1 de novembro de 2019 at 12:41 #

    Concordo com todo o contexto

Deixe um comentário