Compartilhar

terça-feira
terça-feira

Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum [koinonia]. (Atos 2.44)

Havia naquela época, poucos quilômetros a leste de Jerusalém, uma comunidade de essênios em Qumran. Seus líderes compartilhavam a posse comum das propriedades e os membros iniciantes desta comunidade monástica deveriam entregar todos os seus bens.

Certamente Jesus chama alguns para uma vida de pobreza total e voluntária, como o jovem rico, São Francisco de Assis e seus seguidores, Madre Teresa e suas irmãs, talvez para testemunharem que a vida humana não está baseada na abundância de bens. Contudo, esse chamado não é para todos os seguidores de Jesus. A proibição à propriedade privada é uma doutrina marxista, não cristã. Além disso, mesmo em Jerusalém a venda e a doação de bens eram voluntárias, pois lemos no versículo 46 que eles “partiam o pão em suas casas”. Em suas casas? Mas então eles não venderam suas casas? Parece que não. Vejamos o caso de Ananias e Safira, registrado em Atos 5. Eles não pecaram por terem retido parte do dinheiro obtido com a venda de sua propriedade, mas por terem fingido que estavam entregando tudo. O pecado deles não foi a ganância, mas a fraude. O apóstolo Pedro disse claramente a Ananias: “Ela não lhe pertencia? E, depois de vendida, o dinheiro não estava em seu poder?” (At 5.4). Em outras palavras, todo cristão deve tomar uma decisão consciente diante de Deus sobre como usar suas propriedades.

No entanto, não devemos evitar o desafio levantado por esta passagem. Os cristãos da igreja primitiva amavam uns aos outros, o que não é surpresa, uma vez que o primeiro fruto do Espírito é o amor. Eles demonstravam um cuidado especial para com os irmãos e irmãs mais pobres, a ponto de compartilhar com eles seus bens. Esse compartilhar voluntário é, certamente, um princípio cristão permanente. Aqueles que desfrutam de abundância devem simplificar seu estilo de vida, não por imaginar que isso irá resolver os grandes problemas econômicos do mundo, mas por solidariedade aos pobres.

A igreja cheia do Espírito, portanto, é uma igreja generosa. A generosidade sempre foi uma característica do povo de Deus. Nosso Deus é um Deus generoso; assim também deve ser o seu povo.

Para saber mais: Atos 5.1-11 

>> Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato.

Print Friendly, PDF & Email

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário