Nunca ouvi falar de C.S. Lewis e muito menos li seus livros. Que obras dele você recomenda, que já foram traduzidas para o português e quais estão disponíveis?

Bem, se não sabe muita coisa sobre o autor, sugiro uma pesquisa rápida no wikipédia, no wapedia, na enciclopédia encarta e outras enciclopédias internacionais. Apesar de termos ainda poucas obras traduzidas, nossa sorte é que os seus grandes clássicos apologéticos, Cristianismo Puro e SimplesSurpreendido pela Alegria (1), e os dois grandes clássicos de ficção, As Crônicas de Nárnia e Cartas de um Diabo a seu Aprendiz, possuem versões atualíssimas para o português.Mas é claro que quem começou a provar do estilo lewisiano de escrever, e aprender a apreciá-lo, não quererá parar por aí. e sua autobiografia
Temos assim:

* Cristianismo Puro e Simples (Martins Fontes) ou Mero Cristianismo (Quadrante) ou outras edições anteriores (das editoras A.B.U. e a Betânia, por exemplo).
* Milagres (Ed. Vida);
* Os Quatro Amores (Martins Fontes);
* Cartas de um Diabo a seu Aprendiz (Martins Fontes/Vozes) ou Cartas do Coisa-Ruim (Loyola);
* Crônicas de Nárnia (vários tipos de edições, inclusive versões especiais para crianças menores pela Martins Fontes);
* A Abolição do Homem (Martins Fontes);
* Surpreendido pela Alegria (Mundo Cristão);
* O Peso da Glória (Vida Nova);
* O Grande Abismo (Ed. Vida);
* O Problema do Sofrimento (Ed. Vida);
* Cartas de uma Senhora Americana (Ed. Vida)

Os seguintes livros estão esgotados, mas já ouvi “um passarinho dizer” que está na fila para publicação pela Martins Fontes (incl. com o terceiro da série espacial That Hideous Strength – Essa Força Medonha, ainda inédito em português do Brasil):

* Longe do Planeta Silencioso (Betânia);
* Perelandra (Betânia)

Recomendo ainda as seguintes obras sobre C. S. Lewis

* C.S. Lewis – O Mais Relutante dos Convertidos (Ed. Vida) de David Downing
* A Antropologia Filosófica de C. S. Lewis (Ed. Mackenzie) de Gabriele Greggersen;
* A Magia das Crônicas de Nárnia I (GW Editora) de Gabriele Greggersen
* O Evangelho de Nárnia (Vida Nova) de Gabriele Greggersen (org) et all
* Pedagogia cristã na obra de CS Lewis (Ed. Vida) de Gabriele Greggersen;
* Um Ano com C. S. Lewis – Leituras diárias de suas obras clássicas (trad. Gabriele Greggersen – Ed. Ultimato)
* C.S. Lewis e Freud debatem Deus, amor, sexo e o sentido da vida (trad. Gabriele Greggersen – Ed. Ultimato) de Armand Nicholi
* Manual Prático de Nárnia (ed. Novo Século) de Colin Duriez,
* O Imaginário em As Crônicas de Nárnia (ed. Mundo Cristão) de Glauco Magalhães Filho.
* A biblioteca de C.S.Lewis de James Stuart Bell, Anthony Palmer Dawson (Mundo Cristão).
* A Alma de O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa(Ed, Habacuc) de Gene Veith
* Lições das Crônicas de Nárnia (ed. Abba Press) de Glauco B. Magalhães Filho.
* O Dom da Amizade: Tolkien e C.S. Lewis (Martins Fontes) de Colin Duriez.

Há ainda muitas bibliografias completas em inglês, com resenha das obras em inglês pode ser encontrada em:
http://cslewis.drzeus.net/books/

Recomendo ainda o site http://www.mundonarnia.com/livrossobreolivro.php para novidades e compras pela net.

Nota
(1) Você deve ter estranhado eu ter classificado sua autobiografia como obra apologética. Bem, na verdade, todas as biografias e auto-biografias de pessoas cristãs ou convertidas a qualquer outra religião acabam assumindo um caráter apologético, no sentido de defesa daquela religião, pela força do exemplo. Mas não se trata necessariamente, como podemos ver em Surpreendido pela Alegria, de nenhuma apologética impositiva ou manipuladora ou “proselitista” no sentido pejorativo…

Participe de nossos cursos on-line ou agende uma palestra em sua região. Confira alguns dos temas:

Conhecendo C.S. Lewis
A Sabedoria de G.K. Chesterton
Cartas de Screwtape a seu Aprendiz

Oração: cartas a Malcolm de C. S. Lewis é uma abordagem franca e honesta sobre a oração. Publicação póstuma, ainda assim permaneceu na lista dos mais vendidos por muito tempo.

Oração: cartas a Malcolm é um livro belamente concretizado e profundamente emocionante que trata dos temores e das fraquezas do homem.

Em forma de cartas afetuosas e descontraídas a um amigo muito chegado, C. S. Lewis medita em várias questões relativas ao diálogo íntimo entre homem e Deus. Pondera sobre aspectos práticos e metafóricos da oração. Indaga sobre nossa real necessidade de falar com Deus e sobre a forma ideal de oração. Busca saber qual dos nossos muitos eus mostramos a Deus enquanto oramos. E muito mais. A carta final contém pensamentos instigantes sobre “cristãos liberais”, alma e ressurreição.

C. S. LEWIS (1898-1963) foi um dos gigantes entre os intelectuais do século XX, tornou-se um dos mais influentes escritores cristãos e ganhou renome internacional por um conjunto impressionante de obras. Foi professor de Literatura Inglesa na Universidade de Oxford e de Inglês Medieval e Renascentista na Universidade de Cambridge. Sua literatura continua atraindo milhares de novos leitores anualmente, como o provam os grandes sucessos As crônicas de Nárnia e Cristianismo puro e simples.

Entre suas obras mais conhecidas, destacam-se A anatomia de uma dor, Cartas a uma senhora americana, Milagres, O grande abismo, O problema do sofrimento e O peso de glória; sobre o autor: O mais relutante dos convertidos (biografia) e Pedagogia cristã na obra de C. S. Lewis; todas publicadas por Editora Vida.

Clive Staples Lewis (29/11/1898 – 22/11/1963), mais conhecido como C. S. Lewis, nasceu em Belfast, na atual Irlanda do Norte, mas residiu grande parte de sua vida na Inglaterra. Triplamente condecorado “Primeiro” em Oxford, foi instrutor no Magdalen College de 1925-1954. Em 1954, tornou-se Professor de Literatura Medieval e Renascentista em Cambridge. Foi um palestrante de renome que exerceu influência profunda e duradoura em seus alunos.

Durante muitos anos, C. S. Lewis foi ateu e descreveu sua conversão, dada em 1931, como uma experiência que o ajudou a entender não somente a apatia mas também a relutância ativa de aceitar a religião. Como autor cristão, era dotado de uma mente excepcionalmente lógica e brilhante e um estilo vivo e lúcido. O problema do sofrimento, Cartas de um diabo a seu aprendiz e Cristianismo puro e simples são apenas alguns de seus best-sellers. Sua contribuição em gêneros variados — crítica literária, literatura infantil, ficção e teologia — trouxeram-lhe notoriedade e prestígio.

Mais de 200 milhões de cópias já foram vendidos de seus livros, os quais foram traduzidos para mais de 30 idiomas.

(1) Essa foi a última obra de Lewis escrita em vida, publicada postumamente.

Fonte: Editora Vida

http://www.editoravida.com.br/loja/product_info.php?products_id=719&osCsid=560e1e81c66a4a3ac7155638e15e0f08

Publicado em St James Magazine (St James’s Church, Birkdale, Southport, Dezembro de 1945), e reproduzido em Undeceptions (1971) e Christian Reunion (1990).Tradução de Djair Dias Filho (setembro/2008)

“Sim”, disse meu amigo. “Eu não vejo por que não deveria haver livros no Céu. Mas você descobrirá que sua biblioteca no Céu contém somente alguns dos livros que você teve na Terra”. “Quais?”, perguntei. “Aqueles que você deu ou emprestou”. “Espero que os emprestados não estejam com todas as sujas marcas de dedo de quem os pegou emprestado”, disse eu. “Ah, terão, sim”, disse ele. “Mas como as feridas dos mártires terão se transformado em adornos, assim você descobrirá que as marcas de dedo terão se transformado em belas iluminadas letras maiúsculas ou em primorosas gravuras à margem”.

“Os anjos”, disse ele, “não têm sentidos; a experiência deles é puramente intelectual e espiritual. É por isso que conhecemos algo sobre Deus que eles não conhecem. Existem aspectos particulares de Seu amor e alegria que podem ser comunicados a um ser criado somente pela experiência sensória. Algo de Deus que os serafins jamais entenderão direito flui até nós do azul do céu, do gosto do mel, do delicioso envolver da água, seja fria ou quente, e mesmo do próprio dormir”.

“Você sempre me é um peso”, disse eu ao meu Corpo. “Um peso para você“, replicou meu Corpo. “Bem, gostei dessa. Quem me ensinou a gostar de tabaco e álcool? Você, é claro, com sua estúpida idéia juvenil de ser ‘grandinho’. Meu paladar odiou a ambos, em princípio: mas você prefere fazer sua vontade. Quem pôs um fim a todos aqueles pensamentos irados e vingativos, ontem à noite? Eu, é claro, ao insistir que fosse dormir. Quem dá o seu melhor para deixá-lo longe de falar muito e comer muito, deixando-lhe seca a garganta, dando-lhe dores de cabeça e indigestão? Hein?” “E com respeito ao sexo?”, disse eu. “Sim, o que tem ele?”, revidou o Corpo. “Se você e sua desgraçada imaginação me deixassem em paz, eu não lhe daria trabalho. Isso tem tudo a ver com a Alma; você me dá ordens e depois me culpa por executá-las”.

“Orar por assuntos específicos”, disse eu, “sempre me parece como aconselhar a Deus sobre como conduzir o mundo. Não seria mais sábio supor que Ele sabe o melhor?”. “Por esse mesmo princípio”, disse ele, “imagino que você nunca peça a uma pessoa ao seu lado para passar o sal, porque Deus é quem melhor sabe se você deveria comer sal ou não. E imagino que você nunca leve um guarda-chuva, porque Deus é quem melhor sabe se você deve se molhar ou ficar seco”. “Isso é muito diferente”, protestei. “Não vejo por que”, disse ele. “O realmente estranho é que Ele deva deixar-nos influenciar o curso dos eventos. Mas uma vez que Ele nos deixa fazê-lo de uma maneira, não vejo por que Ele não deva deixar-nos fazê-lo de outra”.

Referência:

C. S. Lewis – Essay Collection: Faith, Christianity and the Church. Londres: HarperCollins, 2002, pp. 346, 347.

Todos já tiveram sonhos mais ou menos ambiciosos, mais ou menos amplos. Mas quando eu conheci Stanley num dos eventos organizados pela Fundação que ele preside, sabia que se tratava de alguém muito especial com uma visão mais do que grandiosa, da qual logo sonhei em participar de alguma forma. A forma mais imediata que encontrei foi traduzindo a boa notícia para o leitor brasileira:

A Fundação C. S. Lewis há tempos vem vislumbrando estabelecer o Colégio C.S. Lewis nos Estados Unidos, uma instituição cristã totalmente acreditada para as belas letras, belas artes e artes performáticas. Essa visão está prestes a se tornar realidade, seguindo o planejado no sentido de lançar o Colégio C.S. Lewis no belo campus em Northfield, Massachusetts, que foi recentemente comprado para esse propósito da Northfield Mount Hermon School. Essa propriedade foi comprada para o uso do C.S. Lewis College pela Hobby Lobby, uma rede de lojas de artes e artesanato, com sede na cidade de Oklahoma.

Depois de sujeitar-se a todas as credenciais necessárias, o Colégio C.S. Lewis está atualmente planejando dar início às aulas no segundo semestre de 2012.

Veja o texto original e vídeo com detalhes de como contribuir em: www.cslewiscollege.org

Vamos colaborar!!