Hoje as mulheres conquistaram muito espaço em todos os âmbitos da sociedade.

São presidentes, como a Dilma, 1º ministro, como a Angela Merkel da Alemanha, cientistas, medicas, professoras,  militares, etc., e também continuam a ser donas de casa e mães.

A realidade nem sempre foi assim, as mulheres de todos os séculos sofreram discriminação e muitas vezes foram subjugadas ao poder masculino. As duas ondas do movimento feminista – no início do século XX e nos anos 60, as duas guerras mundiais, entre outros, procuraram mudar esta situação, sendo importantes nas conquistas de muitos direitos da mulher tais como: o voto, o direito ao trabalho, direito aos filhos.

No entanto, como em todas as revoluções sociais, aconteceram vários desequilíbrios e a mulher fez estas conquistas com armas masculinas, usando também da subjugação e força, deixando de lado as características femininas, como a ternura, o afeto e intuição. As mulheres se firmaram num mundo masculino com valores machistas e muitas vezes praticam estes mesmos valores às avessas. É preciso resgatar o papel da mulher, não acima, nem abaixo do homem, mas ao seu lado.

A bíblia muitas vezes, à primeira vista, nos passa uma imagem machista, porém quando lemos a mesma de forma integral, considerando todo seu contexto, percebemos que é exatamente o contrário que acontece. Deus é a favor da mulher, e existem inúmeros textos que indicam que Deus dá um valor especial para as mulheres.

Ao lermos o texto de Provérbios 31, que é uma poesia, e não uma história real de uma mulher, pode nos vir à mente que é impossível chegar aos pés desta mulher especial, virtuosa, e então não temos nem a vontade de tentar, afinal não vamos conseguir mesmo….

Gostaria de me fixar na parte que julgo mais importante neste texto, que é o vers. 30: A mulher que teme ao Senhor.

Temos na Bíblia inúmeros exemplos de mulheres que temiam a Deus e com isso fizeram a diferença na historia da humanidade. Algumas simples e humildes outras de família real, juízas, etc. O que as une é o temor a Deus.

O que é o Temor a Deus, ou temer ao Senhor?

A palavra temor a Deus na Bíblia não está relacionada com o primeiro significado que encontramos no dicionário que é medo, terror. O significado bíblico de temor a Deus está relacionado com a profunda reverência e respeito aos preceitos de Deus, à sua santidade; é odiar o que Ele odeia, andar em seus caminhos e buscar conhecê-lo cada vez mais.

Para temer a Deus não é necessário ser uma pessoa especial, importante, na verdade o caminho é inverso: muitas vezes mulheres mudaram o curso da humanidade simplesmente porque temiam a Deus.

Alguns exemplos:

As Parteiras do Egito: (Êxodo 1: 15-21)

O povo de Israel estava no Egito a cerca de 400 anos após a morte de José e havia sido subjugado e escravizado. Realidade não muito diferente da que vivemos hoje em vários lugares do planeta. Povos de minoria étnica em geral são subjugados, massacrados, etc.

Mas Deus teve misericórdia deste povo sofrido, resolveu libertá-los do jugo que sofriam e para tal usou duas mulheres simples do povo: duas parteiras.

O texto não diz nada que Deus falou com elas, seja em sonho, visão ou qualquer outra forma de manifestação sobrenatural. Provavelmente estas mulheres eram analfabetas, sem instrução, mas tiveram coragem para desafiar a pessoa mais poderosa de sua época – o faraó!

Tudo isso por um simples motivo: elas temiam a Deus. Sabiam que Deus estava acima do faraó, (considerado um deus pelos egípcios na época – Rá). Elas sabiam que poderiam morrer por desobedecer a faraó. Mas Deus as honrou, pela sua fidelidade, proporcionou que elas tivessem sua própria família, naquela civilização imprescindível para ter o respeito da comunidade.

Onde nós mulheres podemos desafiar os “faraós” de nossa época? Onde você pode fazer diferença?

Raabe: (Josué 2:8 e 6: 22-25)

Raabe era uma mulher que não tinha um relacionamento pessoal com Deus, pelo contrário, ela era uma prostituta (provavelmente cultual).

Os povos cananeus tinham práticas de muita opressão para com os membros mais frágeis de sua população, eles faziam sacrifícios humanos, especialmente de crianças, e virgens que eram obrigadas a praticar sexo cultual para satisfazer os “deuses” daquele povo.

Raabe era uma mulher oprimida, provavelmente discriminada, pertencia a um povo inimigo dos israelitas, mas temeu a Deus. Por seu temor a Deus ela escondeu os espias do povo judeu e lhes deu dicas de como fugir e enganar os lideres de seu povo, os cananeus.

É interessante que ela ainda não conhecia a Deus pessoalmente, fala com os espias em termos de “o vosso Deus”, fala do medo que tem do Deus dos espias. Mas apesar disso reconhece a grandeza de Deus, (6: 11). “Quando ouvimos estas coisas, perdemos a coragem e todos ficamos com muito medo por causa de vocês. O Deus de vocês, o Senhor, é Deus lá em cima do céu e aqui em baixo na terra.”

Vemos aí claramente mais um quesito no temor a Deus: reconhecer a onipotência e a onisciência de Deus.

Raabe pediu aos vigias que poupassem a sua família na destruição de Jericó. Deus fez algo muito maior, Deus ao invés de mandá-la à destruição e morte, lhe oferece vida muito além do que ela seria capaz de imaginar. É impressionante que Raabe é uma das poucas mulheres que está na genealogia de Jesus, também é citada no livro de Hebreus 11:31 como uma das heroínas da fé. Deus a honrou, ela que não era ninguém, tornou-se ancestral do Filho de Deus.

Você tem reconhecido a grandeza e a onipotência de Deus? Ele tem se tornado o centro de sua vida? Você tem confiado em Deus a despeito das adversidades? Tem sido fiel a Ele?

Debora, a mulher guerreira: (Juízes 4 e 5)

Depois que Josué, sucessor de Moises, morreu, o povo de Israel se afastou de Deus e passou a adorar os deuses dos cananeus. Deus, para chamar seu povo de volta, permitiu que eles fossem atacados por vários outros povos e o povo israelita sofreu muito e clamou que Deus os libertasse.

Deus ouviu o clamor do povo e instituiu vários juízes, pois ele nunca desistiu do seu povo. Débora era uma profetisa e também foi instituída juíza para julgar as questões dos israelitas. Era um cargo usualmente masculino e ela foi a única mulher que o exerceu.

Deus escolheu alguém que era fiel a Ele, que escutava a Sua voz em meio a um povo idólatra. Em certa ocasião Deus falou que ela deveria chamar a Baraque para que ele enfrentasse o exercito inimigo. Deus, por intermédio de Debora, havia prometido a vitoria ao povo de Israel, mas Baraque teve medo da batalha e afirmou ele só iria guerrear se Debora fosse junto. Debora concordou e durante toda a batalha afirmava que a vitoria era certa, pois Deus tinha prometido ao povo.

Ela se tornou porta-voz do plano de Deus na batalha. Ela constantemente estava incentivando a Baraque: “Vá agora porque é hoje que o Senhor lhes dará a vitória sobre Sisera. O Senhor está com você.” (v. 14)

Onde você mulher deve ir à frente para que a vontade de Deus seja cumprida? Onde você deve ser a incentivadora, colocando-se ao lado dos homens para que Deus possa ser louvado, para que os inimigos d’Ele sejam excluídos?

Rute a estrangeira, viúva e pobre. (Rute: 1 a 4)

Quando lemos o livro de Rute, ficamos novamente maravilhados com a ação de Deus. Ela é mais uma das personagens que nos surpreendem. Como a historia de uma mulher pobre, viúva e estrangeira foi parar no meio da história do povo de Deus, e como ela conseguiu ainda se tornar ancestral de Davi, o maior rei de Israel?

A estrangeira Rute não pertencia e nem se sentia à vontade no povo de Israel. Mas ela fez uma escolha, ela abandonou a sua família, sua terra para seguir junto com a sua sogra até o povo dela. Ela adota o Deus da sogra como sendo seu Deus, assume uma nova cultura e cuida de Noemi até o final da vida dela.

