Blog

A razão pela qual não vejo sentido bíblico na hierarquia de gêneros

Uma reflexão sobre as relações conjugais na igreja

 

Morgan Guyton*

(Tradução: Mozart Archilla)

 

Minha esposa e eu decidimos ousar no nosso casamento: enquanto um de nós pregava, o outro lavava os seus pés, invertendo as posições na metade do sermão. O texto que pregamos foi a passagem controversa de Efésios 5:22-23, que diz, “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor”. O nosso sermão veio à minha mente ao ler críticas ao livro “Real Marriage” (Casamento de Verdade), do mega-pastor Mark Driscoll, que aparentemente expande e reforça sua concepção de uma inferioridade feminina divinamente determinada. Eu não vou falar sobre um livro o qual não tive tempo de ler, mas pensei em compartilhar um pouco do que minha esposa e eu pregamos, como uma contribuição à recente discussão blogosférica sobre o casamento.

 

Efésios 5 compara o relacionamento entre marido e mulher com o relacionamento entre Cristo e a igreja. Em particular, Paulo escreve que o papel de Cristo é “purificar” a igreja (5:26), o que é na realidade um dos mais importantes (e submissivos) atos que Jesus pratica para com seus discípulos em João 13, ordenando-lhes a fazer o mesmo com outras pessoas (v. 15). Então, quando eu e Cheryl pregamos, nós conectamos as duas passagens, focando na maneira em que Pedro tentou impedir que Jesus lavasse seus pés.

 

O protesto de Pedro traz à luz um paradoxo sobre o ato de lavar os pés. É uma situação aonde não se sabe quem detém o poder, pois é tão humilhante lavar a parte mais suja de uma pessoa quanto ser lavado por outra pessoa. Somente crianças e adultos física ou mentalmente incapacitados precisam que outros os limpem. Lavar os pés de alguém é um ato submisso e paternalístico ao mesmo tempo. Pedro não ficou simplesmente escandalizado pela expressão de auto-insignificância de Jesus; ele também não quis ser emasculado ao ser o beneficiário da atitude de subserviência de Jesus.

 


O que eu disse no sermão do meu casamento é que eu não posso assumir o papel de Jesus durante toda a nossa união, sem cometer este pecado de Pedro. Para evitar o pecado, eu preciso deixar minha esposa ser Jesus para que eu possa ser a igreja. Às vezes preciso lavar os pés dela e às vezes preciso deixá-la lavar meus pés. Às vezes preciso ser pastor e às vezes ela precisa ministrar. Em Marcos 10:42-45, Jesus deu aos seus discípulos o paradigma bíblico básico para o entendimento da liderança servil:

 

“Sabeis que os que julgam ser príncipes das gentes delas se assenhoreiam, e os seus grandes usam de autoridade sobre elas; mas entre vós não será assim; antes, qualquer que, entre vós, quiser ser grande será vosso serviçal. E qualquer que, dentre vós, quiser ser o primeiro será servo de todos. Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos.”

 

Um líder cristão deve ser “servo de todos”. O único fato que entra em conflito com isso é que devemos, também, ser “servos de Jesus Cristo” (Romanos 1:1, entre outros). Eu não posso fazer tudo o que os outros me ordenam, porque meu senhor é Cristo, mas eu existo para servir outros. Meu objetivo, na minha igreja, é empoderar cada membro para que ministrem e façam o trabalho do reino. A única distinção entre eu, como pastor, e eles, como pregadores, é que o meu chamado é investi-los de capacidade e equipá-los para que vivam os seus chamados. Não existe razão para que eles se submetam a mim. Eles devem se submeter a Cristo, assim como eu, e devem ouvir as minhas pregações ou me ignorar completamente de acordo com o quanto eu lhes ajudo para que façam isso. Então se seus pastores dizem que vocês devem se submeter a eles, respondam dizendo que eles estão se comportando como príncipes das gentes! Eles devem se submeter a Cristo, e a vocês.

 


Meu trabalho como pastor é me rebaixar perante à minha congregação para que eles possam fazer o trabalho de Deus, assim como meu trabalho como marido é me submeter à minha esposa, incentivando e empoderando-a para que ela faça o trabalho que Deus conclama ela a fazer. Não significa que o dever dela como minha esposa é diferente, mas mesmo se eu fosse a “cabeça” espiritual na minha casa, não existiria hierarquia se eu exercesse minha liderança como Cristo. A única coisa sobre a qual sou autoritário com minha esposa é que eu não lhe permito que desista do seu chamado. Houve momentos nos quais equilibrar a maternidade e o seminário foi muito difícil, mas eu não a deixava desistir, porque sei que ela tem dons pastorais que eu não tenho. Tem sido difícil deixá-la em casa nos últimos anos, mas ela ama ser mãe e ela tem um magnífico ministério na nossa igreja, mesmo sem ter um título.

 


Então eu não consigo entender como a verdadeira liderança servil cristã pode existir no tipo de lar “complementarista” que Mark Driscoll e outros pastores reformados ensinam os homens a estabelecer (eu odeio o termo “complementarista”, aliás, porque é um eufemismo desonesto: chame simplesmente de “hierárquico”). Quando minha esposa e eu temos que tomar decisões, discutimos às vezes, mas chegamos sempre em um consenso geral ou então não decidimos nada e revisitamos a discussão posteriormente. Nunca houve um ponto aonde um de nós disse, “eu decidi isso pela gente e ponto final”.
Não é isso o que “complementaristas” acham que um marido deve dizer? O que farão se suas esposas discordarem? Bater nelas? O poder dos “príncipes das gentes” que Jesus falava em Marcos 10:42 era, no final das contas, derivado da ameaça ou prática de violência física. Líderes servis que imitam a Jesus não deverão jamais impor sua vontade pela força. O poder de Jesus é derivado de sua completa submissão a quem discordava dEle, ao ponto de deixar ser crucificado quando Ele dispunha de todos os recursos do Criador do universo à Sua disposição. Se a maneira que Jesus amava sua igreja é o modelo para como devo amar a minha esposa, então não vejo razão para que exista hierarquia de gênero em meu lar.

 

Traduzido de: Why Gender Hierarchy Makes No Biblical Sense to Me

___________________________________________________________________________________________________________________
*Morgan Guyton é o autor de Como Jesus Salva o Mundo de Nós: 12 Antídotos contra um Cristianismo Tóxico (disponível, em inglês, aqui: How Jesus Saves the World from Us: 12 Antidotes to Toxic Christianity ). Seu blog, Mercy Not Sacrifice (Misericórdia Não Sacrifício) é hospedado pelo Patheos. Ele e sua esposa Cheryl são co-diretores da NOLA Wesley, um ministério da Reconciling United Methodist no campus das Universidades de Tulane e Loyola, em Nova Orleans.

________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Senhor, livrai-nos de querer ser VIP

 

Alexandre Brasil*

 

A gênese do que se entende por Direitos Humanos é identificada por alguns autores como fruto do dissenso; das desigualdades que a sociedade europeia experimentava de forma cada vez mais evidente a partir dos séculos 16 e 17.

Foto de See-ming Lee. Disponível em: https://www.flickr.com/photos/seeminglee/8358545238

Downton Abbey. Foto de See-ming Lee. Disponível em: https://www.flickr.com/photos/seeminglee/8358545238

Essas sociedades se conformaram a partir de uma lógica da diferença, onde os que nasciam em “berço de ouro”, tinham direitos à nobreza e aos outros restavam o serviço e a obediência. São essas situações que vão conformando a sociedade ocidental moderna e que foram dando caldo e condições para a Revolução Industrial graças a criação do chamado exército industrial de reserva, que vimos em nossas aulas na educação básica.

Um exemplo desse diálogo entre conceitos de igualdade que conformaram os direitos humanos e a certeza da diferença, pode ser visto na série britânica de TV Downton Abbey. Ali são retratados o cotidiano de uma família aristocrata e seus criados e os trânsitos possíveis afetivos e sociais que o início do século 20 permitia, diante da afirmação de um Estado de Bem-Estar Social, e após os avanços construídos a partir da Revolução Francesa. As oposições e percepções, tanto dos velhos nobres e criados, como dos novos, juntamente com as tensões daqueles que buscavam manter as tradições são o combustível narrativo desta série.

A busca pela distinção, por ser VIP (Very Important Person e que, em alguns casos, o “P” pode ser lido como Pastor), parece ser algo presente no DNA da humanidade. A tese de doutorado do sociólogo Pierre Bourdieu dedica-se exatamente a explorar e discutir essa presença na sociedade por distinção, de como a diferença é socialmente construída e de que forma, efetivamente, as pessoas ocupam posições, num sentido também geográfico, o que se dá pela reunião de seu capital social e por suas diferentes escolhas e opções. Essas ocorrem diante de um campo de possibilidades e acabam por conformar essas posições em que um dos focos é efetivar a singularidade de cada um. Ser diferente, ser especial.

Parece que essa é uma das buscas centrais do ser humano. Ser VIP, ser especial, ser tratado com distinção. Na vida cotidiana são vários os exemplos desse desejo, desde os carros grandes e possantes que poderiam passar por cima de outros até as pessoas com seus muitos compromissos que esperam atendimento bancário exclusivo ou que sabem que não precisarão enfrentar filas nos aviões graças aos seus programas de milhas. Programas que também as salvam das “classes econômicas” e as colocam em seu devido lugar de “primeira classe”. Isso sem falar das diferenças salarias e do fato de que alguns realmente acreditam que umas pessoas “valem” mais do que outras e que por isso o Brasil amarga a triste realidade de diferenças salarias gigantescas. Isso sem também entrarmos nas diferenças salariais “explicadas” pelo gênero, a qual inexplicavelmente ainda é muito presente na atualidade.

