Sobre desestrutura e encontros; cuidado e amor   Por Priscila Vieira*   Exaustão. Maravilhamento. Espanto. Amor. Ternura. Fome. Medo. Preocupação. Dor… Algumas sensações que me tomaram nos primeiros dias com a bebê. A minha sensibilidade à flor da pele gerou até piada. As profissionais de saúde que visitam as mães e os recém-nascidos[1] são […]

Continue lendo →

A gravidez causou em mim um impacto reflexivo inesperado. Iniciei uma jornada sem volta em reflexões profundas sobre a condição de mulher. Até aquele momento era atenta às questões de gênero, mas afinal não me sentia assim tão diferente dos homens, especialmente nas metas profissionais. A eminência da maternidade levou-me a pesquisar sobre ‘mães na […]

Continue lendo →

“Sons que se dissipam” e sons que chegam; um ônibus, uma praça; uma presença e uma leitura. Coisas que primeiro me chegaram em emoção e, depois, me fizeram pensar. Dignidade se revela no instante, e no anônimo. O instante. Semana passada, tentando recolocar o corpo na rotina, fui correr. A praça estava convidativa, uma pista […]

Continue lendo →

  A colorida composição do cabeçalho do blog e as imagens ao lado foram realizadas com gravuras que ganharam formas e cores, provavelmente, durante os anos de 1958/ 1959. As imagens ilustravam a história chamada “De onde me virá o Socorro?”, produzida em conjunto pela desenhista, Phyllis Reily, e por Lydia Santos, que escreveu o […]

Continue lendo →