No contexto judaico as mulheres eram seres inferiores e o homem judeu ortodoxo agradecia a Deus por não ter nascido mulher, escravo ou estrangeiro. Rute preenchia quase todos estes quesitos. Ela apenas não era escrava, mas era tão pobre que vivia das migalhas que podia catar nos campos dos outros. Acredito que a maior característica de Rute é a sua fidelidade para com Noemi, sua sogra.  Fidelidade é uma das marcas das pessoas que temem a Deus.

Rute nos mostra que Deus está interessado na vida de qualquer ser humano, Ele quer a sua redenção e o seu amor. Qualquer pessoa, a mais marginalizada é recebida por Ele, a nossa resposta deverá ser a fidelidade e o reconhecimento de Sua soberania.

Você te sido fiel a Deus e às outras pessoas, tem reconhecido a soberania d’Ele em sua vida?

Ana, a mulher de oração: (I Samuel 1:9-28)

Na vida de Ana, vemos mais um aspecto de uma pessoa temente a Deus. A devoção e adoração a despeito das adversidades.

Ana era uma mulher muito sofrida, no v. 6 e 7, o texto afirma que ela chorava muito e perdia o apetite pois era motivo de gozação e chacota por parte da outra esposa de Elcana, seu marido. Naquela época os homens tinham o direito de tomar uma segunda esposa se a primeira fosse estéril. A esterilidade era considerada um castigo de Deus. Apesar de Ana ser amada pelo seu marido tinha uma profunda tristeza.

Ana derramou seu coração aflito a Deus, orando e chorando copiosamente, fez isso por várias horas e ao contrário do que era costume o fez apenas sussurrando.  Sentia-se incompreendida por todos, talvez inclusive pelo marido, pois ele a tratava bem, e não compreendia o porquê de tanta tristeza.

Acredito que ela nem tinha coragem de orar em voz alta pensando que seria de novo motivo de gozação e risos. Somente Deus poderia compreendê-la, por isso falou com Ele em voz baixa, os outros não precisavam saber. Mas, até nisso foi incompreendida, pois o sacerdote Eli, representante de Deus, achou que ela estava bêbada, e veio dar uma bronca nela.

Ana poderia ter desistido de tudo naquele momento, além de as humilhações que vinha sofrendo durante anos ao se derramar perante Deus também é incompreendida. Mas, ao contrário, ela não desistiu e esclareceu a Eli que estava derramando seu coração a Deus. Mesmo não contanto a Eli o motivo de suas súplicas o sacerdote lhe anunciou que seu pedido seria realizado.

Ana imediatamente mudou de atitude e apesar de não estar grávida ainda, ela passou a adorar a Deus juntamente com a sua família. A tristeza foi embora, ela engravidou e sua vida mudou completamente. Daí em diante ela passou a ter o objetivo de criar a criança, Samuel, para que fosse um servo de Deus.

Apesar de Eli ser um pai que não soube educar seus próprios filhos, Hofni e Finéias, Ana em obediência à promessa que fizera a Deus levou seu filho ainda pequeno, com poucos anos para ser educado no templo por Eli. Deve ter sido difícil para ela separar-se deste menino, mas em seus lábios apenas havia cânticos de louvor.

Samuel se tornou profeta, juiz, líder militar e sacerdote. Ele caminhou com Deus durante toda a sua vida e ungiu Saul e Davi, os primeiros reis de Israel. Com certeza a vida de fé e oração de sua mãe Ana colocou a base desta vida íntima com Deus.

Ela expressa seu louvor e adoração num novo momento de oração, desta vez em voz alta. Todo o cântico exalta a grandeza e a justiça de Deus, ela reconhece que somente Ele é santo e capaz de transformar o pranto em alegria.

Onde você precisa derramar seu coração a Deus, o adorando e buscando apesar de ser incompreendida? O que tem feito para conduzir seus filhos no caminho de Deus a fim de que andem em Seu caminho e cumpram a vontade d’Ele em suas vidas?

Ester, mulher corajosa e sábia: (Ester: 4: 15 a 5:1)

Uma das marcas das mulheres tementes a Deus é a confiança absoluta n’Ele e nos Seus propósitos, e cumprir a vontade d’Ele com sabedoria.

A historia de Ester começa na corte de Xerxes, rei da Pérsia, senhor absoluto do maior império daquela época. Tornou-se rainha depois que a primeira esposa de Xerxes o desafiou em público, descumprindo uma ordem dele e caindo em desgraça.

Ester era órfã, criada por seu tio Mordecai. Quando Xerxes conclamou as jovens de seu reino a fim de escolher uma nova rainha, Ester, obedecendo a seu tio, também se apresentou e acabou sendo escolhida como esposa real devido a sua grande beleza e formosura.

Acontece uma conspiração do 1º ministro da Pérsia, Hamã, a fim de matar todos os judeus do reino. E Mordecai recorre a Ester para que a desgraça não aconteça. Ester deveria interceder junto à Xerxes pelo seu povo. A questão é que ninguém sabia que Ester fazia parte do povo judeu.

Ester ficou com medo, pois havia mais de mês que o rei não a chamava, e se chegasse à sua frente e ele não gostasse poderia ser morta.

Neste momento começamos a ver a sabedoria de Ester, ela em primeiro lugar buscou a Deus, durante três dias ela orou e jejuou juntamente com as suas servas, além disso, pediu que todo o povo judeu fizesse o mesmo. Depois disto, preparou-se, vestiu-se com suas melhores roupas, para chegar à frente de Xerxes. É preciso preparar-se em oração para enfrentar situações difíceis.

Quando foi recebida pelo rei, novamente vemos a sabedoria de Ester. Ela não foi diretamente ao assunto, pelo contrário, ela o convidou, juntamente com Hamã, o inimigo dos judeus, para um jantar. Neste o rei novamente lhe perguntou o que ela queria e ela não falou nada, apenas os convidou para novo banquete. Apenas depois do terceiro banquete ela expressou o seu pedido em favor de sua vida e a do seu povo.

Grande sabedoria de Ester, primeiramente conquistar para depois pedir. Ela conseguiu controlar a sua ansiedade, seu medo, a fim de conquistar o apreço e a confiança do rei. A consequência da sabedoria de Ester foi que os inimigos dos judeus foram eliminados enquanto estes foram poupados.

Ester poderia ter pedido apenas por sua própria vida, mas ela sabia do propósito para o qual Deus a colocou naquela situação. Hamã era mau perante o Senhor, e uma das características de quem teme a Deus é não aceitar o mal.

Estamos rodeados por pessoas e situações em que o nome de Deus é zombado, seus preceitos são descumpridos, o mal parece triunfar. Com coragem e sabedoria é possível reverter esta situação. No Salmo 111:10 “para ser sábio é preciso primeiro temer a Deus, O Senhor. Ele dá compreensão aos que obedecem seus mandamentos.”

Até os dias de hoje os judeus lembram-se desta vitória na Festa do Purim.

Em que situação Deus te coloca na qual na qual você tem de demonstrar coragem e sabedoria? Onde você tem de manejar com a sua ansiedade a fim de cumprir o plano de Deus na sua vida e na dos outros? Onde você precisa repudiar e derrotar o mal?

Finalizando:

A marca de uma mulher especial, uma mulher de valor é o seu temor a Deus. Deus quer se manifestar na vida de todas as mulheres, basta buscá-lo e segui-lo sempre, mesmo que as situações sejam adversas, mesmo que implique em abrir mão de regalias. Qualquer mulher, desde a mais marginalizada até a mais importante precisam estar no centro da vontade de Deus para que possam fazer diferença no seu contexto.

Não precisamos nos sentir intimidadas com a mulher de Provérbios 31, ela apenas fez o que Deus pede a todas nós: como diz em Deuteronomio 10:12 : “escute o que o Senhor Deus exige de você: Ele quer que vocês o temam e sigam todas as suas ordens; quer que o amem e sirvam com todo o coração e com toda a alma.”

Assim, o temor de Deus é como o oxigênio para a vida do discípulo. Sem temor a Deus não existe o discípulo.

(Dagmar F. Grzybowski)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>