 

cinema-1293881_960_720bmw-1145611_960_720

 

 

 

 

 

 

 

E ainda tem gente que acha que o Marx é ultrapassado ou que não tinha razão e mais ainda, que afirmou coisas que seriam mera propaganda ideológica… esquecem de que “luta de classes” é um conceito produzido por uma área do conhecimento, a qual – igualzinho às outras áreas, sejam elas “duras” ou “moles” – sofre e expressa as limitações e as singularidades da vida humana. Daquilo que não deu conta, outros autores e autoras deram, parte do conhecimento que vai se acumulando e abrindo novas perspectivas. Quando alguém deixar de viajar em um avião porque foi um engenheiro ateu que planejou aquele modelo, vou começar a pensar em considerar as críticas contra as “ateias” ciências sociais.

A Bíblia é recheada de exemplos dessa busca de diferenciação. O desejo de ser especial e diferente está na decisão de Adão e Eva, queriam “ser igual à Deus”, mas também o encontramos no fratricídio de Caim ou na construção da Torre de Babel. Dando um salto, vemos novamente este desejo como um dos argumentos centrais de Satanás ao tentar Jesus no deserto e questioná-lo com uma variação do bem brasileiro “você sabe com quem está falando?!”. No caso, as formulações iniciais de Satanás foram sutis e começaram instigando uma pergunta que diariamente todos ouvimos “Se você é…”.

“Se você é VIP” não precisa pegar uma fila; “Se você é especial” pode furar uma fila… parece que, de fato, acreditamos que somos. Vendo que esta estratégia sútil não estava dando êxito, Satanás parte, então, para o explícito e oferece os resultados desta distinção, o fato de você ser diferente, ser melhor do que os outros pode te dar acesso a “tudo isto”: dinheiro, sexo e poder. E, de fato, é isso o que importa. Ser diferente para receber tratamento diferenciado!vip-1428267_960_720

A lógica dos Direitos Humanos é negar essa tentação do “Se você é…” ao afirmar a equidade dos seres humanos. É defender que TODOS e TODAS tenham acesso a tudo o que precisam para existir, se desenvolver e contribuir. É a defesa de que terra, casa, trabalho, educação, saúde e liberdade sejam uma realidade no cotidiano de cada pessoa. As opções e caminhos sociais, políticos, econômicos etc. para se garantir esses direitos são outra história e não estão postos e é na busca deles que as sociedades subsistem.

Antes da questão da dignidade humana, forte contribuição que tem no cristianismo importante referência, temos no exemplo do Deus encarnado uma contundente afirmação de que as desigualdades e as diferenças não fazem parte de seu plano para a sociedade. As orientações para a sociedade judaica, o convite à inclusão de viúvas, órfãos, deficientes são a marca de um Evangelho que se caracteriza pelo amor e pela inclusão.

O texto bíblico em Filipenses 2 é contundente em defender uma postura de negação desse desejo de “ser” que paira sobre as nossas cabeças, apresentando o didático e emblemático exemplo de Cristo “que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se”. O convite de Paulo é para que os seguidores de Cristo assumam essa mesma atitude de “esvaziar-se a si mesmo”, de colocar-se numa posição de servo. O convite aqui passa por negar a tentação de ser VIP, por negar a crença de que “somos especiais”.

O que é isso? Isso é uma boa contribuição que o pensamento cristão ofereceu aos Direitos Humanos, a convicção de que mesmo o Deus encarnando não se colocou como superior ou especial, de que o Deus encarnado não exigiu tratamento VIP e que esse Deus encarnado convida aos seus seguidores a “humildemente considerarem os outros superiores a si mesmos”. Os efeitos dessa postura são tremendos e, felizmente, a história da humanidade é recheada de exemplos de homens e mulheres que seguiram este convite e que fizeram história ao viverem para construir não uma sociedade desigual, mas sim uma sociedade de serviço e fraternidade.

Que este convite seja constante em nosso dia-a-dia e que incluamos em nossas orações um singelo pedido: “Senhor, livrai-nos de querer ser VIP”.

____________________________________________________________________________________________________________
282984_10151841150415232_452553456_n

*Alexandre Brasil é Sociólogo, doutor em sociologia (USP), com pós-doutorado pela Universidade de Barcelona (Espanha), e professor da UFRJ. Foi Secretário Geral Adjunto da Aliança Bíblica Universitária do Brasil (ABUB) e fundador da Rede FALE. Casado com Daniela e pai de Daniel.

______________________________________________________________________________________________________

 

Leia também:

Direito do Consumidor – uma questão de Dignidade

Dignidade – Convite ao Diálogo

E o Oscar não foi para…