Livro da semana | Práticas Devocionais

As práticas devocionais são exercícios de sobrevivência e de plenitude espiritual, demandam trabalho, esforço e tempo. Assim como as plantas que vivem mais de um ano no deserto do Saara são obrigadas a ter raízes muito compridas para colher a umidade nas profundezas do subsolo, o crente precisa se adaptar até descobrir e explorar os veios cheios de água viva para se manter vivo e vigoroso.

Prática da leitura da Bíblia

A prática da leitura da Palavra de Deus é a arte de procurar o Senhor nas páginas das Sagradas Escrituras até achar, de enxergar toda a riqueza que está por trás da mera letra, de ouvir a voz de Deus, de relacionar texto com texto e de sugar todo o leite contido na Palavra revelada e escrita, tanto nas passagens mais claras como nas passagens aparentemente menos atraentes, mediante uma leitura responsável e o auxílio do Espírito Santo.

A Bíblia é a Palavra de Deus. Isso quer dizer muita coisa. Significa que ela encerra a auto-revelação de Deus e expressa toda a sua vontade em matéria de fé e conduta. Significa ainda que você não está desesperadamente em estado de absoluta desinformação quanto a Deus, quanto à vida e quanto à eternidade. Você tem em sua própria língua um livro que revela todo o programa de Deus, uma espécie de enciclopédia que fornece toda sorte de informação teológica necessária, um manual de avaliação que mostra a diferença entre o certo e o errado.

Além de inspirada por Deus, toda Escritura é extremamente útil (2 Tm 3.16). Ela fornece alimento para o espírito: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4.4, citando Dt 8.3). Ela gera conhecimento, fé, convicção e esperança. Ela promove comunhão com Deus e comunhão com os homens. Ela produz conforto em meio a lágrimas e angústias. Ela repreende e corrige, “a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2 Tm 3.17). Ela serve de ponto de apoio em situações adversas: “Sob a tua palavra lançarei as redes” (Lc 5.5). Ela exerce influência poderosa nas tomadas de decisão. Ela cria uma mentalidade religiosa. Ela se acomoda nos porões do subconsciente e forma uma bagagem de valor inestimável, que aflora naturalmente nos momentos mais necessários.

 

Ingestão

Contudo, para que esse enorme volume de riqueza se torne seu, é necessário “comer” a Palavra de Deus, à semelhança de Ezequiel, que encheu as suas entranhas do rolo de um livro (Ez 2.8-3.3). Basta comer. O resto é com Deus. A ingestão da Sagrada Escritura depende de você. Trata-se de um exercício voluntário, consciente e pessoal. Faz-se isso por meio da leitura cuidadosa e regular da Palavra. O Senhor diz: “Abre bem a tua boca, e ta encherei” (Sl 81.10). Você precisa aprender a arte de “abrir a boca” para meter a Palavra de Deus dentro do espírito.

Digestão

Diferente da ingestão, a digestão é a assimilação da Sagrada Escritura em seu interior. O processo é inconsciente, automático e irreversível. Uma vez ingerida, a Palavra que sai da boca de Deus é como a chuva e a neve que descem dos céus “e para lá não tornam, sem que primeiro reguem a terra e a fecundem e a façam brotar, para dar semente ao semeador e pão ao que come”. A Palavra de Deus não volta para ele vazia, mas fará o que lhe apraz, e prosperará naquilo para que ele a designou (Is 55.10-11). Você não pode perder a noção nem a certeza de que “a Palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração” (Hb 4.12). Em outras palavras, uma vez corretamente lida, a Escritura Sagrada provoca uma revolução dentro de você, desce aos lugares mais profundos, mexe em tudo. Essas coisas acontecem por causa do valor intrínseco da Palavra e por causa da operação do Espírito Santo.

Leituras diferentes

Existem a leitura acadêmica (em busca do conhecimento para aumentar o cabedal da cultura); a leitura apologética (em busca de argumentos para defender um ponto de vista), a leitura homilética (em busca do sermão para pregar no domingo); a leitura supersticiosa (em busca de “recadinhos” da parte de Deus para resolver algum problema pessoal) e a leitura devocional (em busca do próprio Deus para saciar a sede interior). A leitura devocional é única e não pode ser comparada nem substituída pelas demais.

