A história da tribulação de um homem

sexta-feira
sexta-feira

Minha própria experiência é mais ou menos a seguinte: estou progredindo, ao longo da estrada da vida, em minha típica e conformada condição pecaminosa e decaída, absorvido por um encontro agradável com meus amigos marcado para amanhã ou por um pouco de trabalho que estimula a minha vaidade hoje, ou por um feriado, ou por um novo livro, quando, de repente, dores abdominais apontam para uma doença séria, ou uma notícia nos jornais que ameaça o mundo de destruição arruína todas essas opções. Em princípio, fico espantado e todas as minhas pequenas alegrias se vão como brinquedos quebrados. Depois, lentamente e com relutância, tento pouco a pouco colocar- -me naquele estado mental em que deveria permanecer o tempo todo. Então, eu me lembro de que não era para todos aqueles brinquedos se apossarem do meu coração; que meu bem real está em outro mundo e que meu único e verdadeiro tesouro é Cristo. E quem sabe assim, pela graça de Deus, por um dia ou dois, eu tenha sucesso em me tornar uma criatura conscientemente dependente de Deus, capaz de extrair força das fontes certas. Porém, assim que a ameaça é retirada, toda a minha natureza se volta para os brinquedos: fico até mesmo ansioso, Deus que me perdoe, por banir de minha mente a única coisa que me sustentou durante a ameaça, porque ela agora está associada à miséria daqueles poucos dias. Portanto, a necessidade de sofrimento está muito clara. Deus me possuiu por apenas quarenta e oito horas e somente para tirar tudo o mais do meu alcance. Foi só Deus guardar a sua espada por um momento, que eu me comportei como um filhote depois da odiosa hora do banho — sacudindo-me ao máximo a fim de me secar e correndo de volta para minha sujeira confortável, se não para monte de estrume mais próximo, pelo menos para o canteiro mais próximo. E essa é a razão por que as tribulações não podem parar até que Deus nos veja recompostos ou veja que não há esperanças para nossa recomposição. 

>> Retirado de Um Ano com C. S. Lewis, Editora Ultimato.

Print Friendly, PDF & Email

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário