“Sons que se dissipam” e sons que chegam; um ônibus, uma praça; uma presença e uma leitura. Coisas que primeiro me chegaram em emoção e, depois, me fizeram pensar. Dignidade se revela no instante, e no anônimo. O instante. Semana passada, tentando recolocar o corpo na rotina, fui correr. A praça estava convidativa, uma pista […]

Continue lendo →