Metodologia

Para ser altamente proveitosa, a prática da leitura da Palavra de Deus depende da qualidade do empreendimento, que se consegue depois das seguintes providências:

  1. Ler. Percorra com a vista o que está escrito, proferindo ou não as palavras. Tome conhecimento do texto: “Buscai no livro do Senhor e lede” (Is 34.16). O rei de Israel deveria escrever um tratado da lei do Senhor para ler todos os dias da sua vida (Dt 17.18-20).
  2. Meditar. Meditar é mais do que ler. Examine o texto lido. Reflita sobre ele. Gaste algum tempo para ficar por dentro da mensagem que o texto encerra. Veja a disposição do salmista: “Os meus olhos antecipam-se às vigílias noturnas, para que eu medite nas tuas palavras” (Sl 119.148). Só neste salmo, o verbo meditar aparece seis vezes. Aquele que medita na lei do Senhor de dia e de noite “é como árvore plantada junto a corrente de águas” (Sl 1.3).
  3. Memorizar . Meta na cabeça o que você leu e meditou. Entregue-o à memória, retenha-o, não o deixe escapar. Decore, se não as palavras, pelo menos a mensagem do texto lido. Guarde-a na despensa interior. Veja o propósito do salmista: “Induzo o coração a guardar os teus decretos, para sempre, até ao fim” (Sl 119.112). Para precaver-se do pecado, o jovem deve conservar dentro de si os mandamentos de Deus e escrevê-los na tábua de seu coração (Pv 7.1-3).
  4. Inculcar. Enfie bem para dentro a Palavra de Deus. Coloque-a nas entranhas, “no mais íntimo do teu coração” (Pv 4.21). Torne-a propriedade pessoal. Provoque uma impregnação da Sagrada Escritura em todo o seu ser. Era isto que Israel tinha de fazer com as crianças: “Estas palavras que, hoje, te ordeno […] tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te e ao levantar-te” (Dt 6.6-9).
  5. Conferir. Compare texto com texto. Não só para descobrir o sentido exato da passagem lida, mas também para enriquecer o seu conhecimento de toda a Escritura, consultando outras passagens paralelas. Por exemplo, digamos que você esteja lendo a Epístola de Paulo a Tito e encontre a frase: “Estas coisas são excelentes e proveitosas” (Tt 3.8). A partir daí você pode descobrir várias coisas excelentes ao correr da Bíblia: o mais excelente nome (Hb 1.4), o mais excelente sacrifício (Hb 11.4), o mais excelente óleo (Am 6.6), o mais excelente caminho (1 Co 12.31), a excelência do episcopado (1 Tm 3.1), o espírito excelente de Daniel (Dn 5.12) e a menção a Rúben, “o mais excelente em altivez e o mais excelente em poder”, contudo “impetuoso como a água” (Gn 49.3-4). Ora, esse esforço é altamente compensador. Esclarece, edifica, enriquece e lhe dá uma visão global das Escrituras.
  6. Lembrar. Aprenda a fazer uso prático do que foi guardado na memória e nas entranhas. Retire do computador o que já foi digitado, retire do banco o que já foi depositado, retire da despensa o que já foi armazenado, e sirva-se à vontade. Você nunca vai ficar na mão, sem assistência, sem tratamento, sem pão. É só lembrar e aplicar. É nesse sentido que Jesus disse: “Lembrai-vos da mulher de Ló” (Lc 17.32). Fez muito bem a Pedro lembrar-se de que Jesus lhe dissera: “Hoje três vezes me negarás, antes de cantar o galo” (Lc 22.61).

Sugestões

Por causa do temperamento, do estilo pessoal de ler e de estudar e da disponibilidade de tempo, cada um deve descobrir e adotar a maneira própria mais indicada de ler a Bíblia. Os métodos alheios servem apenas de exemplos. Todavia, considere mais estas sugestões:

