A centralidade da cruz de Cristo

A CENTRALIDADE DA CRUZ DE CRISTO

 

 

Texto básico:  Gálatas 6.14

Texto devocional:  Colossenses 1.13-23

Versículo-chave:  Gálatas 6.14
“Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo”

 

Alvo da lição:
Ao estudar esta lição, você terá condições de reconhecer a cruz como o ponto central da vida cristã.

 

Leia a Bíblia diariamente
Seg  Jo 6.22-40
Ter  At 4.8-12
Qua  1Co 1.18-25
Qui  Ap 1.9-18
Sex  Ap 5.1-14
Sáb  1Pe 2.21-25
Dom  Gl 6.11-17

 

INTRODUÇÃO

No dia 11 de setembro de 2001, dois aviões foram lançados contra as duas torres gêmeas em Nova Iorque. Terroristas chamaram a atenção do mundo para presenciar, minutos depois, uma das maiores tragédias da história.

Os olhos do mundo se voltaram para essa tragédia e suas consequências, mas, na verdade, deveriam estar voltados para a cruz de Cristo, a maior marca de nossa fé.

I. O sinal e o símbolo da cruz

Diversas religiões e ideologias possuem um símbolo que as identifica.

O islamismo usa uma meia-lua.

O judaísmo moderno, a estrela de davi.

O marxismo, o martelo e a foice.

O cristianismo também adotou um símbolo para identificá-lo: a cruz.

A história da igreja informa que houve algumas tentativas antes de os cristãos elegerem a cruz como sua referência. Uma bem conhecida é a figura de um peixe, por esconder nesta marca as iniciais, em grego, do nome Jesus Cristo.

Nos primeiros anos da história da igreja, a cruz era algo extremamente repugnante por ser o instrumento utilizado pelos romanos para executar escravos e estrangeiros. Já os judeus julgavam estar sob a maldição de Deus todos os que fossem pendurados em madeiros (Dt 21.23).

Paulo observou como o incrédulo de seu tempo abominava a mensagem da cruz (1Co 1.18). Houve alguém que desenhou um homem com cabeça de burro, crucificado, a fim de ridicularizar a fé evangélica.

Entretanto, mesmo com riscos e afrontas que os cristãos sofriam pelo símbolo da cruz, essa figura foi adotada por ser o centro da mensagem por eles anunciada.

Durante um grande período, os cristãos também faziam o sinal da cruz com a mão para identificar-se e lembrar uns aos outros constantemente da sua fé. Hoje, a igreja evangélica deixou de praticar esse ritual, em razão de muitos hereges usarem essa prática como superstição.

Aplicação
Visto que o justo viverá pela fé, a melhor maneira que temos para conservar o símbolo que nos identifica é uma lembrança permanente do sofrimento do Senhor na cruz e da vida que temos a partir dela.

II. A perspectiva de Jesus

Quando Jesus, ao iniciar Seu ministério em Caná da Galileia, afirmou a Maria que ainda não era chegada a Sua hora ( Jo 2.4), deixou claro que sempre teve consciência da natureza de Sua morte.

Lucas descreveu a clareza que Jesus tinha a respeito do que as Escrituras expu­nham a Seu respeito (Lc 24.27). Jesus reconhecia que Nele se cumpriria a palavra de Isaías, de que seria contado como um malfeitor (Lc 22.37), para que todo o que Nele cresse tivesse a vida eterna ( Jo 3.14-15). Sabia que os religiosos buscavam a Sua morte, assim como tinham buscado a dos profetas (Lc 4.28-29).

Diversas vezes, durante o Seu ministério, Jesus fez menção ao Seu sofrimento (Mc 9.31; 8.21,32 e Lc 18.31-32), expressando que faria o ato redentor em obediência ao Pai ( Jo 6.38), mas também de Sua própria vontade ( Jo 10.17-18).

Fazendo uma leitura cuidadosa dos evangelhos, veremos a clareza que Jesus tinha da Sua missão.

Aplicação

Busco saber a vontade de Deus e obedecer-Lhe, assim como Jesus o fez.

 

III. A ênfase dos apóstolos

Nada nas mensagens pregadas e nos escritos dos apóstolos é tão enfatizado como o sacrifício do Senhor na cruz.

Para eles, como podemos ver em 1Coríntios 15.3, na cruz se cumprem os propósitos divinos. Entendiam que os sofrimentos presentes eram uma maneira de compartilhar do cálice do Senhor (1Pe 4.12), e que na cruz estava a Sua glória (Gl 6.14) em confronto com a vergonha que conservava o incrédulo (1Co 1.18). Em sua doutrina, viam claramente que a maldição de Deus estava plenamente satisfeita no Calvário (Gl 3.13).

Até mesmo o apóstolo João, em sua majestosa visão do Apocalipse, identificou o glorioso Senhor como Aquele que foi morto (Ap 1.18). Mais adiante, reconheceu o Cordeiro que foi morto, O qual possui autoridade para abrir os selos (Ap 5.5).

Assim, nem mesmo a ressurreição que foi algo tão motivador, predominou na mensagem apostólica. Os apóstolos entenderam que a vitória sobre a morte só ocorreu por causa do sacrifício de Jesus na cruz.

Aplicação

Estudo os ensinos dos apóstolos vendo na cruz o ponto central para minha vida e vendo as bênçãos que ela me oferece?

 IV. A persistência da igreja apesar da oposição

A verdadeira igreja tem preservado, no decorrer dos anos de sua história, a fide­lidade à genuína fé, mesmo em momentos, tanto do passado como do presente, em que é preciso comprová-la com a oferta da própria vida.

Logo após a ressurreição de Cristo, já havia, como registram os evangelhos, aqueles que buscaram corromper a realidade da vitória do Senhor sobre a morte. E a partir dali, esta tem sido uma luta permanente de muitos contra a fé.

Conclusão

Hoje, um dos desafios ao crente está em preservar a fé cristã diante de um mun­do pós-moderno que se manifesta com a penetração de uma falsa mensagem cristã.

Esta leva seus adeptos a acreditar na prosperidade, quando afirma que a cura de um dente cariado deve ser evidenciada, não com a cura da dor, mas com a presença do ouro; que o pecado nem sempre é culpa do desejo do homem caído, mas de uma entidade maligna, que deve ser rejeitada para alcançar o conforto. Enfim, verifica-se, em diversas tendências que se apresentam como cristãs, o esfriamento da fé, priori­zando o conforto e o prazer.

Através da história da igreja, verificamos que a verdadeira mensagem da cruz é demonstrada somente por aqueles que têm sua fé fundamentada na Bíblia.

Aplicação

A vida exige que o homem defina prioridades. Qual a posição que a cruz ocupa em minha vida?

 

Autor da Lição: Pr. Jessé Ferreira Bispo
>> Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “A Cruz de Cristo”, da série Adultos. Usado com permissão.

 

Print Friendly, PDF & Email

9 Comentários para “A centralidade da cruz de Cristo”

  1. neiva gonçalves teixeira 23 de maio de 2015 at 23:27 #

    Tenho uma Cruz na varanda, e outra na cabeceira da minha cama,,pois a Cruz é o simbolo da nossa redenção,aos pés da santa cruz tenho a minha intimidade com Deus ..

  2. Geraldo Magela de Almeida 7 de junho de 2015 at 14:27 #

    Certo cantor escreveu numa de suas canções:”A cruz é o começo da nossa vitória.O Apóstolo Paulo escreveu: Se Cristo não morresse e não ressurgisse dentre os mortos, vã seria a nossa fé”.Oh bendita cruz, oh precioso sangue nela por mim derramado, que me purifica de todo pecado trazendo-me a graça de ser salvo e perdoado.

  3. Rafael 8 de fevereiro de 2016 at 21:32 #

    A cruz pra mim segnifica acredita que Deus venceu por mim a cruz e um símbolo marcante como a morte de Cristo por remissão de pecado e libertação do povo que sem saber já era condenado a morte ;mais creio em Deus e levo minha cruz no peito como marca que Cristo me fez um vencedor !

  4. Francisco Farias 13 de fevereiro de 2016 at 11:51 #

    Meu querido irmão,
    Apreciei seus estudos, muito edificante, continue
    sempre assim dedicado nesse ministério do ensino, pois é muito ardiloso
    porém muito gratificante pelo SENHOR DOS EXÉRCITOS.

  5. Edimilsom belchior 30 de abril de 2016 at 15:01 #

    sim eu amo a mensagem da cruz, vou leva la ate por uma coroa trocar!!!

  6. Edmilson Lemos 17 de junho de 2016 at 13:43 #

    ótimo estudo, nos mostra que melhor de que ternos a cruz de Cristo em evidência em nossa vida como um adorno; devemos se lembra da grande importância que ela é para todo o cristão é a nossa redimensão com o Pai.
    a Cruz ela nos traz uma grande mudança em nossa vida do homem carnal pecador para um novo ser que odeia o pecado e luta contra a carme para viver espiritual como Cristo que nos chama. Paz de CRISTO O NOSSO SENHOR.

  7. ZENILSON GOMES DA SILVA 14 de setembro de 2016 at 14:15 #

    Zenilson gomes da silva de Salvador Bahia 14 / 09 / 2016
    Eu vivo por cristo em cristo e com cristo, e tenho certeza disso, pôs sou casado a 19 anos, e amo muito o casamento. e quem nunca pensou em descasar! ou chutar o pau da barraca! mas, o sentido deste que estamos falando, é a cruz do senhor, onde ele expressa toda a sua indignação e toda a sua misericórdia e amor por nós
    que não o entendemos. O que ele pretende nos dar, desde o inicio quando era só um. VIDA PLENA mas precisamos de enfrentar as dificuldade e saber transformar os erros e acertos como em pentecoste. ( CRUZ É O TRABALHO! JESUS É O PAGAMENTO.) e quem não quer receber o salário após um mês de trabalho?

  8. Márcio nascimento 11 de fevereiro de 2019 at 22:05 #

    Muito bom e aprazível esse estudo da Bíblia sagrada gostei conteúdo que nos afirma cada dia refletir na cruz

  9. Francisco da Silva Almeida 1 de setembro de 2019 at 15:22 #

    A mensagem que está desaparecendo do púlpito é preciso resgatá- la.

Deixe um comentário para Edimilsom belchior