  1. Reserve a hora mais propícia do dia para ler a Bíblia. Isso varia muito de pessoa para pessoa. Seja exigente nesse sentido e evite a hora menos propícia.
  2. A preocupação maior deve ser com a qualidade da leitura, e não com a quantidade. Você não precisa ler a Bíblia durante o ano, mas precisa ler a Bíblia com proveito o ano inteiro.
  3. Procure ler toda a Bíblia – não necessariamente de Gênesis a Apocalipse. Leia grupos de livros: os livros poéticos, as Cartas de Paulo, os Profetas Menores, o Pentateuco, os quatro Evangelhos, os livros históricos e assim por diante. Para seu controle pessoal, marque a data do início e a do final da leitura de cada livro.
  4. Sublinhe o que você achar mais interessante. Faça pequenas notas às margens ou em um bloco à parte. Por uma questão de ordem, é bom numerá-las. Uma numeração para cada livro lido. O esforço de escrever as notas torna a leitura e a meditação mais sérias e ajuda a memorizar as lições aprendidas.
  5. Use a Concordância Bíblica da Sociedade Bíblica do Brasil, baseada na Edição Revista e Atualizada no Brasil da Tradução de João Ferreira de Almeida, para conferir escritura com escritura.
  6. Havendo tempo, quando necessário, consulte outras versões em português (ou outras línguas) e a paráfrase A Bíblia Viva (BV), para entender melhor o texto e fugir da rotina de uma mesma tradução a vida inteira. Além da tradução de Almeida (Edição Revista e Atualizada – RA), a mais usada, você pode recorrer às antigas traduções de Figueiredo (BF) e Tradução Brasileira (TB) e às mais recentes, Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH) e Nova Versão Internacional (NVI). Entre as traduções católicas, destacam-se: A Bíblia de Jerusalém (BJ), Bíblia do Peregrino (BP), Tradução Ecumênica da Bíblica (TEB) e Tradução da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
  7. Só consulte as notas de rodapé, comentários e dicionários bíblicos depois do esforço próprio de entender o texto. Evite a preguiça mental.
  8. Peça sempre o auxílio do Espírito Santo para entender as Escrituras e se beneficiar delas, seja por meio de uma pequena oração ou por meio de uma atitude de dependência e humildade. É o Espírito quem levanta o véu e deixa você ver a riqueza toda que está por trás da mera letra.

Apego à Palavra de Deus

O salmo 119 é o maior capítulo da Bíblia. Está localizado no livro mais lido da Bíblia e quase na metade exata da Bíblia. Começa com a descrição da felicidade daqueles que vivem conforme a lei do Senhor e termina com a súplica da ovelha perdida que não conseguiu esquecer-se dos mandamentos de Deus e quer retornar ao aprisco. É um poema em forma de acróstico com 22 estrofes, uma para cada letra do alfabeto hebraico, do álef ao tav. Cada estrofe tem oito versos, que começam pela mesma letra. Em cada estrofe encontram-se a palavra lei e pelo menos cinco ou sete sinônimos: estatutos, juízos, mandamentos, ordenanças, palavras, preceitos e testemunhos.

É possível fazer um inventário das demonstrações do apego à Palavra de Deus da parte do autor do salmo 119 com 55 itens. O Salmo dos Salmos mostra que a Palavra de Deus é leite para acabar com a fome, é alimento para fazer crescer, é lenha para atear o fogo do entusiasmo, é combustível para pôr em movimento os bons propósitos do coração.

Adquira gosto pela leitura das Escrituras. Faça uma leitura mais prazerosa do que obrigatória. Acompanhe o salmista no seu apego à Palavra de Deus: “Apego-me aos teus testemunhos, ó Senhor” (v. 31); “Como anseio pelos teus preceitos” (v. 40); “Tenho prazer nos teus mandamentos” (v. 47); “Na tua Palavra coloquei minha esperança” (v. 74) e “Eu amo os teus mandamentos mais do que o ouro, mais do que o ouro puro” (v. 127).

Exercícios de reflexão

  1. Em qual grupo você está: entre os que não lêem a Bíblia, entre os que a lêem mal ou entre os que a lêem com proveito? Se for o caso, transfira-se corajosamente do primeiro ou do segundo para o terceiro grupo.
  2. Sua leitura da Bíblia tem sido puramente acadêmica, apologética, homilética ou supersticiosa? Por que não fazer também e sobretudo uma leitura devocional?
  3. Na verdade, o que é melhor para você e para o reino de Deus, a leitura qualitativa ou a leitura quantitativa da Palavra de Deus?
  4. O prazer de ler a Bíblia pode aumentar? Pode chegar a ponto de você declarar ao Senhor: “Amo os teus mandamentos mais do que o ouro, mais do que o ouro refinado” (Sl 119.127)?
Texto originalmente publicado no livro Práticas Devocionais, da Editora Ultimato.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *